sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

LEMBRAR DE SI



Para conhecer, a consciência vai até os objetos. Para lembrar de Si, a consciência simplesmente nada faz. Simplesmente repousa em si como já é o caso sempre.


 Sambodh Naseeb

DESPERTO


Despertar é recordar quem você é, saber que você é consciência,
estando consciente de ser consciente.


 Sambodh Naseeb

sábado, 12 de novembro de 2016

O SER NÃO CONHECE O EGO




O ego vive sob solidão e medo.
Mas teu Ser não conhece ego.

Sambodh Naseeb

O UNIVERSO É UM



O ego é uma contração que acontece na mente que a faz imaginar que é a pensadora dos pensamentos, a fazedora das ações, e aquela que sente os sentimentos. Tudo isso acontece pela consciência e na consciência. Ou seja, nenhum indivíduo separado faz nada por si próprio, porque independência é um mito. O universo é Um.

Sambodh Naseeb

segunda-feira, 17 de outubro de 2016

ORGULHO




Assim como a lua orgulha-se de seu brilho, desconhecendo que é iluminada pelo sol, uma pessoa se orgulha de si mesma sem perceber que a fonte de sua luz não é seu ego.
Sambodh Naseeb

ONE




A paz nunca é minha.
A paz que é minha serei capaz de perder.

Eu sou consciência.
A consciência nunca é minha.

A consciência que é minha sou capaz de perder.

Sambodh Naseeb

quarta-feira, 12 de outubro de 2016

VIDA CONSCIENTE




Vida Consciente é a base de uma vida virtuosa. Inconsciência é o único erro. Consciência, a única virtude. Maturidade é ampliar sua criatividade, sua amorosidade, sua afetividade, sua vitalidade, sua capacidade de transcendência. A maturidade se devota à vida e sente a vitalidade imensa do templo sagrado que é o corpo; compreende a profundidade da mente e se enraíza naquilo que verdadeiramente é. Todos os caminhos desembocam nisso: consciência. E a consciência só tem um caminho a seguir quando reconhecida: uma vida de amor e criatividade.
Sambodh Naseeb

LIBERDADE & AMOR




Quando a compreensão toca o fundo de nosso ser, sabemos muito bem que o Todo e a parte, a consciência e a criação, ying e yang, masculino e feminino, estão em unidade. Por isso, quando excluímos uma parte de nossas vidas, estamos excluindo a Unidade também. Eles são unos. E como você é consciência, rejeitar uma parte do Todo é rejeitar a si mesmo também. Aceitação é o perfume disso. O Amor incondicional inclui tudo. O Amor é o que liberta. Liberdade e amor são sinônimos.
Sambodh Naseeb

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

ÓCULOS DA MENTE



Tudo é Unidade. A mente surge no Uno. Então a Unidade é vista através dos óculos da mente como diversidade, criação contínua, transitoriedade e dualidade.
Sambodh Naseeb

NADA A ESPERAR



O silêncio é a resposta. O futuro é um pensamento que acontece neste momento. Não há nada a esperar. O Amor Consciente já está aqui. Nada pode acontecer no futuro, porque ele não existe em si! O futuro é uma ideia que depende da consciência. O Amor Consciente não vive o futuro. Aqui é onde mora o segredo. E o segredo é aberto, vivo e disponível.

sábado, 17 de setembro de 2016

COMO TRANSFORMAR O PENSAMENTO EM NADA


CRIATIVIDADE QUÂNTICA


LUZ





Assim: quando dormes a noite, sonhas contigo chegando num mestre espiritual e obtendo a iluminação. Ficas muito feliz. Aí acordas. E estás na cama. E nada aconteceu. 
O sonho da mente é assim. 
És a LUZ eternamente, que passando pelo prisma se decompõe em sete cores, dando início a aventura da criação. 
O prisma é a mente. 
Você é a LUZ.

Sambodh Naseeb

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

SEMPRE PRESENTE



Ninguém pode dizer “Eu acordei”. Não existe passado para o acordar. É sempre aqui-agora. Não tem passado. Ninguém acorda, na verdade. Ninguém dormiu, sejamos honestos. Tudo é uma ideia da mente. Nunca deixamos o berço da eternidade.
Sambodh Naseeb

LIBERAÇÃO


Acordar espiritualmente é libertar-se da prisão dos pensamentos.

Sambodh Naseeb

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

ESPONTANEIDADE



A descoberta da espontaneidade é uma das aventuras mais lindas do despertar. Tudo acontece como tem de ser porque não há nada para impedir isto. O estado natural é pleno de aceitação. A mente pensa. O corpo sente. Os sons são ouvidos. Tudo em perfeita harmonia. Não há um cobrador ou julgador como impostor. Tudo é visto á luz da clareza. Amor é o convidado mais íntimo.

Sambodh Naseeb

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

MARAVILHAMENTO



Maravilhamento é sempre agora. Você não pode se maravilhar com o futuro nem com passado. O maravilhamento é este sentimento de estar aqui agora completo. Você nunca vai ser completo para a sua mente. Ela sempre vai lhe dizer que está faltando isso, que está faltando aquilo. Mas você já é completo para teu coração, para teu Ser. Todo pensamento é só um rótulo. Só uma maneira de se relacionar na vida relativa. Não é uma realidade. É um rótulo, uma etiqueta. Eu posso pegar um vidro de amoras e botar uma etiqueta "morangos". Mudou a essência das amoras? Não. A essência da vida permanece sendo a essência da vida, seja qual for a ideia que você tenha a respeito.

Sambodh Naseeb

sábado, 10 de setembro de 2016

UM



Podemos nos dar conta de que não podemos ver a consciência porque na verdade somos a consciência. Não podemos olhar PARA ela, apenas DELA. Não somos observadores, mas a Pura Observação. Do mesmo modo, não olhamos PARA o mistério da vida, mas sim DO mistério da vida. E isso nos clareia de que o repouso necessário já está sempre aqui, dentro, iluminando aquilo que chamamos de "fora". Tudo é Um aparecendo como variedade.
Sambodh Naseeb

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

A CHAVE DE OURO



Compreensão é uma chave de ouro e tem o poder de transformar a energia interior que operamos. Tudo que você pensa sobre si mesmo é projetado no mundo em que você vive. Nesse sentido, sua mente é pura magia. Enquanto ela tem um pensamento que acredita ser real, projetará este pensamento no mundo e viverá um sonho, uma história autocriada.
Todo o seu mundo, dessa forma, é criado pelos seus pensamentos. A realidade está sempre sendo interpretada por sua mente. Existe uma paisagem mental que vê a realidade de um certo jeito. Duas pessoas jamais vêem a mesma realidade. Suas paisagens são sempre diferentes. O objeto externo pode ser o mesmo. Mas a sua relação com o objeto muda a qualidade do objeto. Quando duas pessoas olham para uma terceira, uma dela pode simpatizar com esta terceira, e a outra não. Isso acontece porque a mente cria a partir de si mesma, a partir de suas experiências passadas, os gostos e os desgostos. Quando gostamos de algo, ou quando detestamos algo, isso vem de alguma coisa dentro de nós que está entrando em contato com a realidade. Isto que está dentro determinará o que está fora. Mais tarde perceberemos, com a meditação, que não há fora nem dentro. Fora e dentro é mais um pensamento da mente. Tudo que é visto e observado está dentro. Dentro do quê? Dentro da consciência que eu sou. Está aparecendo em mim. Logo, está aparecendo na consciência. Tudo está na consciência. Se não estiver, eu não posso conhecer. Quem conhece? A própria consciência.
Sambodh Naseeb

VAZIO MARAVILHOSO DE AMOR



O ponto é: quando o ego/mente está a serviço do amor e da verdade, alinha-se àquilo que é, e perde o falso senso de separação. Quando o ego/mente fixa-se em sua própria separação ilusória, culpa, orgulho e resistência aparecem, e então medo surgirá como consequência. Logo, depende a quem o ego está servindo. Sem esquecer de que a mente é sempre a consciência consciente ou não de si mesma. Em outras palavras: consciência envolvida na matéria cria um falso centro chamado eu. Tomando consciência de si, amplia seu sentido de eu e inclui todos os objetos em si mesma. E como todos os objetos que fazem parte da criação são consciência manifesta, podemos dizer também que os objetos não existem em si, que são vazios de natureza inerente. Nisargadatta Maharaj disse de uma bela maneira: "No Amor eu sou tudo. Na Consciência eu sou nada. Entre os dois, a minha vida flui".
Sambodh Naseeb

DOIS LADOS DO EGO



O orgulho cria o dominador. A vítimização cria o dominado. Assim os sistemas do mundo se desenvolvem entre aqueles que se imaginam senhores e aqueles que se imaginam servos. Aqueles que gostam de dominar e mandar, e aqueles que se sujeitam a serem moldados e mandados. Os dois lados do ego criam estes dois processos. Tomar consciência disso é libertador.
Sambodh Naseeb

domingo, 28 de agosto de 2016

O INDIVÍDUO REALMENTE EXISTE?


(Proposições quânticas na espiritualidade)


Tudo começou com Max Planck, em 1900. A física clássica Newtoniana nos legou 3 preconceitos que os atuais físicos quânticos contrapõem. Estes são: 1) O Determinismo: que é o conceito de que são as leis físicas que determinam todos os movimentos. 2) A localidade: que todas as relações de causa e efeito estão acontecendo dentro do tempo e do espaço. 3) A objetividade: que os objetos e coisas são separados e independentes uns dos outros.

Há 2.600 aos atrás, Buda ensinava seus discípulos que “eventos acontecem, mas não há nenhum indivíduo separado a fazê-los”. Devemos nos deter no ponto “nenhum indivíduo separado”. Ou seja, há causa de muita controvérsia na filosofia, psicologia e hoje na neurociência a questão de indivíduo existir ou não existir. Mas a questão, essencialmente, não é esta. O fato é que, se olharmos para as três leis quânticas postuladas acima, fica mais fácil compreender.

Nenhum indivíduo pode existir separado, logo a ideia de um indivíduo independente é realmente apenas uma ideia da mente. Estamos em uma sopa quântica, onde todos os eventos funcionam como uma teia gigantesca, onde todas as partes se relacionam umas com as outras (em essência, não são partes, mas quando vistas por um observador, tornam-se partes). Quando há um observador olhando para esta teia, o colapso quântico cria a imagem de um indivíduo separado de um objeto, fazendo aparecer a relação sujeito que vê e objeto que é visto. Sem você como um observador, há apenas ondas de potencialidades. É sua mente que converte as ondas (campo vazio-luminoso) em alguma coisa (mundo manifesto). Dito assim, entendemos melhor quando os mestres falam do vazio.
Quando Buda nos diz que somos o Puro Vazio, devemos entender que este Vazio é a Pura Potencialidade da Consciência Universal (campo das possibilidades), ao qual fazemos parte porque estamos dentro dele, e em realidade unos com ele. Como corpos, aparecemos dentro dessa Consciência. E neste exato momento, a Consciência pode ser vista como uma tela de computador onde aparecem imagens. Essas imagens aparecem na tela, e surgem da tela. Imagens e tela não podem ser separados. Consciência Universal (campo de possibilidades) e Consciência Individual (mente) funcionam não-separados, como a analogia do oceano e da onda. No Vedanta hindu, os textos dos Upanishades dizem que a “parte” é igual ao “todo” em sua essência. Toda a parte carrega a marca do todo. Em outras palavras, Brahman é essencialmente igual ao Atman. Na terminologia cristã, usou-se a simbologia do Pai e do Filho, sendo as palavras de do mestre: “Eu e o Pai Somos Um”.

Dessa forma, compreender que o indivíduo existe e não existe, ao mesmo tempo, fica um pouco mais compreensível, embora a mente não consiga engolir esta declaração, afinal ela, que vive no campo da dualidade, sente dificuldade em compreender que opostos possam existir simultaneamente. Aristóteles pode ser muito mais aceito pela mente que Heráclito.

Mas o fato é que esta Consciência é tanto transcendente ao espaço-tempo como imanente a ele. Está e não está. Existência e não-existência dançam dando base à declaração de Buda: “O Vazio é Forma. E Forma é Vazio”. O indivíduo existe do ponto de vista da mente separada, mas em verdade não existe separado de absolutamente nenhum objeto a sua volta, já que o seu background é um Campo Único de Possibilidades que chamamos aqui de Consciência.

Aqui entendemos porque alguns guias espirituais irão falar do ponto de vista do vazio sobre o indivíduo, e porque outros irão falar do ponto de vista do ego separado. É uma questão de metodologia. A abordagens negativa e a abordagem positiva. Apenas abordagens. A experiência da lua não é igual ao dedo que a aponta. Como negativo e positivo anulam-se entre si, fique a vontade para flutuar por onde sua natureza se sente mais atraída. Osho falou de ambos os caminhos, mas tendia a usar uma terminologia baseada no falso ego, e começar daí sua caminhada. Osho disse: Comece da sua experiência básica e vá em frente. Mas muitos indivíduos sente-se inclinados a uma outra abordagem, onde já de saída a não dualidade é explícita, e este é o caso do Dzogchene o Zen, no Budismo, o Vedanta Advaita - a desconstrução do eu é o início do caminho. Você já começa compreendendo que o eu não é independente, nem fixo, nem separado de nada sua volta. O eu é vazio de substância inerente. O eu é composto e dependente. Digamos que Advaita comece como o Prajnaparamita de Buda, o Sutra do Coração, onde a noção de que Vazio é Forma e Forma é Vazia é convidada a ser contemplada profundamente.

