ENCONTRO SAGRADO








VIVER EM PRESENÇA



A atual condição da humanidade contemporânea é realmente um caos. Ninguém parece se entender. Todos reclamam e se queixam de todos. Na verdade, ninguém sabe o que fazer. É um mundo totalmente insano e desesperador!

Quando você começa a se conectar com a sua intimidade verdadeira, uma nova maneira de viver nasce. E isso cria uma nova ordem interna em você – sem esforço ou luta, apenas por compreensão. Há uma potência natural oriunda da consciência que somos, que pode ser abafada pela educação e reprimida na sociedade. Mas a inteligência é rebelde, e ela sabe que terá de ir além dos programas que anestesiaram sua maturidade. O Amor real é sempre selvagem, criticando e indo além de tudo o que possa impedir a liberdade e a consciência. Como diz Camões, o amor é o fogo que arde sem se ver.

O ponto é a ação a partir de uma nova inteligência – que estou chamando de consciência livre. A atitude meditativa é a chave dessa inteligência. Caminhos são descrições, mapas. Mas a vivência é dada pela experiência viva deste instante. Ouse viver na realidade. Requer coragem e ousadia. Romper os programas internos requer perseverança e rebeldia contra os velhos padrões internos. Esta é a coragem de sair da bolha da mente, que se diz segura, porém está totalmente entediada com a vida pequena e limitada que leva.


Entretanto, quando estamos diariamente na mente condicionada, fica extremamente complicado viver com inteligência e no presente.  A sensação é que vivo muito pouco, e que não faço o que gostaria de estar fazendo.

A essência é compreender. Essa compreensão em si é meditação, é mudança, é revolução. Krishnamurti insistia muito nisto: a real meditação é o entendimento do processo da vida, de como nos comportamos, pensamos e agimos – para que possamos criar um clima para uma possível mutação.

Krishnamurti insistia em suas falas que o ponto principal do acordar é trazer mais luz e consciência aos nossos atos mais corriqueiros. Não faz sentido sentar em silêncio quinze minutos e viver o restante do dia desatento e inconsciente. Meditação é o nascimento de uma vida lúcida por 24 horas. Meditação é um estilo de vida. Nasce quando você se dá conta de que é mais que um programa mental que se reproduz automaticamente. Você é a consciência do programa. Meditação nasce quando você percebe que é livre.

O primeiro passo que você pode observar é aprender a discernir o que é a mente e o que é a consciência. Você é consciência. A sua mente, o conhecimento emprestado.

Em outras palavras, você é o sujeito e o conhecimento da sua mente é o objeto.

Sujeito no sentido de que é sempre você que observa. Objeto no sentido de que a mente é observada. Os pensamentos são observados por você.

Como uma forma de reconhecimento de que somos o sujeito que observa as experiências, é útil nos darmos conta do que estamos chamando de consciência (você) e conhecimento (mente).

Esse sutil discernimento é apenas o primeiro passo. Dessa clareza emerge uma surpreendente visão: você não é um pensamento! Pensamentos acontecem em você. Pensamentos emanam da consciência do mesmo modo que no céu aparecem nuvens.

Observe: você usa o seu carro, mas você não é o carro. Você usa a sua roupa, mas não é a sua roupa. Você usa seu celular, mas não é o celular.

Você usa a sua mente, mas você não é a mente. Compreende? No início, fica um pouco estranho de entender, porque nossa mente é nosso bem mais precioso, e o envolvimento sempre foi 100% com ela.

O EU sempre se identificou com a mente. Agora estamos dizendo que o EU não é a mente. O EU é consciência. Vazio Consciente. Observação. Então tudo isso pode parecer estranho à sua mente, e é esta estranheza que marca o início do seu real poder como consciência, e o fim da mente como mestra de sua vida.

Ouvir que não somos a mente provoca um sutil sentimento de perda. Contudo, tudo ficará mais claro e leve aos poucos. Você se dará conta dos benefícios em sua vida quando você começar a perceber que não é os pensamentos. O nascimento da liberdade vai por esse caminho. O nascimento de uma vida de ação sem esforço vai por esta trilha.

Você não pode pensar nem entender nada que já não esteja em sua mente como conhecimento. Se lhe digo: “Compre um zamipogli para mim”, você ficará perplexo. Sua mente não tem a codificação para saber o que é isso. Não está dentro do seu software (arquivo mental).

Em outras palavras: a mente trabalha com o conhecimento adquirido. Ela vive do que aprendeu. De certo modo, visto assim, a mente nunca pode lhe dar algo novo. O novo sempre está no agora.

Tudo que pensamos está dentro da linguagem, filtrado pela nossa interpretação, que é o que chamamos de nossa experiência (mental). Estamos todos aprisionados dentro de símbolos e códigos mentais. Quando eu falo uma linguagem que você não conhece, haverá incompreensão. Você me acompanha?


Sim, sim. Seria por isso que os sábios insistem em irmos além da mente? Eles dizem que precisamos ir além do conhecido para compreender a vida como ela é. Acho que faz muito sentido isso agora, a partir do que você está dizendo. O conhecido é a mente!

Tudo aquilo que os sábios apontam é que existe um espaço dentro de todos nós que não está poluído pela linguagem e pelo conhecido. Pois note que, fora da linguagem, nós caímos direitinho para dentro do silêncio. Muitas técnicas de meditação foram criadas com este fim: para que o envolvimento com a mente possa ser deixado de lado por alguns instantes e você possa ter um vislumbre do silêncio maravilhoso que você é em essência.

Você tem que se dar conta de que no íntimo você não é a sua mente. O conhecimento aparece e desaparece em você. Como bebê, você nasce como consciência. Depois, uma mente vem à existência, pelo conhecimento e experiência. É por isso que consciência é sua base.

Nos bebês, o que existe é somente consciência pura, sentimento de Unidade. Nenhum eu, nenhum ego, nenhuma separação. Somos inconscientes da Unidade. O paraíso não é reconhecido, pois não há ninguém para reconhecê-lo. Então, sua mãe diz para você: “Seu nome é João”. Eis o começo da separação entre João e o mundo, entre João e sua mãe. A separação aos poucos vai criando o medo - essa poderosa emoção que nos faz desejar e ter necessidades. O que está acontecendo na verdade é que a Unidade está jogando o jogo da separação para, em seguida, se tornar consciente de si como Unidade (já que, como bebê, isso não acontecia). Um ego é necessário para que a separação aparente aconteça. A Unidade vive a diversidade como exploração do seu infinito potencial de criação sem jamais perder a consciência de sua Unidade.

Os Mestres Zen costumam perguntar: “Qual a sua face original? Qual o seu rosto antes de nascer?”. Seu rosto original é invisível. Seu rosto primordial é Unidade.

A mente é uma ferramenta maravilhosa, mas você está além da ferramenta, porque pode usar ou não essa ferramenta. Você também é uma luz silenciosa. O Amado é sua face no espelho! Eis o processo dessa indagação amorosa: conhecer a si mesmo como Amor consciente - a inteligência além de todos os fenômenos mentais, emocionais e sensoriais.

Há um momento no tempo aparente que você não desperta para si mesmo como consciência, e continua a se envolver com a mente, identificado com os pensamentos, com as histórias do passado, grudado numa identidade x ou y. E é isso mesmo que tem de acontecer no jogo da Escola da Existência.

No alinhamento com o Puro Agora, o interesse neurótico e obsessivo pelo futuro vai gradualmente diminuindo. Afinal, já há preenchimento agora! Neste exato momento, o vazio já é completo! Muitas coisas simplesmente não fazem mais sentido buscar (e quem buscaria?).

Vemos claramente como muitos de nossos desejos são meras fugas. Observamos quantas distrações são criadas por esta mente insaciável e faminta por preenchimento.

Na clareza, é o mesmo mundo, mas não é o mesmo mundo. Sim, você ainda faz seus planos e metas. Mas aprende a amar a jornada no presente. A jornada está sempre aqui e agora.

Você quer uma vida com mais beleza, com mais verdade, com mais alegria. Você tem a intuição de que, no fundo, está perdendo algo.


É por isso que a busca começa.




Informações: 
sopaquantica@hotmail.com


Nenhum comentário: