MEDITAÇÃO









A revolução interior traz liberdade e a única maneira de nos fazer atravessar a revolução interior é meditar. Meditação simplesmente significa aprender a esquecer tudo que aprendeu. É um processo de descondicionamento, um processo de des-hipnose.

A sociedade sobrecarregou-nos a todos com milhares de pensamentos. A meditação simplesmente ajuda-o a retirar-se desse mundo de pensamentos em direcção a um estado de silêncio. É um processo de esvaziamento de tudo que foi forçado e acumulado dentro de si.
Uma vez vazio, espaçoso, silencioso, limpo, a revolução aconteceu, o sol nasceu; então vive na sua luz! E viver na luz do seu sol interior é viver correctamente. De facto, esta é a única maneira de viver. Os outros estão apenas morrendo, apenas morrendo lentamente, movendo-se numa fila que vai ficando cada vez menor e que a qualquer momento passa para o primeiro lugar. Na verdade, todos estão tentando ser o primeiro da fila.

A vida vulgar é somente chamada de vida; ela não o é. É apenas assim chamada "vida". É um processo de morte gradual ou para ser mais preciso, um processo de suicídio gradual.

No momento em que você se torna silencioso, consciente, claro e que o seu céu interior se enche de deleite, conhece então o primeiro sabor da verdadeira vida. Podemos chamar-lhe Deus, podemos chamar-lhe iluminação, podemos chamar-lhe libertação; a experiência da verdade, amor, liberdade, alegria:; nomes diferentes para um mesmo fenômeno.




Sempre que você sentir que não está com muito bom humor, e não está se sentindo bem no trabalho, antes de começar a trabalhar, exale profundamente durante cinco minutos. Sinta que você está jogando fora seu mau humor pela exalação. E você ficará surpreso ao perceber que, de repente, voltou ao normal. A energia baixa e escura não está mais presente, desapareceu.
Se você conseguir transformar seu trabalho em meditação, isso será ótimo. Então a meditação nunca estará em conflito com a sua vida. Qualquer coisa que você faça, poderá tornar-se meditativa. A meditação não é algo separado; faz parte da vida. É como a respiração: do mesmo jeito que você respira para dentro e para fora, você medita também.
E nada de mais é preciso ser feito; a penas uma mudança de ênfase. Coisas que você tem feito sem cuidado, comece a fazer cuidadosamente. Coisas que tem feito apenas pelos resultados... Por exemplo, dinheiro. Ele é bom, mas você pode fazer dele um fenômeno maior. O dinheiro é bom e, se seu trabalho pode lhe dar dinheiro, é ótimo. As pessoas precisam de dinheiro. Mas ele não é tudo. Se é possível obter dinheiro e prazer ao mesmo tempo, por que não? O prazer não custa nada, é de graça.
Você precisa fazer o seu trabalho, amando-o ou não, por isso, fazendo-o com amor, você poderá colher muito mais coisas que, do contrário, estará perdendo.







Ao caminhar pela rua, caminhe com consciência. É difícil e você continuará esquecendo, mas não tema. Sempre que você lembrar novamente, torne-se alerta. Dê cada passo com total atenção, conscientemente, permanecendo com o passo, não permitindo a mente se mova para algum outro lugar. Quando estiver comendo; mastigue com consciência. O que quer que você faça, não o faça mecanicamente - e essa é a diferença.
E quando eu digo que ela só pode ser sentida, o sentido é este: por exemplo, eu posso levantar minha mão mecanicamente, mas também posso levantar minha mão pleno de consciência. Minha mente está consciente que minha mão está sendo levantada. Faça isto, tente isto: uma vez mecanicamente e, depois, com consciência alerta. Você sentirá a diferença. A qualidade muda imediatamente.
Caminhe alerta, e você caminhará de forma diferente; uma graça diferente vem para o seu caminhar; você se move mais lentamente, mais belamente. Se você caminha mecanicamente - somente porque você sabe como caminhar e, assim, não existe necessidade de estar alerta, então o caminhar é feio, não existe graça nele. Faça, o que quer que você faça, em atitude alerta. E sinta a diferença.
Quando eu digo "sinta" , quero dizer observe. Primeiro faça mecanicamente e, então, com consciência; e sinta a diferença. E você será capaz de sentir a diferença.




A meditação não é a solução para nenhum problema em particular; ela não resolve nada.

Ela simplesmente lhe ajuda a sair da mente, a criadora dos problemas.

Simplesmente lhe ajuda a deslisar para fora da mente,

como uma cobra deslisa para fora de sua velha pele.

Uma vez que você descobre que você não é a mente, a grande transcendência aconteceu.

De repente todos os problemas tornam-se insignificantes, lentamente eles evaporam.

Você é deixado com uma profunda paz; um grande silêncio prevalece.

Esse silêncio é a solução. Essa paz é a resposta. A resposta de todas as respostas.




Há técnicas do zen, a meditação transcendental do Mahesh Yogi e outras técnicas mais. Elas podem ajudá-lo até um certo ponto. Elas podem acalmá-lo, sua superfície pode ficar mais pacífica, mas nada acontece ao seu ser interior. Não pode! E, de certo modo, essa superfície calma é perigosa, porque de um modo ou de outro você explodirá novamente. Basicamente, nada aconteceu. Você simplesmente treinou sua mente consciente a ficar num estado mais imóvel.
Você pode imobilizar sua mente facilmente através de mantras, através de cânticos constantes, através de muitas coisas. Qualquer coisa que cria um enfado interno, irá ajudá-lo a se acalmar. Por exemplo: se você repetir constantemente “Ram, Ram, Ram...”, essa repetição constante criará uma certa sonolência, um enfado, e sua mente começará a cair no sono. Você pode sentir essa sonolência como serenidade, como mansidão, mas não é. Realmente, ela é uma espécie de torpor. Mas você pode tolerar mais a sua vida através dela – pelo menos na superfície, você se sentirá mais contente. Mas as forças, as forças neuróticas, continuarão fervendo por dentro; a qualquer dia elas irão irromper na superfície e você irá desmoronar.
Esses métodos são conciliatórios, e muito poucas pessoas podem ser ajudadas através deles. E aqueles que podem ser ajudados através deles, podem ser ajudados sem nenhuma técnica. São exceções – são afortunados que não nasceram neuróticos. Muitas coisas estão implicadas nisso, mas, como regra, a humanidade não é tão afortunada.






Há 112 métodos de meditação; eles foram descobertos há dez mil anos. Eu criei alguns métodos novos para o homem moderno, porque aqueles métodos foram criados para um tipo de humanidade completamente diferente, para pessoas muito simples. O homem contemporâneo não é simples, é muito complexo. Aqueles métodos eram para pessoas que eram reprimidas, que eram naturais. Nesses dez mil anos as religiões deixaram rodo mundo reprimido; sexualmente, e de outros modos, impeliram a humanidade contra sua própria natureza.

Assim, criei novos métodos que são catárticos, de modo que você possa jogar as repressões, todo o lixo para fora do seu ser e possa ficar limpo, uma tabula rasa. Então esses 112 métodos – qualquer método que o atraia – será suficiente para transformá-lo.






Um templo público é um templo público; você precisa de seu próprio templo, ele é um fenômeno privado.

No Oriente, costumávamos ter um quarto separado para a meditação. Cada família que tivesse condições mantinha um pequeno templo particular. E as pessoas iam lá apenas para orar ou meditar, e para mais nada.

Tudo relacionado ao lugar - o incenso queimando, as cores, os sons, o ar - fica associado com a idéia de meditação. Se você medita no mesmo quarto, no mesmo lugar, todos os dias à mesma hora, então no momento em que você entra no quarto e tira os sapatos, já está em meditação. No momento em que você entra no quarto e olha para as paredes - as mesmas paredes, a mesma cor, o mesmo incenso queimando, a mesma fragrância, o mesmo silêncio, a mesma hora -, seu corpo, sua vitalidade e sua mente começam a se harmonizar em uma unidade. Todos eles sabem que é hora de meditar, e eles cooperam, não brigam com você. Você pode simplesmente sentar ali e entrar facilmente em meditação - mais facilmente, mais silenciosamente, mais desembaraçadamente.

Assim, se você puder, arranje um pequeno lugar - um canto servirá - e não faça mais nada ali, do contrário, o espaço fica confuso. É difícil de explicar, mas o espaço também fica confuso. Faça um cantinho, medite lá e todos os dias tente meditar regularmente no mesmo horário. Se alguma vez você deixar de ir, não precisa se sentir culpado - tudo bem. Mas mesmo se em cem dias você puder meditar regularmente por sessenta dias, isso será suficiente.






Seus pensamentos não possuem quaisquer raízes, eles não têm nenhum lar; eles perambulam exatamente como nuvens. Assim você não precisa combatê-los, você não precisa ser contra eles, você não precisa nem mesmo tentar parar os pensamentos.

Isso deve se tornar um profundo conhecimento em você, porque sempre que uma pessoa se torna interessada em meditação, começa a tentar parar de pensar. E, se você tentar deter os pensamentos, eles jamais serão detidos, porque o próprio esforço para deter um pensamento é um pensamento, o próprio esforço para meditar é um pensamento, o próprio esforço para atingir o estado búdico é um pensamento. E como você pode deter um pensamento com outro pensamento? Como você pode deter a mente criando outra mente? Você estará se agarrando à outra. E isso continuará, e continuará, ad nauseam, e não terá fim.

Não lute - pois quem irá lutar? Quem é você? Apenas um pensamento; assim não faça de si mesmo um campo de batalha de um pensamento combatendo outro. Ao invés, seja uma testemunha – você apenas observa os pensamentos flutuando. Eles param, mas não pelo seu parar. Eles param por você se tornado mais cônscio, não por qualquer esforço de sua parte para detê-los – dessa forma eles jamais param, eles resistem.






Essas são as perguntas básicas que podem ser respondidas somente por meio da meditação. Nenhuma filosofia pode ajudar você a respondê-las. Ela pode lhe oferecer muitas respostas, mas todas serão hipotéticas. Se você ponderar sobre elas, encontrará muitas falhas.
A meditação é existencial, não filosófica. Ela o ajuda a se tornar tão ciente que você acaba se encontrando.

A verdade é uma revelação, não uma conclusão de pensamento — é uma revelação na meditação, não uma conclusão por meio da meditação.

Osho






Obs: Se você deseja conhecer mais profundamente as técnicas de meditação criadas por Osho, para que possa meditar em casa ou com um grupo, consulte este maravilhoso site:


                    http://www.oshosukul.com/nova_pagina_1.htm                             


























 


Nenhum comentário: