quinta-feira, 21 de fevereiro de 2008

O GUARDADOR DE REBANHOS (FERNANDO PESSOA)

O meu olhar é nítido como um girassol.
Tenho o costume de andar pelas estradas
Olhando para a direita e para a esquerda,
E de vez em quando olhando para trás...
E o que vejo a cada momento
É aquilo que nunca antes eu tinha visto,

E eu sei dar por isso muito bem...
Sei ter o pasmo essencial
Que tem uma criança se, ao nascer,
Reparasse que nascera deveras...
Sinto-me nascido a cada momento
Para a eterna novidade do Mundo...

Creio no mundo como um malmequer,
Porque o vejo. Mas não penso nêle
Porque pensar é não compreender...
O Mundo não se fêz para pensarmos nêle
(Pensar é estar doente dos olhos)
Mas para olharmos para êle e estarmos de acôrdo...

Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é,
Mas porque a amo, e amo-a por isso,
Porque quem ama nunca sabe o que ama
Nem sabe porque ama, nem o que é amar...

Amar é a eterna inocência,
E a única inocência não pensar...


IX

Sou um guardador de rebanhos.
O rebanho é os meus pensamentos
E os meus pensamentos são todos sensações.
Penso com os olhos e com os ouvidos
E com as mãos e os pés
E com o nariz e a bôca.

Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la
E comer um fruto é saber-lhe o sentido.

Por isso quando num dia de calor
Me sinto triste de gozá-lo tanto,
E me deito ao comprido na erva,
E fecho os olhos quentes,
Sinto todo o meu corpo deitado na realidade,
Sei a verdade e sou feliz.

CLARICE LISPECTOR

Antes de me organizar, tenho que me desorganizar inteiramente. Para experimentar o primeiro e passageiro estado primário de liberdade.Da liberdade de errar, cair e levantar-me.Mas se eu esperar compreender para aceitar as coisas - nunca o ato de entrega se fará. Tenho que dar o mergulho de uma só vez, mergulho que abrange a compreensão e sobretudo a incompreensão. E quem sou eu para ousar pensar? Devo é entregar-me. Como se faz? Sei porém que só andando é que se aprende a andar e - milagre - se anda.

Clarice Lispector

A CAUSA NÃO ESTÁ FORA

Lembre-se de uma coisa: sempre que você sentir que alguma coisa está errada, primeiro encontre a causa em si mesmo. Não vá para nenhum lugar. Em cem vezes, noventa e nove vezes você encontrará a causa dentro de si mesmo. E se você encontra a causa dentro de você, noventa e nove vezes em cem, a centésima causa irá desaparecer por si mesma.
Você é a causa de tudo o que lhe está acontecendo. Você é a causa e o mundo é apenas um espelho. Mas sempre é um consolo encontrar a causa em algum lugar mais. Então você nunca sentirá culpa, você nunca sentirá autocondenação. Você sempre pode apontar que aqui está a causa e a menos que esta causa mude, "como eu posso mudar?". Você pode escapar com isso; isso é um truque. Assim, sua mente sempre continua projetando as causas em algum outro lugar. A esposa está perturbada por causa do marido; a mãe está perturbada por causa dos filhos; os filhos estão perturbados por causa do pai. Todo mundo está perturbado por causa de alguém mais e todo mundo sempre pensa que a causa existe externamente.
Você está perturbado por causa de alguém mais; essa pessoa está perturbada por causa de você. E você está criando tudo a sua volta, projetando, e então ficando temeroso, ferido e fazendo esforços para se defender. E então existe miséria e frustração e conflito e depressão e luta.
A coisa toda é estúpida e ela permanecerá a menos que você mude sua atitude. E sempre tente primeiro encontrar a causa dentro de você.

