quarta-feira, 28 de março de 2012

VOCÊ SE ACEITA COMO É?


O problema é que você não se aceita. Pode chamar isso de compulsão ou qualquer outra coisa - mas você não se aceita como você é. Você quer se melhorar - e é aí que está o caroço do problema.
Melhorar não é possível. Melhorar é uma noção muito falsa. Nunca aconteceu...não pode acontecer. Pela natureza das coisas não é possível. Ninguém jamais melhora, porque todo o mundo já é o que pode ser; portanto, a gente tem que relaxar e aceitar isso. Se esse é seu padrão, então isso é você.
Uma vez que você aceite isso, as coisas começarão a mudar. E eu não digo que elas vão melhorar - digo que começarão a mudar. Mudança é um conceito totalmente neutro. Na melhoria há cobiça, na melhoria há ego. Na mudança...É apenas como as mudanças do verão, e então chove, e mudança de chuvas e é inverno, e mudança de estações - mas não há nenhuma melhoria.
A mente ocidental inteira se prende basicamente ao conceito de progresso. Há evolução, mas não há progresso. Evolução também não é uma palavra certa, porque esta também dá uma idéia como se algo estivesse evoluindo a um estado mais alto. Nada vai a qualquer lugar - tudo está onde está.

OSHO

ILUMINAÇÃO PARA TODOS?



Eu continuarei repetindo de novo e de novo,
até que isso fique bem claro, que voce é um iluminado.
E você não tem de fazer nada de especial por isso;
tem apenas que ser o que você é, totalmente relaxado, em paz com a existência.
Não indo a lugar algum, não tendo de atingir meta alguma.
Toda a orientação para as metas é que está tornando as pessoas miseráveis.Disperse todos os objetivos e você começará a dançar neste momento, você tem muita energia envolvida nesse processo de adquirir. Movendo-se distante em sua imaginação; não tem tempo, não tem espaço, não tem energia para estar aqui. (no agora)
Se você puder juntar toda a sua energia neste momento, apenas a acumulação daquela energia se tornará uma dança em seu coração.
E a dança transforma tudo, não os seus esforços.
Toda idéia de perfeccionismo cria apenas neurose."
Apenas aproveite a vida.
Ela é perfeita do jeito que é.

OSHO

A JANELA DA CLAREZA


A idéia de que a iluminação é algo a atingir no futuro tem sido propagada com enorme consistência, por milhares de anos. Eu digo a você que iluminação não é algo a obter, é a sua própria natureza.
Se você a está perdendo, a razão não é que você ainda não a atingiu. A razão é que você está procurando por ela a sua volta, em todos os lugares, excluindo você mesmo. Indo a todos os templos, lendo cada escritura sagrada, visitando todos os tipos de pessoas estúpidas que pretendem ser mestres.
Eu quero que declare, neste mesmo instante, que você é iluminado.
Não importa!
Não é necessário que todos devam adorar você.
Por que alguem deveria adorá-lo?
Você está criando condições desnecessárias para a iluminação.
Deixe-me dizer de um modo diferente.

No momento em que você respeita a si próprio como iluminado não pode fazer outra coisa a não ser respeitar a todos como iluminados da forma que eles são. Não existe a necessidade de que todos se enquadrem em certa categoria. Iluminação não é só uma categoria tal onde você tem de comer certo tipo de comida. Se tivesse certa regra como esta - como a de comer espagete - eu teria renunciado à iluminação. É bom que nenhuma escritura sagrada diga que espaguete é a característica de um homem iluminado.
Se você me entende, que na sua própria ordinariedade, você é perfeitamente bom.
Nada precisa ser acrescido à você.

OSHO

ARRISQUE-SE!


Vocês todos têm de arriscar, e têm de arriscar tudo o que têm. E arriscá-lo com grande alegria! Porque, o que pode ser mais divertido do que darem nascimento a um novo homem, do que se tornarem veículos para o novo homem, para a nova humanidade?

