quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

VAZIO DE SI MESMO


Quando nos referimos à busca do Si Mesmo, Burt Harding, um professor espiritual que dá satsangs atualmente no Canadá, diz: “No momento em que começamos a reconhecer o fato, através de observação, de que não somos a atividade mental, mas o vazio criativo da vida (A Fonte da Paz), então nós desenvolvemos o chamado desapego real. Nós não somos as crenças condicionadas e pensamentos, somos o vazio observando isso”.

Por que vazio? Parece estranho dizer isto, mas é intrinsecamente verdadeiro, e nós estamos aqui em busca da verdade. Se você observar, verá que a mente é como a corrente de um rio, ou como a chama de uma vela, ou como um macaco inquieto, pulando de galho em galho. A mente é impermanente e está constantemente flutuando, em eterna mudança de pensamentos.

Portanto, o eu que você chama de eu não é algo fixo, mas uma gama de imagens que passam pela sua mente como um filme passando na tela de um cinema. E é por isso que você se sente de um jeito num momento, e logo em seguida, sem fazer nada, você se sente diferente. Este eu pode ser comparado com a chama de uma vela, sempre em movimento. A mente é independente e está sempre em movimento, sem sua ação consciente. Os sábios dizem: “Não se apegue a este eu passageiro”. Observe quem está observando os movimentos do eu, quem é este observador do eu. Se observar bem, verá que é vazio. Isto é o que os budistas nos ensinam: o eu é vazio, logo, nada do que você pensa que é não pode ser fixo. Tudo é eterna mudança. Apenas o vazio permanece vazio.

SAMBODH NASEEB

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

MEDITAÇÕES ATIVAS


O trabalho das MEDITAÇÕES ATIVAS tem como objetivo purificar seu corpo/mente e integrar o ego, deixando o corpo vitalizado e a mente positiva e lúcida para prosseguir viagem em direção a buscas mais elevadas. O corpo e a mente estão poluídos por toxinas, raivas, pensamentos negativos, sentimentos de vingança, posse, medos, inveja, ciúme, possessividade, orgulho, e todos esses lixos emocionais que ficam ali armazenados e impedem o fluir da energia harmônica no organismo humano.
Osho criou a famosa técnica chamada “Meditação Dinâmica” que é uma combinação de exercícios bioenergéticos das terapias ocidentais combinada com a arte meditativa da observação sem julgamento, oriundo da tradição oriental. É uma meditação maravilhosa para elevar nossos corpos e mentes a um outro nível de energia. Aumenta a carga energética do organismo de uma forma espantosa, resgatando várias linhas de vivência tais como sexualidade, afetividade, vitalidade, amorosidade, criatividade e transcendência.


Sambodh Naseeb

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

OS OLHOS DE DEUS


O mundo da mente é reflexo da consciência universal ou Deus. A mente é uma sombra de Deus. O que os olhos divinos vêem Amor, a mente vê ódio. Deus é beleza, a mente feiúra. Se Deus é não-eu, a mente é um eu, um ego. Se Deus é ilimitado, a mente vê o limitado. Se Deus é sem forma, a mente vê a forma. Se Deus é infinito, a mente vê o finito.
Então, aprenda a ver com os olhos de Deus.


SAMBODH NASEEB

CONTROLE?


Você disse que eu não posso controlar os eventos externos, nem mesmo os meus pensamentos. O que me resta?

Você não pode controlar os eventos externos, mas pode reagir a eles com inteligência. Esta reação aos estímulos externos é o que a meditação vai mudando em você. E tudo isso sem o seu controle. Naturalmente você começa a perceber que não está preso ao externo. Você vê que não precisa estar infeliz porque seu amigo está. Você vê que não é um escravo dos sentimentos dos outros. Você vê que não precisa ser levado por circunstâncias. Nota que o governo, a economia, o mau humor das pessoas, o tempo, nada disso pode perturbar a paz que mora em seu coração. Teve um amigo uma vez que me disse que estava mudando seus móveis de lugar em sua casa, porque descobriu o Feng-Shui, o método milenar de harmonizar ambientes. Apenas disse a ele: “Mude dentro, porque senão, como você vai viver? Você não pode levar sua casa para todos os lugares...”


SAMBODH NASEEB

terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

BELEZA DA IMPERMANÊNCIA









Tudo é impermanente, e ao mesmo tempo essa impermanência é uma coisa muito bonita. Ela nos dá uma urgência de estar presente aqui-agora. Já que é impermanente, não mate antes que isso desapareça. Desfrute. Curta cada momento. É sempre novo, é sempre uma nova oportunidade para o amor, para cantar, para dançar, para sorrir, para abraçar os amigos. Cada instante é uma oportunidade de celebrar o presente de estar vivo, consciente, aqui-agora.



Sambodh Naseeb

AGRADECIMENTO







Ser grato pelo que você já tem é perceber um espaço dentro de você que não precisa ser criado, pois este espaço é a comunhão com a própria vida que acontece o tempo inteiro, independente de como estivermos, alegres ou não.

Acostume-se a valorizar seu presente, seja o que for. Com o tempo descobrirá mais e mais coisas a valorizar. Porque a vida da gente existe onde está a nossa atenção consciente.

O que você está atento agora?

Você lembra mais do que ainda não tem, ou sabe desfrutar do que você já tem agora?









Sambodh Naseeb

Objetivo da Meditação


O sábio advaita Nisargadatta Maharaj disse: “Nós conhecemos o mundo exterior de sensações e ações, mas, do nosso mundo interior de pensamentos e sentimentos conhecemos muito pouco. O objetivo inicial da meditação é tornar-se consciente e familiarizar-se com a vida interior. O objetivo final é alcançar a fonte de vida e consciência.”


domingo, 8 de fevereiro de 2009

Uma investigação...


“Um professor ateu desafiou seus alunos com esta pergunta:- Deus fez tudo que existe?Um estudante respondeu corajosamente:- Sim, fez !- Deus fez tudo, mesmo?- Sim, professor - respondeu o jovem.- O professor replicou:- Se Deus fez todas as coisas, então Deus fez o Mal,pois oMal existe, econsiderando-se que nossas ações são um reflexo de nósmesmos, então Deus é o Mal.O estudante calou-se diante de tal resposta e o professor,feliz, sevangloriava de haver provado uma vez mais que a Fé era ummito.Outro estudante levantou sua mão e disse:- Posso lhe fazer uma pergunta, professor?- Sem dúvida - respondeu-lhe o professor.O jovem ficou de pé e perguntou:- Professor, o frio existe?- Mas que pergunta é essa? Claro que existe, você por acasonunca sentiufrio?O rapaz respondeu:- Na verdade, professor, o frio não existe. Segundo as leisda Física, o queconsideramos frio, na realidade é ausência de calor. Todocorpo ou objetopode ser estudado quando tem ou transmite energia, mas é ocalor e não ofrio que faz com que tal corpo tenha ou transmita energia. Ozero absoluto é ausência total e absoluta de calor, todos oscorpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio nãoexiste. Criamos esse termo paradescrever como nos sentimos quando nos falta o calor.- E a escuridão, existe? - continuou o estudante.O professor respondeu: - Mas é claro que sim.O estudante respondeu:- Novamente o senhor se engana, a escuridão tampouco existe.A escuridão é, na verdade, a ausência de luz. Podemosestudar a luz, mas a escuridão não.O prisma de Newton decompõe a luz branca nas várias cores deque se compõe, com seus diferentes comprimentos de onda. Aescuridão não. Um simples raio de luz rasga as trevas eilumina a superfície que a luz toca. Como se faz paradeterminar quão escuro está um determinado local do espaço?Apenas com base na quantidade de luz presente nesse local,não é mesmo? Escuridão é um termo que o homem criou paradescrever o que acontece quando não há luz presente.Finalmente, o jovem estudante perguntou ao professor:- Diga, professor, o Mal existe?Ele respondeu:- Claro que existe. Como eu disse no início da aula, vemosroubos, crimes eviolência diariamente em todas as partes do mundo, essascoisas são o Mal.- Então o estudante respondeu:- O Mal não existe, professor, ou ao menos não existe por sisó. O Mal ésimplesmente a ausência de Deus. É, como nos casosanteriores, um termo que o homem criou para descrever essaausência de Deus.Deus não criou o Mal. Não é como a Fé ou o Amor, que existemcomo existe a Luz e o Calor.O Mal resulta de que a humanidade não tenha Deus presente emseus corações.É como o frio que surge quando não há calor ou a escuridãoque acontecequando não há luz.”