Osho, The Book of the Secrets, V.3, # 44

A ARTE DE ESTAR COM O OUTRO

A arte de estar com o outro
Amor significa a arte de estar com os outros. Meditação significa a arte de estar consigo mesmo. São dois aspectos da mesma moeda. Uma pessoa que não sabe como estar com ela mesma verdadeiramente não pode relacionar-se com os outros. O relacionamento dela será inconveniente, sem graça, feio, fortuito e acidental. Num momento tudo está indo bem e noutro momento tudo se foi. Ele estará sempre indo para cima e para baixo; nunca ganhará profundidade. Será muito ruidoso. Certamente ele lhe dará uma ocupação, mas não terá nenhuma melodia nele, nem lhe alçará até as alturas da existência ou até as profundezas do ser.
E vice-versa: a pessoa que não é capaz de estar com os outros, de relacionar-se, achará muito difícil relacionar-se consigo mesma, porque a arte de relacionar-se é a mesma. Seja relacionar-se com os outros ou consigo mesmo, não faz muita diferença: é a mesma arte. Essas artes têm que ser aprendidas juntas, simultaneamente; elas são inseparáveis. Esteja com as pessoas, não inconscientemente, mas bem conscientemente. Relacione-se com as pessoas como se você estivesse cantando uma canção, como se você estivesse tocando numa flauta; cada pessoa precisa ser pensada como um instrumento musical. Respeite-as, ame-as e adore-as, porque cada pessoa é uma face oculta do divino. Portanto seja bem cuidadoso, bem atento. Lembre-se do que você está dizendo; lembre-se do que você está fazendo. Pequenas coisas bastam para destruir relacionamentos, e pequenas coisas tornam relacionamentos tão belos. Às vezes basta um sorriso, e o coração do outro se abre para você; às vezes basta um olhar errado em seus olhos, e o outro se fecha – é um fenômeno delicado. Pense nisso como uma arte: assim como o pintor é muito vigilante do que ele está fazendo na tela, cada simples traço irá fazer muita diferença. Um pintor verdadeiro pode mudar toda a pintura apenas com um simples traço. A vida tem que ser aprendida como uma arte: muito cuidadosamente, bem deliberadamente. Assim, o relacionamento com os outros precisa se tornar um espelho: veja o que você está fazendo, como você está fazendo isso e o que está acontecendo. Que está acontecendo ao outro? Você está tornando a vida dele mais miserável? Você está provocando sofrimento nele? Você está criando um inferno para ele? Então retire-se. Mude suas maneiras. Embeleze a vida ao seu redor. Deixe que cada pessoa sinta que o encontro com você é uma dádiva: apenas por estar com você algo começa a fluir, a crescer, algumas canções começam a surgir no coração, algumas flores começam a se abrir. E quando você estiver sozinho, então sente-se totalmente em silêncio, absolutamente em silêncio, e observe a si mesmo. Assim como o pássaro tem duas asas, deixe amor e meditação serem suas duas asas. Crie uma sincronicidade entre eles, assim eles não estarão de maneira alguma em conflito um com o outro, mas cuidando um do outro, alimentando um ao outro, auxiliando um ao outro. Esse vai ser o seu caminho: a síntese entre amor e meditação.
Osho: The Rainbow Bridge, #

O ENSINAMENTO

Buda estava reunido com seus discípulos certa manhã, quando um homem se aproximou: - Existe Deus? - perguntou. - Existe - respondeu Buda. Depois do almoço, aproximou-se outro homem. - Existe Deus? - quis saber. - Não, não existe - disse Buda. No final da tarde, um terceiro homem fez a mesma pergunta: - Existe Deus? - Você terá que decidir - respondeu Buda. Assim que o homem foi embora, um discípulo comentou, revoltado: - Mestre, que absurdo! Como o Senhor dá respostas diferentes para a mesma pergunta? - Porque são pessoas diferentes, e cada uma chegará a Deus por seu próprio caminho. O primeiro acreditará em minha palavra. O segundo fará tudo para provar que eu estou errado. E o terceiro só acredita naquilo que é capaz de escolher por si mesmo.

NÃO É MESMO?

Sua mente está sempre lhe dizendo que a felicidade está lá.
Sua mente não pode aceitar que a felicidade esteja AQUI.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

ESSA "COISA" QUE FAZ POR VOCÊ...

O sábio indiano Krishnamurti sempre disse a mesma coisa. Quando estamos ausentes (ou seja, quando não estamos pensando, analisando, comparando, usando a mente para sair do presente) alguma coisa toma conta de você. Essa “coisa” é inominável, não se pode classificar. Ela acontece quando você relaxa no presente.