Vai ser doloroso, como todo nascimento é doloroso. Mas a dor pode ser felicitada se vocês compreenderem o que vai acontecer através dela. Se vocês puderem ver a criança saindo, então, a dor não mais é dor - da mesma forma que a mãe pode aceitar a dor para o nascimento do filho. A dor é irrelevante: seu coração está dançando de alegria - ela vai dar nascimento à vida, ela está sendo criativa. Ela está tornando este mundo mais vivo; uma nova criança está nascendo através dela. Deus a usou como um veículo; seu útero mostrou-se fértil. Ela está feliz, em grande alegria. Ela se regozija, embora a dor exista na periferia. Mas, quando essa grande alegria existe, a dor simplesmente funciona como um pano de fundo e torna a alegria até mais nítida.

OSHO

A CRIANÇA FERIDA



Presos no estado mental infantil, somos também altamente inclinados à dependência. A criança quer alívio e gratificação instantâneos. Quem ainda não tem habilidade para observar e ficar distante dos próprios medos e sentimentos é propenso a todo tipo de comportamento dependente. Tomados pela ansiedade e pelo medo, buscamos inconscientemente alguma coisa que nos acalme. Em geral, são dependências crônicas, não sabemos o que as motiva nem se existem mesmo. Mas, se soubéssemos quanto essa criança emocional vive apavorada dentro de nós, talvez tivéssemos muito mais compaixão por nossas dependências - principalmente porque todos as têm.

Por fim, nesse estado mental infantil, esperamos encontrar uma pessoa que consiga, magicamente, afastar todo o nosso sofrimento. Queremos nos ver livres da solidão, do medo e da dor. Tentamos modificar os amigos e os amantes para fazer deles o que queremos que sejam ou nos voltamos para outra pessoa na esperança de que, desta vez, ela corresponda às nossas expectativas. Em ambos os casos vamos nos sentir sozinhos quando nos desapontarem. A nossa criança emocional não vê as coisas como são porque está sempre idealizando. Ela precisa que as pessoas e a vida sejam de certa maneira para sentir-se segura e reordenar seu mundo interior. E imagina que tudo seja como ela quer. Põe as pessoas num pedestal e vive de esperanças e ilusões.

Krishnananda - O amor não é um jogo de criança

sábado, 17 de março de 2012

BUSCA




A pergunta "QUEM SOU EU?" é apenas um artifício para levar a mente de volta para sua origem silenciosa como consciência pura. A mente é pensamento e movimento. De onde vem o pensamento? Veja por si mesmo que todo o pensamento surge na consciência. Voc^]e está consciente quando nota pensamentos. E quem é você mesmo agora? Consciência. Sem pensamentos você continua existindo. Como? Como consciência. Quando você se identifica com um pensamento tipo “Eu sou imperfeito”, cria uma sub-consciência que se autointitula uma identidade separada da vida: eis o modelo mente/ego criando a separação, o dualismo entre eu e tudo o mais.


Ver todos os pensamentos como uma aparência na consciência é a chave da paz.

Quando a consciência que somos todos nós é percebida como um espaço muito maior que qualquer pensamento, e que nenhum pensamento pode tocar ou manchar essa conscoência natural que existe, notando o pensamento...


O fato é que podemos estar certos de que, se temos um pensamento, ou temos vários pensamentos, existe consciência ali. Consciência é o que permite com que tudo apareça como uma experiência. A natureza da consciencia é paz, harmonia, silêncio. Se você chega no silêncio, pronto. Os pensamentos são aparências surgindo na consciencia que eu sou. Mas sabemos que essa consciência não vem e vai. Meditação é repousar em silêncio nisso.


Naseeb

sexta-feira, 16 de março de 2012

FRASES DO FILÓSOFO




Todos os acontecimentos contêm algo vantajoso para você – se você quiser procurar!

A autêntica felicidade é sempre independente de condições externas.