Para encerrar, lembramos que no novo paradigma da ciência que estuda objetos subatômicos, há uma premissa básica: é a Consciência e não a matéria a base da Vida. E como nada acontece fora deste campo de possibilidades que é a Consciência ou Inteligência, como dizia o neoplatônico Plotino, a relação entre o sagrado e o mundo, entre o divino e você não é dualista. Eis o por que de chamarmos esta visão da unidade da vida de não dual. Ela parece dois, mas em essência é o Um aparecendo como dualidade.

Nesse ponto é que chegamos na beleza e profundidade do caminho espiritual profundo e meditativo. Com algumas pessoas, acontece esta história que se chama “caminho espiritual”. O sábio iluminado Ramana Maharshi propõe o método investigativo “Quem Sou Eu?”, para despertar a observação, o  Eu Real - observação vazia de conteúdo que percebe e no qual acontece pensamentos. Ao mesmo tempo o reconhecimento de que esta observação é nada separada desses pensamentos transitórios que surgem e desaparecem no campo da Consciência. Há muitas abordagens místico-experimentais. Com Osho e Buda, a ênfase dada é na meditação, no silêncio. O ponto central é que a EXPERIÊNCIA da não-experiência é o que realmente cristalizará em você este insight tão profundo e aparentemente paradoxal e contraditório. Como dizia Osho, o meditador estará entrando no campo da supralógica, além da lógica binária proposta pela mente. O meditador passa a resonhecer a sabedoria imediatamente, porque seu insight é direto, quando não há obstáculos mentais no caminho.
A ênfase de alguns mestres em dizerem que você não existe é apenas metodologia inicial, um primeiro passo para apontar mais enfaticamente o vazio da consciência. Após resgatar a observação, num segundo momento tudo começa a ser visto como inseparável, onde tudo é nada e nada é tudo, onde forma é vazio e vazio é forma. A grande magia da vida é compreendida. Tony Parsons diz: “A vida vai continuar jogando com você, derrubando-te uma e outra vez, até que a unidade tome o controle e só haja isso. Então a vida continuará como sempre mas já não haverá ninguém que possa ser derrubado”.


Os físicos se surpreendem maravilhados como ao ler uma poesia, quando estudam a relação partícula/onda, por exemplo, as ondas podem aparecerem em dois lugares ao mesmo tempo e os elétrons podem saltar de uma órbita atômica para outra sem passar por espaços intermediários. O milagre da existência é muito mais profundo do que nossa razão possa compreender. Eis porque o fundamento e a resposta para a Vida é sempre o Amor. Mas o Amor só pode ser compreendido completamente no salto quântico da mente para o coração, da mente para a não-mente. O Amor é a resposta para a Vida. É a descoberta e o despertar de que matéria, energia e consciência são Um. Osho disse: “A vida não é algo a ser explicado mas um  grande mistério a ser vivido”. Simplesmente Amor.

Sambodh Naseeb




segunda-feira, 23 de maio de 2016

SÁBIOS E TOLOS



Para viver o amor é preciso a coragem de confrontar o medo.
Para viver a plenitude é preciso a coragem de confrontar o vazio.
Rubem Alves disse uma vez: "Sábias são as pessoas que sabem viver. Tolo é aquele que, tendo defendido tese sobre barcos e mapas, não sonha com horizontes, não planeja viagens, não imagina portos. anda sempre em terra firme por medo do naufrágio".

UM BOM CAMINHO



Seu caminho espiritual tem aberto o seu coração e derramado amor de dentro de você?
Este é um bom caminho.

Sambodh Naseeb

AMOR AMOR AMOR




Jamais se prenda por palavras em um satsang.
O amor que lhe desperta é o único ensinamento.
Satsang é a voz do coração falando ao coração, no coração.

domingo, 15 de maio de 2016

ALTERNATIVA




Se alguém lhe diz que você é bacana, sua mente começa a acreditar. Se alguém lhe diz que você é um fracasso, você acredita nisso. Isto quer dizer somente uma coisa: que não conhecemos a nós mesmos diretamente, mas sempre, indiretamente – através dos outros.
Confiamos que os outros sabem quem somos. Conhecemos de nós mesmos apenas opiniões que ouvimos dos outros. O mais engraçado é que os outros pensam a mesma coisa. Eles não se conhecem e pensam que você os conhece. Desse modo, imaginamos necessitar o tempo inteiro de aprovação para manter uma identidade aceitável. O ego, essa identidade social, nos mantém por pouco tempo com o sentimento de sermos alguma coisa. Até que surge um novo contexto que abala tudo que foi construído a duras penas. Novamente a casa cai. Novamente você se sente perdido. E novamente tenta reconstruir-se através dos outros.
Acordar é uma nova alternativa. Ao invés de confiar nessa imagem passível de ser construída e destruída socialmente, passamos a nos interessar pela nossa nudez completa. É a morte de quem eu pensava que era. E o ver daquilo que não pode ser construído nem destruído.
Sambodh Naseeb

quinta-feira, 12 de maio de 2016

PÁGINA DO BIO.ZEN NO FACEBOOK

https://www.facebook.com/SAMBODHNASEEB/

PREENCHIMENTO



O desejo pelo preenchimento é uma pista deixada na mente, pela consciência, para reencontrar-se infinitas vezes, de variadas formas, consigo mesma.

