sábado, 31 de outubro de 2009

ILUMINAÇÃO & GRAÇA


Nos encontros que tenho, muitas pessoas ja me perguntaram sobre iluminação. Muitas querem saber se existe iluminação, como obter iluminação, e se é verdade o que alguns mestres advaitas dizem que não há iluminação para uma pessoa. Uma pessoa perguntou: "Se não há iluminação para uma pessoa, então porque se tem o costume de dizer que "aquele mestre é iluminado"?


Bem, o que é iluminação? É a percepção profunda e intuitiva, irrevogável e constante, de que quando você diz EU, você não está se referindo ao corpo/mente, mas a algo transcendental ao mundo dos fenômenos. O EU é pura consciência e presença, além do tempo, além do bem e do mal, além do nascimento e da morte.


Portanto, pode-se falar de duas formas sobre iluminação. Por um lado, nenhuma pessoa se ilumina, porque o percebimento da iluminação não é pessoal, e de fato, iluminação está além do eu pessoal, alem do ego, além dos conceitos. Por conseguinte, perceber que o EU real não é uma pessoa é iluminação.


Mas cada tradição tem seus conceitos sobre iluminação (que é simplesmente um conceito mental
para apontar algo). Do ponto de vista do querido mestre Nisargadatta Maharaj, iluminação é perceber que você é infinito, sem forma, presença consciente, eterna, perfeita. E ao mesmo tempo a clareza de que a mente é o envolvimento da consciência pura EU SOU com o corpo, sentindo-se separada e dotada de vontade própria. A consciência EU SOU é pura, sem pensamentos, está além da mente, e pode ser percebida intuitivamente como o observador dos pensametos, a testemunha dos pensamentos.

E qume pode perceber a iluminação?
Um pensamento não pode perceber! Olhe pra dentro: só existem pensamentos dizendo isso e aquilo. Um pensamento pode perceber? Não. Um pensamento é percebido. O que há antes do pensamento? Percepção consciente. Este é o EU REAL. Logo, iluminação não é uma conclusão, uma ideologia, uma crença. Mas sim um dar-se conta profundo e intuitivo de que sua natureza real é divina, intocada, e pura inteligência. Centrar-se nisso é o ponto de toda a meditação e o final de toda a busca. Voc~e estava buscando por você mesmo!


Viver a partir desta realização é graça constante! Os quereres e as obrigações de como as coisas deveriam ser acabam. A vida é aceita como ela é: uma aparência na consciência que você é. A consciência com pensamento chama-se mente. A consciência sem pensamentos é a ilimitada inteligência que você é - sem forma, sem tempo, sem tamanho, jamais conceituável pela mente.


Esta inteligência pura é inocente como o coração de uma criança.
Devote-se a ela.
Ter fé em si mesmo é isso: Ver quem você é e confiar nisso, amar isso, contemplar isso.


Sambodh Naseeb

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

MUDAR A PERCEPÇÃO


Preciso me desfazer dos prazeres da vida para acordar para minha essência? O que é preciso mudar em mim mesmo para alcançar o estado de fluidez e naturalidade?

Se existe algo a mudar é apenas a percepção. A mente criativa, que é a expressão do divino no corpo, continua criando sua vida. Deixe-a criar! Permaneça notando. Os prazeres da vida são obras de Deus para quem está Acordado, e é possível desfrutar tudo como parte da celebração da existência. Do contrário, servindo à ilusão, na ignorância de Si, os prazeres significam tentações, sofrimento, vícios e compulsões. Tudo depende de você...


Sambodh Naseeb

VIVER NATURAL


Até quando vou precisar usar este ensinamento?

Até compreendê-lo completamente, sem sombra de dúvida. Este ensinamento é como um barco. Quando você atravessa o rio, não leva o barco na cabeça! Um dia você pode esquecer completamente tudo isso e viver espontaneamente. Aí você volta pro mundo, mas está completamente mudado. Este é o viver natural.


Sambodh Naseeb

dEUs & EU


Qual a diferença entre Deus e eu mesmo? Poderia me esclarecer mais um pouco sobre como somos a imagem e semelhança de Deus?

Quando a ilusão de se sentir separado de Deus se vai, o divino vive livremente como você! Você apenas não se reconhece como divino por causa da ilusão de que está separado da Vida, de que existe um eu-ego separado. Existem hábitos mentais e tendências que lhe mantém acreditando em idéias errôneas. Sem a noção de que existe algo separado como você, você é sempre Consciência! Você já é Divino! Todos Somos Um! Tudo é sagrado sob olhos sagrados!


Sambodh Naseeb

domingo, 18 de outubro de 2009

PARAÍSO


Quando você amadurece na meditação, este mesmo mundo torna-se o paraíso, porque então não há mais divisão dentro de você. O momento presente é aceito com graciosidade e uma luz nasce de sua presença. A vida é aceita em seus paradoxos e polaridades. Deus é sentido em cada movimento de vida, em cada respiração que você dá, como as melodias de uma canção.

NASEEB

MEDITAÇÃO


Meditação é olhar para dentro. A mente pensa, enquanto que a Consciência que você É observa a mente pensar. A mente é constante conflito, mas a Consciência é silêncio e paz eternamente.

NASEEB

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

EMOÇÕES NEGATIVAS


Como posso ir além das emoções negativas que sinto, como raiva, ciúme, medo?