A liberdade é o único objetivo que tem valor na vida.

As pessoas ficam perturbadas, não pelas coisas, mas pela imagem que formam delas.

É impossível para um homem aprender aquilo que ele acha que já sabe.

Nada de grande se cria de repente.

Perturbam aos homens não as coisas, senão a opinião que delas têm.


EPICTETO

A ARTE DE VIVER





Saiba distinguir entre o que você pode controlar e o que não pode.

A felicidade e a liberdade começam com a clara compreensão de um princípio: algumas coisas estão sob nosso controle e outras não estão. Só depois de aceitar esta regra fundamental e aprender a dis­tinguir entre o que podemos e o que não podemos controlar é que a tranquilidade interior e a eficácia exterior tornam-se possíveis.

Sob nosso controle estão as nossas opiniões, aspirações, desejos e as coisas que nos causam repulsa ou nos desagradam. Essas áreas são justificadamente da nossa conta porque estão sujeitas à nossa influência direta. Temos sempre a possibilidade de escolha quando se trata do conteúdo e da natureza de nossa vida interior.

Fora de nosso controle, entretanto, estão coisas como o tipo de corpo que temos, se nascemos ricos ou se tiramos a sorte grande e enriquecemos de repente, a maneira como somos vistos pelos outros ou qual é a nossa posição na sociedade. Devemos lembrar que estas coisas são externas e, portanto, não dependem de nós. Tentar con­trolar ou mudar o que não podemos só resulta em aflição e angústia.

Lembre-se: as coisas sob nosso poder estão naturalmente à nossa disposição, livres de qualquer restrição ou impedimento. As que não estão, porém, são frágeis, sujeitas a dependência ou deter­minadas pelos caprichos ou ações dos outros. Lembre-se também do seguinte: se você achar que tem domínio total sobre coisas que estão naturalmente fora de seu controle, ou se tentar assumir as questões de outros como se fossem suas, sua busca será distorcida e você se tornará uma pessoa frustrada, ansiosa e com tendência para criticar os outros.

Epicteto - filósofo estóico, que ensinou em Roma até o ano de 94 d.c

O CAMINHO DO CORAÇÃO ABERTO



Em alguns círculos "espirituais" costuma-se dar ênfase ao lado negativo da mente. Diz-se que a mente é o problema, que a mente é a única inimiga, e nós colocamos nosso foco na percepção errônea da cena. Na verdade, a mente é como a internet. Nós acessamos uma vasta informação desse modo. E me parece que a mente funciona da mesma forma. Assim como um homem de mau caráter estuda na internet modos melhores de fazer torturas, uma outra pessoa está na mesma internet procurando ampliar seus conhecimentos em cura holística para ajudar os outros. A internet é uma rede. No meu modo de ver, a mente é uma rede também, e de semelhante forma. Nós sentimos muitas vezes que nos comunicamos uns com os outros não só quando estamos perto dos outros, não é mesmo? A mente é algo que existe em tudo, dizem os monistas. O filme todo da vida existe dentro da mente cósmica, dizem alguns sábios, como o hindu Shankara. Shankara diz que tudo que existe é consciência, e que esta consciência cria um duplo de si mesma, como criar um espelho, a mente, para que possa haver conhecimento (relação de sujeito - ego, corpomente - com objeto, os outros e o mundo.) Se a mente é uma internet viva, então quem é o programador ou o OBSERVADOR do filme que você vê? Se você fecha os olhos você vê que fica mais fácil acessar certas experiências. E possível sentir-se sem corpo, de olhos fechados. E quando você não tem mais a referência corpo, você pode começar a fazer investigações bem interessantes. É por isso que os mestres orientais chamam tanto a atenção para a meditação e o relaxamento corporal. Porque quanto mais relaxados e menos tensos vivemos, menos sentimos nossos corpos. E todos nós sabemos o que é viver leve e o viver com o corpo pesado.


Tem dias que acordamos leves, muito leves, que parece que o corpo muda de peso. É impressionante. Os pensamentos confusos "pesam". A mente se fazendo clara e o corpo estando leve geram pensamentos claros e leves, que chamamos de lúcidos. E quando estamos lúcidos caímos em menos armadilhas. Não somos mais tão enganados por nós mesmos por estarmos dormindo, desatentos, sem presença.


Então retornando...de olhos fechados é possível se dar conta de que tudo que você experiencia , incluindo você mesmo, sensações, emoções/sentimentos, pensamentos, tudo isso, PODE SER OBSERVADO. É possível apenas notar, perceber, sem julgar. Apenas observar a experiência, sem julgamento nem nada. Se tudo pode ser observado, isso não pode te definir, porque isso é passageiro. Tudo que estou vendo é passageiro. Quem observa o passageiro? Há alguma coisa que observa as reações do corpo mente quando fecho os olhos. O que é isso? O que é isso que testemunha o que está acontecendo. O que é isso que nota os pensamentos? Esta é uma pergunta interessante. É um começo da autoinvestigação, dentro do Advaita de Ramana Maharshi. Quando eu me pergunto "Quem sou Eu?", então eu estou indo em busca do verdadeiro sujeito, do eu verdadeiro, aquele eu que realmente centra a mente/coração e dá lucidez aos passos. Porque quando há verdadeiro eu, há inteireza e lucidez. Você abre o coração (que significa uma inteligência que não está divorciada do autoconhecimento e da sensação de paz interna). Na verdade, o que a autoinvestigação faz, àqueles que tem ressonãncia que esta prática de compreensão, é revelar a mais pura essência silenciosa de nós mesmos neste mesmo instante - sem tempo. E isso não é uma crença. É uma experiência. Você não precisa acreditar em nada. Mas você precisa estar aberto para explorar, investigar. Precisa ser agnóstico. Nem a favor, nem contra. E estar aberto às experiências novas. Crenças obstruem a inteligência e o caminho evolutivo. Acredito que o novo modelo de espiritualidade no mundo será assim, baseado em experimentos vivenciais. A meditação e o Reiki, só para citar dois exemplos, são hoje duas modalidades de autoconhecimento que trabalham corpo/mente/espírito, sendo a técnica meditativa observada há muitos e muitos anos pela ciência. A medicina já se rendeu aos benefícios corporais, mas ela é muito mais. Meditação é uma abertura para a lucidez. Os sábios taoístas chineses diziam que a mente esclarecida é a mente meditativa. Ela não tem virtude, ela É virtude. Ela não tem amor, ela É amor."


Abrir o coração significa estar disponível à vida. Quando você não está no coração, o que significa? Isso significa que não estás em contato contigo mesmo, porque coração revela um contato íntimo consigo, de modo a estar aberto às experiências da vida em fluidez. Estar centrado no coração é o mesmo que estar meditativo. A mente é uma ótima serva, e uma péssima mestra. O caminho do coração lhe revela que a conexão do coração e a mente é o que deixa a mente racional e intelectual muito mais afiada e lúcida. Com esta conexão mentecoração, há uma completude.


Nattaniel Naseeb

terça-feira, 13 de março de 2012

A BARRIGA DA MENTE



A barriga da mente nunca está cheia.
Ele [Ramana] diz que, quando você tem um desejo,
digamos que tenha um desejo por um objeto…
E é um desejo forte, então existe um foco muito forte nisso.
Mesmo quando você está falando sobre outras coisas,
com outras pessoas, isso ainda está em algum lugar
dentro de você. Uma parte de sua atenção
está focada no objeto desejado.

Algumas vezes até suas interações com outras
pessoas são apenas uma forma de alcançar isso,
porque você sente que quando obtiver isso
sentirá uma felicidade tremenda.