Naseeb

ÊXTASE

Há uma parábola de que gosto muito. A parábola da rosa e da rocha, que representam exatamente a entrega e a total aceitação da vida que propõe a visão da meditação.
A rocha é dura, forte, isenta de doença e sofrimento. A rosa é frágil, sujeita a tempestades e ventos fortes e à morte. Mas a rosa está viva. A rosa exala seu perfume e compartilha seu ser com os outros. Com a rocha não há troca.
O ser humano tem se tornado uma rocha para fugir da dor. Para se tornar forte, o ser humano colocou uma armadura em volta de si. Esta armadura o protege das tempestades, mas em compensação também o protege do amor e do compartilhar.
A rosa está aberta aos dois, à dor e ao amor.
A rocha está fechada para a dor, mas também está fechada para o amor.
Nós temos escolhas. Se preferirmos nos proteger, seremos uma rocha bem forte, mas teremos de viver isolados dos nossos sentimentos mais bonitos, das trocas mais profundas que a vida oferece. Tudo que há de belo acontece quando estamos abertos. É por isso que o amor oferece tanto medo. Para amar uma outra pessoa precisamos estar abertos e mostrar o que somos realmente. Precisamos mostrar tudo que há de bom, e tudo que há de feio também. Porque nós somos os dois. Deus e o demônio estão dentro de nós. E precisamos aceitar isto. Sem esta aceitação não há transformações profundas. O êxtase só é sentido quando somos corajosos para aceitar e transformar o lado escuro de nossa mente – a nossa sombra. Êxtase significa que estamos vivendo no presente e sentindo profundamente a magia da vida. Meditação é um caminho para este êxtase.

Naseeb

TÉCNICAS

Todas as técnicas de meditação são para fazer você desfrutar o presente e parar de viajar excessivamente nos pensamentos. A meditação é para tornar a sua mente menos confusa, mais clara, mais sensível para sentir, cheirar, tocar, provar e olhar a vida.

Naseeb

PARÁBOLA

Um ancião e um menino viajavam com um burro. Caminhavam ao seu lado quando atravessaram um povoado. Um grupo de meninos riram deles gritando:

- Olhe que par de burros! Possuem um burro e vão os dois andando. Pelo menos o velho poderia montá-lo.

Então o ancião montou no burro e seguiram sua marcha.

Ao passar por outro povoado algumas pessoas se indignaram ao ver o velho sobre o burro e o pobre menino caminhando.

Assim, o velho e o menino trocaram seus postos.

Ao chegar na aldeia seguinte as pessoas comentaram:

- Isso sim é intolerável! O menino sentado no burro e o pobre ancião caminhando ao lado!

Passadas assim as coisas, o velho e o menino subiram no burro. Pouco depois, veio um grupo de camponeses pelo caminho, os viram e lhes disseram:

- É vergonhoso o que estão fazendo. Vão arrebentar o pobre animal!
O velho e o menino tomaram a determinação de carregar o burro em seus ombros, e então as pessoas gozaram deles dizendo:

- Nunca vimos uma gente tão boba. Possuem um burro e em lugar de montá-lo o levam em suas costas!

De repente o burro se revolveu com força, se despencou de um barranco, e morreu.

O velho, sabiamente, instruiu o menino:

- Querido meu, se escutas as opiniões dos demais e lhes segues o conselho, acabarás mais morto que este burro. Sabes o que te digo? Fecha teus ouvidos às opiniões alheias. Que o que os demais dizem seja indiferente. Escuta unicamente a voz do teu coração!

ACEITAÇÃO

O Osho disse uma vez que “A única diferença entre nós é que você não diz ok para você mesmo – essa é a única diferença. Você está continuamente tentando melhorar a si mesmo, e eu não estou tentando melhorar. Eu disse: imperfeita é como a vida é. Você está tentando se tornar perfeito e eu aceitei minhas imperfeições. Essa é a única diferença. Então eu não tenho problemas. E quando você aceita suas imperfeições, de onde poderão vir os problemas ? Quando você diz OK ao que quer que aconteça, então de onde pode o problema surgir ?”

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2008

O PURO ZEN

E tem também aquela história do mestre que estava em seu leito de morte. Um dos discípulos sabendo de seus gostos preferidos, querendo agradar o mestre antes que ele se fosse, resolveu buscar um bolo para ele.
Quando ele chegou com o bolo o mestre ficou com os olhos cheios de luz, com um sorriso de criança olhando aquele bolo delicioso.
Então um dos discípulos disse:
“Mestre, diga-nos suas últimas palavras. Nós precisamos ouvir seu último ensinamento”
E o Mestre sorriu, provou uma fatia do bolo e disse:
“Ahh... Que bolo delicioso!”, e morreu.

Sim! Seu último ensinamento foi isto. Esteja no presente! Ele desfrutou do bolo. Ele estava presente até o último minuto. Nada mais é preciso. Nenhum tratado filosófico, nenhuma teoria, nenhuma escritura religiosa, nenhuma linguagem verbal... nada. A realidade é tão abundante quando podemos “estar” nela, ou mesmo "sermos" ela naquele momento! A vida ensina a cada instante. Nada mais é preciso. E não é preciso adiar. Está aqui. Paramos e vemos. Deus não está escondido! A vida não está escondida! E meditação faz você começar a sentir este Poder de Ser você!. Mas um poder silencioso...
Você não precisa acreditar em nada. Apenas ter um sentimento profundo de amor à vida. E vida é Deus.
ISTO É ZEN.
A maior simplicidade que há.

Sambodh Naseeb

O CAMINHO DA LIBERAÇÃO

Uma vez perguntaram ao mestre Buda Gautama porque tão poucas pessoas iluminadas existiam. Será que é tão difícil assim perceber a própria iluminação ?

Buda respondeu: “Faça uma experiência. Vá ao vilarejo mais próximo e durante todo o dia pergunte a diversas pessoas o que elas mais querem na vida”.

O discípulo foi e voltou no fim do dia para falar com o mestre.

“Conversei com muitas pessoas. Muitas respostas. Umas querem um bom casamento, outras querem ter muito dinheiro, outras querem ter muita fama, poder...”

Buda respondeu: “Então já tens sua resposta. Muito poucas pessoas desejam a iluminação, por isso, nunca iniciam o caminho da meditação, que é a libertação do sofrimento”.

OSHO

VIDA

A vida é Deus. Não há nenhum Deus esperando para te cumprimentar em algum lugar. O criador transformou-se na criação. A criação é o criador. Assim como a dança e o dançarino são um, a criação e o criador são um. Quando você entrar fundo na vida, encontrará a alegria, que é o perfume de Deus. Para isso, descubra uma maneira de conhecer o seu coração. Descubra o que é o amor. O amor é a porta para este perfume.O amor é a escada para Deus.

Naseeb (Nataniel Piva)

O PODER DA MEDITAÇÃO

Meditação não é introspecção. Não é pensar. Não é refletir. Não é visualização. Não é mentalização. Não é viagem astral. Não é incorporação de espíritos. Não é levitação. Não é hipnose. Não é sair do corpo. Não é lavagem cerebral. Não são efeitos especiais esotéricos.

Meditação é simplesmente relaxar no presente. Curtir a vida que está acontecendo agora.

Se você for ao dicionário, encontrará um sinônimo para meditação: refletir, ponderar. Mas este significado não é o significado que o oriente tem para meditação. Meditação é apenas aprender a viver no presente.

Mas essas são idéias equivocadas que as pessoas têm da meditação. Quando estamos no presente, totalmente no momento, estamos sentindo verdadeiramente a vida.

Mas quando realmente estamos no presente?
A maior parte do tempo estamos pensando no passado ou no futuro, lembrando ou viajando na imaginação.

Meditação é justamente o contrário do que muitos pensam. A maioria de nós está sempre “viajando” na mente, sonhando acordado. Meditar é sair do sonho e sentir a beleza da realidade com outra percepção. É estar aqui e agora, disposto a olhar a vida como ela é.