Experienciando elas diretamente sem a interferência da mente. Sen analisar, sem interpretar ou julgá-las negativas, mas por acolhê-las pela consciência direta. Tente um dia simplesmente fechar os olhos e não fazer nenhuma história sobre uma emoção negativa que estiver sentindo. Toda emoção negativa, quando olhada diretamente sem interpretação, tende a desaparecer. E toda emoção positiva, quando olhada diretamente da mesma forma, tende a se expandir. Por que? Porque em essência você é pura positividade. A natureza da consciência, da sua alma essencial, é pura positividade além dos opostos bem e mal. Definitivamente só há realmente o Supremo Bem.


NASEEB

domingo, 11 de outubro de 2009

A LUZ DA SABEDORIA LIBERTA


Vamos conceituar “mente” aqui como um processo de pensamentos. Catalogar, analisar, interpretar, julgar, definir – tudo isso é papel da mente. Fazemos tudo isso com a mente. É um mecanismo importante. Ok. Mas quando você está interpretando, analisando, catalogando, quem está atento a isso? Qual o pano de fundo? Não existe uma atenção no momento em que você está analisando algo? Sim, a análise é feita pela mente, mas como estou sabendo que a mente analisa? Não é algo que chamamos consciência? Um computador faz suas operações. Como sabemos que o computador está operando? Ora, sabemos porque existe “alguém” sabendo. Existe consciência (você) por trás do computador. O computador não sabe que ele está operando (ele é só um objeto, desprovido de consciência). Quando a mente está operando, existe uma consciência que nota isto. Esta consciência chamo de eu puro, um observador, aquilo que você é em essência e que está sempre estável porque isto É VOCÊ. Você é um observador puro, intocado, imaculado, observando as experiências do corpo e da mente.


NASEEB

BUSCA PRESSUPÕE TEMPO


Toda busca pressupõe tempo, e o tempo nos lança ao futuro. Se a vida se manifesta no eterno agora, se o amor é a fruto do relaxamento no agora, como precisaria de tempo para uma sintonia com ele? O que realmente parece deslocar a minha conexão com este momento de vida, que é o único momento que tenho agora, parece ser simplesmente o adiamento, o futuro, a promessa, a imaginação de que algo precisa acontecer para que eu possa ser feliz, perfeito, completo ou iluminado. São imposições mentais muito sutis às vezes, que impedem a realização do óbvio - que a vida está aqui, pronta para ser amada e vivida, em inocência, em pureza, em transparência. São crenças que aprendemos que nos ilude de que a felicidade prometida será encontrada se você fizer isto ou aquilo.


NASEEB

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

EU PURO


O eu puro é bem estar natural! O corpo não tem bem estar natural, porque o corpo não existe em si mesmo – ele depende das circunstâncias externas! Se há uma comida ele sente-se bem. Se não há comida, ele sofre. Se há uma boa companhia, ele se sente ótimo. Em presença de más companhias, se perturba. Mas pode o eu puro e natural sofrer com o mundo? Como o eu puro pode precisar de algo se ele em si mesmo é vazio de características objetivas? Por isso seu nome: eu puro. Significa: não depende de nenhuma coisa, de nenhuma pessoa. É o que é, nunca deixará de ser o que é, nunca deixou de ser o que é, e nunca irá mudar em sua natureza original vazia.
Tudo o que podemos fazer agora é muito simples: trazer a nossa atenção de fora para dentro. Notamos que a atenção está interessada no mundo, nos pensamentos, nas histórias e fofocas do mundo. O que fazemos? Trazemos a atenção de volta para nós mesmos.
Deixamos que ela descanse em sua origem. E quando a atenção repousa em sua fonte, nossa identificação com o mundo e o corpo se quebram. E porque razão este milagre acontece? Porque nossa identificação com o mundo acontece pela identificação com os pensamentos! Quado os pensamentos e este eu puro que sou formam uma cumplicidade, eu assumo um caráter no mundo, eu dou validade e seriedade a este caráter, de modo que saou consumido pela energia desta criação. Mas se vivo no mundo se forma desapegada, se assumo que o amor que sou não pode ser tocado por nenhum pensamento, e que a vida é simplesmente o palco onde um papel é representado, então estou livre para transitar pelo mundo da forma mais bela possível, da forma mais relaxada possível, da forma mais brincalhona possível.


NASEEB

segunda-feira, 5 de outubro de 2009

MEDITAÇÃO


Uma pessoa pode ser religiosa pelo medo. Ela pode ter medo de não acreditar em Deus, mas isso não significa que ela sinta o que Deus É. E “sentir no seu coração” é diferente de conhecer através do que os outros dizem.

Quando você fala algo sem ter experimentado, você está falando algo que ouviu de alguém. Uma pessoa uma vez me disse que a meditação era uma bobagem, e que não dava resultados. Perguntei quais os experimentos que ela havia feito a respeito do tema. Ela então se limitou a dizer que não precisava de nenhum experimento para saber. Ora, isso não é possível.

A experiência é básica para conhecer a verdade. O conhecimento vindo dos outros só podem lhe dar uma crença cega e não sabedoria real. Se você nunca experimentou chocolate não pode dizer que tem um gosto ruim. E muitas vezes quando falamos em meditação, nos passa a idéia de que precisamos acreditar em algo. Mas não é verdade. Precisamos experimentar algo, isso sim.

Meditação é a natureza de sua mente. Como saber disso através dos outros? Você tem que fazer o experimento consigo mesmo. Você é seu próprio laboratório. Isso é real espiritualidade. Não basta decorar frases bonitas e exibí-las às pessoas. Meditação é uma ciência. O cientista estuda os objetos do mundo externo. O meditador estuda sua própria mente, aprendendo a observá-la de dentro. O cientista observa os objetos de fora, e o meditador observa os objetos de dentro e vai além destes objetos. A primeira é uma ciência do exterior, e a segunda é a ciência da alma, a ciência do mundo interior.


SAMBODH NASEEB