Mas enquanto você não tem,
existe uma inquietude em você.
Você nunca vê o presente,
porque está dividido por dentro.
E uma parte da sua atenção está com algo
que deseja ter.
Então você só está presente parcialmente.

Ouça o que Ramana diz.
Ele diz que não existe amor nisso.
Não existe satisfação nisso.
É apenas um objeto.
Mas você imagina que terá um tremendo prazer

obtendo este objeto. E o seu desejo de ter isso
está na verdade lhe molestando.

Um dia eu venho e lhe dou esse objeto.
E, naquele momento: “ahhh”, você está em êxtase!
Tanta alegria! Tanta plenitude!
Mas isso não está lhe dando nada….

Ele diz que, na verdade, o que está acontecendo
é que no momento que você recebe o objeto
a sua agitação e inquietude param

e você desfruta o estar livre dessa agitação.
E isso você interpreta como o prazer vindo do objeto…
O prazer vem de você. O apego vem de você. A paz vem de você.

Nós podemos estar fazendo isso com muitas coisas no mundo.
Imaginando que um certo estado, certo objeto,
certo relacionamento irá nos preencher.
Mesmo agora, muitas vezes, nós estamos vivendo
no prazer de “preces respondidas”.

Mas então, elas já não são mais, o apetite se foi.
Existem sempre apetites novos.
A barriga da mente nunca está cheia.

- Mooji

segunda-feira, 12 de março de 2012

qUEM sOU eU?


O zero sempre esperando...
O zero não anda...
Mas mesmo assim desanda a querer
se manifestar
como mais ou menos - que zero.

domingo, 4 de março de 2012

O SÁBIO



"O Jnani (sabio) vive no momento presente, mas que haja nesse momento felicidade ou raiva, isso é esquecido no momento seguinte; e isso, o homem comum, que construiu uma imagem do Jnani como um "homem perfeito", não pode realizar.
A verdade é que o Jnani, o sabio não é perfeito mas total.
Se a iluminação devesse acontecer, não ha individuo para o qual ela aconteça.
Não pode haver algum "jnani", pode somente haver... um testemunhar daquilo que chamamos de "vida"."


Ramesh Balsekar

LIVRES DO MEDO



"Se você tiver a coragem de tocar a vida pela primeira vez, você nunca vai saber o que o atingiu. Tudo o homem pensou, sentiu e experimentou foi embora, e nada é posto em seu lugar."

"Se você está interessado em Moksha, Libertação, Liberdade, Transformação, o nome dele, você está interessado na felicidade sem um momento de prazer infelicidade, sem dor, é a mesma coisa."

"Nós não queremos ser livres do medo. Tudo o que queremos fazer é jogar com ele e falar sobre libertar-nos do medo."

"Sua utilização constante do pensamento para dar continuidade ao seu eu separado é" você ". Não há nada lá dentro de você que não."

"Quando o movimento na direção de se tornar algo diferente do que você não está mais lá, você não estão em conflito consigo mesmo."

U. G

U. G



(...) Esta é a história de um homem que teve tudo - consideração, riqueza, cultura, fama, viagens, carreira - e desistiu de tudo para encontrar por si mesmo a resposta à uma questão que o queimava por dentro: "há realmente algo como liberdade, iluminação ou liberação atrás de todas as abstrações que as religiões nos deram?"
Ele nunca encontrou uma resposta. Não há respostas a questões como essa.
U.G. encaixou a filosofia em um molde inteiramente novo. Para ele, a filosofia não é nem o amor à sabedoria nem a evitação do erro, mas o desaparecimento de todas as questões filosóficas.

Diz U.G.: "Quando todas as questões se resolvem a apenas uma, a sua questão, então essa questão precisa detonar, explodir e desaparecer inteiramente, deixando atrás apenas um organismo biológico funcionando suavemente, livre da distorção e interferência da estrutura separativa do pensamento."

A mensagem de U.G. é chocante:

"Estamos todos no trem errado, na trilha errada, indo na direção errada."