Em meditação aprendemos que o nosso Ser real está sempre no presente. Quem não está nunca no presente são nossos pensamentos. Então precisamos aprender o que é nossa essência. Assim, aos poucos aprendemos a reconhecer a paz que está sempre conosco. Quem é você? Além do seu papel social, QUEM É VOCÊ? O que é a vida? Qual o propósito da vida? Qual a razão de você estar aqui? Qual o mistério da vida
e da morte?
Se você tem interesse nessas perguntas, você está participando da obra de Deus.

Veja se sua vida não é apenas um satisfazer dos seus sentidos. Então ela se torna sem sentido.

Nossas vidas repetitivas nos impedem de estar no presente. Tudo se repete, de forma que podemos viver no piloto automático e predizer de antemão tudo que ocorrerá... “Irei trabalhar, comer, tomar uma cervejinha, olhar um filme na tv, fazer sexo, depois dormir para acordar no outro dia de novo e...”

Será que não é isso que todos nós estamos fazendo com nossas vidas? Acho que a meditação ajuda a nos darmos conta do nosso automatismo, dos hábitos cômodos, da vida robótica que temos vivido para cumprir certos papéis sociais.

Uma vez ouvi do Gaiarsa: “TODOS VIGIAM A TODOS PARA QUE NINGUÉM FAÇA AQUILO QUE TODOS QUEREM FAZER”.

Esta é a nossa sociedade. Quem está preso, engaiolado, quem esqueceu os seus sonhos e vive uma vida pobre, gostaria que todos participassem dessa vida miserável também.

Viva o seu papel social, mas saiba que você é mais que isso. Você tem um potencial divino infinito para desenvolver, e a maioria das pessoas se acomoda por pouco. Talvez seja por essa razão que a vida pareça tão pouco significativa para muitas pessoas.

A meditação propicia uma harmonização energética no corpo e mente, clareando o seu espaço sagrado interior. É indicada para pessoas que se identificam muito com suas emoções e pensamentos, para depressões, bloqueios emocionais e doenças psicossomáticas. A sua prática regular é um poderoso antídoto para as doenças da mente e do corpo. Meditar é cuidar de sua vida. Porque a sua vida é a coisa mais preciosa que você tem.

Sambodh Naseeb Nataniel Piva

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2008

Presença de Deus

Amor é o perfume da presença de Deus! Tudo que você vê tem uma forma. Dentro da forma da sua namorada ou se seu amigo tem presença. Dentro da forma de uma plantinha, tem presença. Dentro da forma de uma montanha tem presença. Essa presença é a essência da vida. Você é essa presença consciente! Você está aprendendo a ser essa presença, mas conscientemente. As árvores são essa presença, mas não estão conscientes disso. As árvores são divinas, mas não sabem. O ser humano pode saber! O ser humano pode conhecer a sua essência, a essência da vida, conscientemente! Isso é o que os mestres chamam de Acordar, Despertar! A presença, que é a essência divina da vida, desperta num corpo humano!

FONTE

A parte passiva da consciência é a própria perfeição inerente como Fonte Divina. Aquilo que todos os sábios sempre se referiram como Deus: “aquilo que sempre foi, sempre é e sempre será”. Já a parte ativa é você e eu descobrindo os múltiplos aspectos de nós mesmos, que estão ocultos na parte passiva. Quando a terminologia cristã fala em “filhos de Deus”, está se referindo ao aspecto ativo de Deus, ao aspecto que vive separado da Fonte Infinita para experienciar, viver e recriar aquilo que a Fonte É.

Todo homem e toda mulher é uma consciência infinita no sentido de que é parte da Fonte. A mente em si é um aspecto da Fonte. A mente é parte da consciência infinita. O seu corpo e a sua mente são em essência a própria Fonte criando um mundo para viver experiências em que ela mesma vai desfrutar graças aos graus de evolução e assimilação que vai adquirindo no tempoe no espaço. Ou seja, dentro do mundo da mente tudo tem uma evolução. Mas o que você É em essência não evolui, porque não é uma experiência, não está no tempo, não nasce nem morre. A mente é o mundo da experiência, o aspecto ativo da Fonte. E este mundo da mente está sempre mudando. É um mundo sujeito à impermanência constante. Quando investigado com clareza, este mundo que vemos é uma ilusão da mente e dos sentidos, e revela-se então como Fonte ou consciência primordial de tudo que há.