Sambodh Naseeb

quarta-feira, 11 de maio de 2016

O AMOR




O divino marca presença no mundo como Amor. O reconhecimento de que o bem e o mal não existem em si mesmos, que são relativos, nos dá um pista para o que seja o Amor. O Amor não é relativo. O Amor é a marca do divino, que é absoluto, existe antes de tudo, depois de tudo, não está no tempo, não nasce, nem morre.


Sambodh Naseeb

A FALÁCIA DA BUSCA



O divino está sempre ao seu alcance, porque ele é você todo o momento. Não há como alcançar o divino, porque qualquer esforço ou qualquer pensamento de que ele está separado de você é simplesmente uma falácia da mente. Ao investigar, nos damos conta de que não há lugar algum fora do aqui-agora.

Um monge zen estava caminhando pela floresta, quando um tigre enorme saltou em sua frente. Como o tigre veio em sua direção ele saiu correndo. Quando chegou em um precipício, resvalou e caiu. Por sorte, agarrou-se em um galho de árvore. Olhando para cima, o tigre o esperava faminto. Olhando para baixo, um desfiladeiro mortal. Que destino! - pensou ele.
Já estava na pontinha do galho, quase caindo, quando avistou duas frutinhas vermelhas. Estendeu a mão e levou-as à boca. E disse para si mesmo: “Que frutinha maravilhosa !”


Sambodh Naseeb

sábado, 30 de abril de 2016

AJUSTE INTERNO



A mente é “confusa” porque é uma mente mal-esclarecida, ignorante de sua origem. Quando a mente começa a se esclarecer, um ajuste interno acontece. Uma nova ordem se faz presente. Chamo isso de meditação.

Sambodh Naseeb 

sexta-feira, 22 de abril de 2016

O TREM E O ARCO ÍRIS (Sambodh Naseeb)


DECLARAÇÃO (Sambodh Naseeb)


ELA E OS BUDAS (Sambodh Naseeb)


NÃO HÁ NINGUÉM






"A minha mente vai parar?"
Veja agora quem é você.
"Eu sou um observador do corpo e da mente.”
Se você é o observador, quem está preocupado com a mente?
"Sim, mas você quer dizer que é a mente que se preocupa?"
A natureza desse observador é silêncio, paz, não julgamento. Quem mais poderia se preocupar? Veja por si mesmo! Sendo um observador, há realmente algum problema? Quando você está em seu centro, há algum tumulto? Você não é quem pensa. Você não é quem sente. Você é o ser que não está localizado no espaço e no tempo. Confie nisso.
"Mas eu me identifico."
Calma aí. Fique quieto. Não toque em nada. Desse ponto de vista do silêncio, me diga: quem se identifica?
“Eu".
Quem observa o pensamento que você disse agora: “Eu me identifico”. Quem? Permaneça em silêncio. No silêncio, sem dizer nada, sem querer nada, sem interpretar, sem analisar. Quem se identifica?
"Não há ninguém!"
Isso mesmo! Permaneça nisso. Isto é a Identidade Original. Por que criar tanta confusão, não é mesmo? Sendo esta atenção pura, não há mais nada a fazer. Tudo que acontece é parte do funcionamento da Vida no seu todo. Quem vai interferir? Este é o caminho da entrega. Você percebe que o ego é só um pensamento, e então entrega a ideia de controle. Sem o controlador, não pode haver mais ego. E, sem ego, não há luta. Sem luta, a paz é convidada. Entrega acontece espontaneamente. Está calor, você transpira. Está frio, você liga o fogo. Então, o que você entregou de verdade? A ideia de controle! Fique Agora e veja.


Sambodh Naseeb

domingo, 17 de abril de 2016

NADA A PERDER OU GANHAR


Buda diz: “Não se obtém nem se perdem as coisas”.

Quem pode perder ou ganhar se você é Consciência? Consciência é o nome do Todo. O Todo não ganha, nem perde. O Todo é um Todo! Quem imagina que ganha ou perde é a mente.


Acordar espiritualmente é ver profundamente que não há nada a perder ou ganhar.


Sambodh Naseeb

SEJA UMA TESTEMUNHA


Se você deseja aprender a meditar, permita o fluxo dos pensamentos e fique à margem, apenas observando. Se a mente diz alguma coisa, apenas note o que ela diz. Faça a pergunta: “Para quem estes pensamentos estão aparecendo?” ou “O que está consciente desses pensamentos?”
 E permaneça como a Testemunha de tudo.

SambodhNaseeb

ATENÇÃO É AMOR


Traga sua atenção para perto de você. Desfrute disso. Seja onde estiver, conversando com alguém, caminhando, acordando pela manhã, lembre-se de voltar a atenção para si mesmo. Caminhando, sinta sua respiração, seus passos, alivie as tensões dos ombros, perceba a si mesmo enquanto caminha. Sua atenção vem da sua essência divina. Quando você lembra dela, está se aproximando mais de você mesmo. Quando uma mãe dá atenção a sua criança, ela sente isso como amor. Quando você dá atenção a uma pessoa, ela sente isso como amor, dedicação. Atenção é amor. Na atenção não há nenhum julgamento – apenas observação amorosa, dedicação ao momento. É este o segredo da atenção (que é a essência do estado meditativo).


É possível reconhecer o momento, perceber o que já está aí de fato, e trazer esta atenção para este presente. Podemos desfrutar fazer isto, e tenho certeza de que você terá lindos momentos quando usar sua atenção no Agora.

Sambodh Naseeb 

VIDA VIVE A VIDA


Buda diz que não há um eu separado. Se não há um “eu”, de onde vêm os pensamentos? Da Vida. Se não há um “eu”, quem faz as escolhas? A Vida. Se não há um “eu”, quem faz suas ações? A Vida. Deus é Vida. Deus e o “eu” em realidade nunca estiveram separados! Por isso os hindus sempre disseram que o ego é uma ilusão. A idéia de que controlamos tudo que acontece cria culpa e orgulho no coração humano. De verdade, somos instrumentos da Vida, porque a Vida é Deus. E só há um jeito de viver: em profunda entrega a cada momento. Em profunda gratidão por estarmos aqui vislumbrando a maravilha e o milagre do movimento da criação!

Sambodh Naseeb

VIDA ILUMINADA

LIVRO:VIDA ILUMINADA
Autor: Sambodh Naseeb


DOWNLOAD:

http://www.mediafire.com/download/m1uw18cyt3qolqc/VIDA+ILUMINADA+29-01-10.pdf

O NOBRE CAMINHO QUE LEVA AO AGORA


quarta-feira, 9 de março de 2016

MEDITAÇÃO "SOLTAR"



                                                               SAMBODH NASEEB

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2016

WORKSHOP EM VITÓRIA


LIBERDADE?



Infelizmente muitos chamam de liberdade obedecer a todos os impulsos que afloram do subconsciente, ainda que contradigam a virtude e a lucidez. Isso chama-se "viver reativo". Ou escravidão.

ARTE & MANHAS


As artimanhas do ego são incríveis. Ele sai do caminho de ambicionar poder no mundo para querer poder no espírito. Algumas pessoas transferem seus desejos, do mundo para o espiritual, como se desejos espirituais fossem desejos "melhores". Agora não mais ambição por dinheiro, mas ambição por iluminação, por Deus.
Trungpa Rinpoche chamava isso de "materialismo espiritual". Se você estiver maduro, permita que as coisas não dêem certo, que as coisas não se resolvam, que as coisas mudem, que a frustração aconteça. Investigue: "Quem quer que as coisas dêem sempre certo?" "O que é dar certo?" Em resumo: a profunda espiritualidade é uma derradeira entrega daquele que se imagina no controle. Não é um caminho pessoal, em verdade. É um olhar singelo e repousado, manso e terno, naquele espaço que você em essência é, que neste momento já está bem e em paz.
Sim, há um ponto no caminho em que fazem parte as aquisições, os ganhos, os desejos de conquista. Você é ensinado a ganhar, a comprar, a ter, a acumular. Tudo isso fortalece o senso de existir. Osho dizia: "Quero que vocês desfrutem tudo conscientemente, para que percebam sua futilidade mais cedo ou mais tarde".
Há muitos que se tornam maduros para começar a perceber o truque do mestre. Chega um tempo em que os desejos pessoais terão de ser apenas observados, testemunhados. A mente quer. Você observa. A mente deseja, você testemunha.
A unidade se manifesta em uma diversidade de graus de compreensão. Mas o que dá suporte a todas as compreensões? de onde nascem as compreensões? O que dá suporte a todos os caminhos? O que tem consciência de todos os caminhos? Isto, que sabe dos caminhos, é um caminho?
Se você olha pra dentro, desaparece, assim como todos os caminhos. E nesse desaparecimento de você, a necessidade de controle estará ausente.
Toda a caminhada se resume em Ser. E o mais interessante é que Ser não está no tempo. Não iremos nos transformar no Ser. Ser não está no tempo! Ser já é Agora. Você já é! Já uma Presença! A pessoa está no tempo, é produto do tempo. Mas o Ser é Presença Atemporal.
Na meditação, se você quer conhecer o Ser, você simplesmente tem que perceber que você é o Ser. Isto é o que você é. E isto já é Agora. Tudo o mais é fruto do pensamento. E é o pensamento que coloca o Ser no futuro.
Nessa ausência de busca, em meio segundo, o AMOR celebra. Quando naturalmente não houver busca compulsiva por ser amado, você se torna o AMOR. Mas isso não pode ser forçado, porque isso não depende de você-ego. Acontece quando há maturidade. Pela observação daquele que implora por amor, a revelação daquilo onde nada falta emerge.

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

VASTIDÃO


Dê uma caminhada pela cidade e reconheça tudo que você vê como o vazio apresentando-se como Ser. Reconheça as pessoas, os animais, os prédios, os sons, as texturas, sons, beleza, como o vazio projetado como Ser, Vida, Plenitude, Bênção. Volte para casa e continue a sentir gratidão por tudo que existe. Tudo vem da mesma fonte. Tudo é o vazio aparecendo como maravilhoso. Tudo é o vazio que, através do pensamento, toma formas e nomes. Reconheça a sua intimidade com tudo. Seu corpo é vazio. Seus pensamentos também. Sinta-se nessa vastidão. Você é isso.

Sambodh Naseeb

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

TEMPO DE MORRER


Ikkyu, um mestre zen, era muito inteligente até quando era apenas um menino. O seu instrutor possuía uma preciosa xícara de chá, uma peça antiga e rara. Ikkyu acabou quebrando essa xícara e ficou completamente perplexo. Ouvindo os passos de seu instrutor, ele segurou os pedaços da xícara atrás de si. Quando o mestre apareceu, Ikkyu perguntou:
-Mestre, por que as pessoas têm de morrer?- Isto é natural...- explicou o homem mais velho - Tudo tem de morrer e tem um tempo determinado para viver.
Ikkyu, mostrando a xícara despedaçada, acrescentou:
- Era tempo de sua xícara morrer.

CERTO E ERRADO

Quando Bankei realizava semanas de retiro de meditação, estudantes de muitas partes do Japão compareciam. Durante um desses encontros um estudante foi pego de surpresa roubando. O assunto foi relatado a Bankei com a solicitação de que o estudante fosse expulso. Bankei ignorou o caso. Mais tarde o estudante foi pego em um ato semelhante, e mais uma vez Bankei desconsiderou a questão. Isto irritou os outros estudantes, que redigiram uma petição pedindo o afastamento do ladrão, afirmando que caso contrário eles iriam embora do grupo. Quando Bankei leu o pedido, convocou todos para comparecer à sua presença.
-Vocês são sábios.- disse ele - Vocês sabem o que é certo e o que é errado. Vocês podem ir para algum outro lugar para estudar se quiserem, mas este pobre irmão não sabe nem mesmo distinguir o certo do errado. Quem lhe ensinará seu eu não o fizer? Vou mantê-lo aqui mesmo que todos vocês partam.
Uma torrente de lágrimas limpou o rosto do irmão que tinha roubado. Todo o desejo de roubar havia desaparecido.

DEUS




Buda estava reunido com seus discípulos certa manhã, quando um homem se aproximou: 
- Existe Deus? - perguntou. 
- Existe - respondeu Buda. 
Depois do almoço, aproximou-se outro homem. 
- Existe Deus? - quis saber. 
- Não, não existe - disse Buda. 
No final da tarde, um terceiro homem fez a mesma pergunta: 
- Existe Deus? 
- Você terá que decidir - respondeu Buda. 
Assim que o homem foi embora, um discípulo comentou, revoltado: 
- Mestre, que absurdo! Como o Senhor dá respostas diferentes para a mesma pergunta? 
- Porque são pessoas diferentes, e cada uma chegará a Deus por seu próprio caminho. O primeiro acreditará em minha palavra. O segundo fará tudo para provar que eu estou errado. E o terceiro só acredita naquilo que é capaz de escolher por si mesmo.

sábado, 23 de janeiro de 2016

PONTO DE REFERÊNCIA FALSO



Desejo parar os pensamentos. Como posso fazer isto? Não consigo um minuto sem ser importunado por esses pensamentos...