A parte passiva da consciência é a própria perfeição inerente como Fonte Divina. Aquilo que todos os sábios sempre se referiram como Deus: “aquilo que sempre foi, sempre é e sempre será”. Já a parte ativa é você e eu descobrindo os múltiplos aspectos de nós mesmos, que estão ocultos na parte passiva. Quando a terminologia cristã fala em “filhos de Deus”, está se referindo ao aspecto ativo de Deus, ao aspecto que vive separado da Fonte Infinita para experienciar, viver e recriar aquilo que a Fonte É.

Todo homem e toda mulher é uma consciência infinita no sentido de que é parte da Fonte. A mente em si é um aspecto da Fonte. A mente é parte da consciência infinita. O seu corpo e a sua mente são em essência a própria Fonte criando um mundo para viver experiências em que ela mesma vai desfrutar graças aos graus de evolução e assimilação que vai adquirindo no tempoe no espaço. Ou seja, dentro do mundo da mente tudo tem uma evolução. Mas o que você É em essência não evolui, porque não é uma experiência, não está no tempo, não nasce nem morre. A mente é o mundo da experiência, o aspecto ativo da Fonte. E este mundo da mente está sempre mudando. É um mundo sujeito à impermanência constante. Quando investigado com clareza, este mundo que vemos é uma ilusão da mente e dos sentidos, e revela-se então como Fonte ou consciência primordial de tudo que há. OS DOIS ASPECTOS DO DIVINO


A parte passiva da consciência é a própria perfeição inerente como Fonte Divina. Aquilo que todos os sábios sempre se referiram como Deus: “aquilo que sempre foi, sempre é e sempre será”. Já a parte ativa é você e eu descobrindo os múltiplos aspectos de nós mesmos, que estão ocultos na parte passiva. Quando a terminologia cristã fala em “filhos de Deus”, está se referindo ao aspecto ativo de Deus, ao aspecto que vive separado da Fonte Infinita para experienciar, viver e recriar aquilo que a Fonte É.

Todo homem e toda mulher é uma consciência infinita no sentido de que é parte da Fonte. A mente em si é um aspecto da Fonte. A mente é parte da consciência infinita. O seu corpo e a sua mente são em essência a própria Fonte criando um mundo para viver experiências em que ela mesma vai desfrutar graças aos graus de evolução e assimilação que vai adquirindo no tempoe no espaço. Ou seja, dentro do mundo da mente tudo tem uma evolução. Mas o que você É em essência não evolui, porque não é uma experiência, não está no tempo, não nasce nem morre. A mente é o mundo da experiência, o aspecto ativo da Fonte. E este mundo da mente está sempre mudando. É um mundo sujeito à impermanência constante. Quando investigado com clareza, este mundo que vemos é uma ilusão da mente e dos sentidos, e revela-se então como Fonte ou consciência primordial de tudo que há.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

JÁ ESTOU...

Uma vez um negociante estava passando por uma mata, quando viu um homem descansando e cantando embaixo de uma árvore. O dia estava lindo, o sol iluminava a terra e as flores. O homem então chegou perto e disse:
“Ei, você aí. Vai ficar parado? Há muita coisa a fazer. A vida está aí. Vamos trabalhar, homem!”

O outro o olhou e perguntou muito suavemente : “Para quê?”

O negociante não podia compreender como o homem respondia dessa forma. Então, tentou se explicar mais claro: “Ora, para que...para ganhar dinheiro!”

O homem que estava descansando deu um suspiro longo, sorriu novamente, e perguntou:
“Para quê?”

O negociante estava começando a se impacientar com aquele homem. Respondeu: “Para quê? Para colocar um dinheiro no banco, assim você não precisará mais trabalhar e poderá descansar...

O homem fechou os olhos e disse, por fim: “Já estou descansando.”

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

Frase

"A sociedade complicara de tal modo as relações humanas, enredara de tal forma os indivíduos com leis e credos, com totens e tabus, que o homem se convertera em algo artificial, anormal, um fenômeno que a própria natureza criara mas já não era capaz de controlar."

Henry Miller