Descubra quem está sendo importunado. Quem é você? Veja que existe um ponto de referência chamado eu (que é falso) que deseja parar de pensar. Quem é este ponto de referência? Um pensamento. Se você ficar quieto, não fizer nada, e simplesmente ser quem você é agora, você deixa de colocar energia no pensamento. Sem energia ele perde força. Lembre que todo pensamento é vibração. A sua atenção e interesse o nutre. Se você não fizer nada, ele evapora. Se você fizer alguma coisa, a energia aumenta, pela atenção que você dá. Então o segredo dos segredos é: Veja-se agora como liberdade, como aquilo que é sempre livre. Dê um sorriso e note sua Presença. Breves momentos de atenção correta, e você verá o quão simples isto é.

Sambodh Naseeb 

EU



Imagine que a Consciência que você, EU, é o pano de fundo para tudo que acontece no seu universo. Do mesmo modo que a tela branca do cinema aceita o filme, EU está junto do filme da vida sem jamais apegar-se. O apego aos dados é a aparente ilusão da mente, que julga ser o EU. Seja o espaço vazio EU e observe os dados. Note que os dados mudam, mas EU continua recebendo outros dados. O EU pode ficar vazio também. E depois voltar a receber dados. Você (EU) é o que permanece. Quando os dados aparecem, quem se importa? Quem se importa com a mente se você se identificar com o espaço?

Sambodh Naseeb

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

TUDO É UNO


Mas e como explicar as formas feias e as atuações dos homens em termos de maldade, como molestadores de crianças e assassinos?

Tudo faz parte da Totalidade da criação. Depende dos seus óculos. Se estiver usando óculos de lentes vermelhas, tudo aparecerá vermelho. Se os óculos forem puros e transparentes, você vê tudo é, sem distorção. Se a sua mente está vivendo um momento de separação da Consciência, ou seja, se ela não está reconhecendo ainda sua fonte, se está fechada em si mesma na sua pequena inteligência, então você funciona dentro de uma visão limitada, pertinente aos seus instintos e desejos. Se a mente está em luta, em briga, em oposição, basicamente vivendo o tempo inteiro em torno da raiva, da mentira, do ciúme, da inveja, do orgulho, da avareza, da luxúria desenfreada, então é natural que ela experimente sofrimento e dor. É natural que adoeça psicologicamente e fisicamente. E quanto mais tentar satisfazer os instintos e desejos sem se conectar com a Fonte de Si (Consciência Pura), mais desejo e insatisfação virão.
Um amigo meu dizia sempre: “O sofrimento está sempre aí para quebrar nossa resistência à evolução”. Então o sofrimento amigo vem como um irmão que nos ajuda a sair do marasmo, da falsa segurança, da ignorância, das ilusões, da auto-sabotagem. No momento certo a Consciência acorda no corpo humano. O início do acordar chama-se busca espiritual. O desabrochar desse acordar chama-se iluminação, que é quando você sabe, sem sombra de dúvida quem você é, e tudo é vivido na pura aceitação do fluxo da Inteligência Universal. Então você e a Vida são irmãos. Você e a Vida são Um. Comunhão é sentida porque você sabe que na aparência das coisas tudo parece separado, o seu corpo e o corpo de seu amigo parecem dois corpos, mas em essência você sabe que o espaço onde os corpos estão é um só – e você em essência é este espaço onde os dois corpos estão.
O oceano é Uno, ondas são muitas. O Espírito Universal é apenas um, e ele permeia tudo que existe. Se você é o Espírito Universal, se você é a Consciência Pura, ou se você é o Buda (Vazio Consciente, Luminoso e Pleno), você está em tudo. Você é tudo e está em tudo. Você é a essência de tudo e ainda a aparência de tudo enquanto viver num corpo e mente que vê as aparências. A mente é o instrumento para ver as aparências. Consciência é o instrumento que promove sabedoria, que vê a aparência como mera aparência, um pensamento como mero pensamento. Mente é o óculos que usamos temporariamente. Consciência é nossa mais pura nudez e o reflexo mais puro do absoluto.


Sambodh Naseeb

SAT SANGHA


Satsang é um dar-se conta de que você, como Consciência, está presente em todos os estados da mente (feliz, triste, raivoso, inseguro, corajoso, tímido, expansivo ou retraído). Quer você esteja triste ou alegre, você é está consciente disso. ( O que muda é a mente, o conteúdo da experiência).

 Quando satsang desperta, esta Consciência desperta, isto não é mais uma experiência diferente que você tem. Toda a experiência vem e vai. Toda a experiência tem um começo, assim, terá certa duração e um fim. Satsang não é uma experiência. Satsang é o reconhecimento de que aquilo que você é de verdade é a Consciência, e ela está presente em todos os estados evolutivos da mente, da ignorância à sabedoria. É um reconhecimento profundo, uma mudança de identidade da mente para além da mente, de forma que você tem a experiência de que você como abertura e essência não sofre o que a mente cria.

Sambodh Naseeb