ESSÊNCIA DA VISÃO




SAMBODH NASEEB




PAUSA LÚCIDA

Viver Consciência em cada Momento








1. Quando a vida percebe que você está consciente da abundância, da beleza e da profundidade, essa consciência de abundância e confiança cria mudanças em você, e sua vida é recriada a partir do amor e da visão mais elevada de você mesmo. A sua essência espiritual é a visão mais elevada de você mesmo. Existe algo a que você está destinado a ser.

2. O primeiro passo em direção ao crescimento real é assumir total responsabilidade por sua felicidade.


3. Nem seus pais, nem seus amigos, nem seus professores, ninguém é responsável por você agora. É você neste momento que pode tomar consciência de como olhar de um modo diferente para si mesmo e começar novas escolhas para a renovação de sua vida.


4. Essas novas escolhas acontecerão na medida em que sua mente se clarear e acordar para o seu real poder – o poder de ser você mesmo, o poder de ser o amor, de ser a compaixão, de servir às pessoas e elevar a vibração de tudo a sua volta.


5. Somos todos iluminados no aqui-agora. Possuímos a graça divina em nossos corações o tempo inteiro. Se por acaso não acreditamos nisso é porque nos hipnotizamos tanto imitando outras pessoas que vivem suas vidas inconscientemente, que não tomamos consciência da nossa real liberdade, assim, deixamos de tomar posse de nossas melhores escolhas e criar.


6. A mente é uma como uma escada. Ela pode lhe conduzir ao céu ou ao inferno. É na terra mesmo que podemos saborear os perfumes celestes e divinos ou os aromas pesados das trevas e da ignorância. 


7. A vida não está separada de você. O que vemos no mundo é exatamente uma cópia perfeita do que temos em nossas mentes. Se nos sentimos no céu, é porque nossos corações estão abertos e estamos liberando nossa criatividade natural. Desse modo, conseguimos transpor os véus da ignorância. Mas se por acaso sentimos que nossas vidas caminham por rumos incertos, isso já é uma boa dica para que procuremos aprender as leis do universo, as leis da mente e da vida criativa.


8. Amar alguém é se amar. Ajudar alguém é se ajudar. Tudo reflete em sua mente. É sempre você que vê, você que sente, você que percebe. Porque na verdade não estamos separados de tudo que acontece ao nosso redor, e as nossas mentes estão todas interligadas. Há uma rede de energia sutil conectando todas as pessoas do planeta. Há uma faceta da mente que possui comunicação com todas as outras mentes. Podemos chamar de “uma rede de energia, um mar de vibração em que estamos todos interligados”. Tudo afeta tudo e todos, em muitos níveis. É isso que vamos mais e mais descobrindo nessa jornada rumo ao Eu verdadeiro.



VOCÊ JÁ É PERFEITO!


9. O que é perfeito eternamente é o que você realmente É: Essência Espiritual, Consciência Espiritual. “Não busquem perfeição nas coisas que vêm e vão”, dizem os sábios. Se divirta no mundo, mas não exija do mundo o que ele não pode lhe dar. O mundo é uma escola dos jogos da vida. A aproximação do seu organismo ao amor que vem da Consciência Espiritual é realmente algo muito profundo e transformador, e lhe dá uma nova visão e sentimento de existência, onde você pode amar cada segundo da sua vida como um presente atômico, neste momento. E meditação é a resposta.


10. Jesus dizia que precisávamos estar despidos para entrar no Reino dos Céus. Isso quer dizer que precisamos estar despojados, desapegados, relaxados e com um coração inocente e puro “como os das criançinhas”.


11. Somos canais por onde esta energia universal se expressa. Quando somos brindados pela graça divina, aceitamos que cada palavra, cada ato, cada emoção, interpretada pela mente como boa ou ruim, é simplesmente a Totalidade da vida expressando a Si mesma.


12. Este convite da meditação e da auto-investigação é uma entrega à vida, uma sutil intenção de soltar e largar as tensões lutando com o que quer que seja. Há um desejo de viver o momento, com todo o amor, toda a simplicidade, toda a intensidade que o momento pode oferecer.


13. Meditação é entregar ao universo a sua identidade, os seus planos, as suas idéias, a sua agenda, tudo, apenas por este instante. Apenas por este momento. Uma pequena pausa para olhar para si mesmo é suficiente.


14. Um pequeno intervalo sem desejos já lhe põe em contato com o eterno.


15. Você tem um pensamento, mas você não É um pensamento!


16. Você pode simplesmente devolver todos os pensamentos de volta para onde eles vieram e deixar o perfume do amor envolver tudo. O que há além do pensamento? Amor.


17. Quando você senta a mente e o corpo, o silêncio do amor, que sempre esteve ali, se torna visível e palpável.


18. Você pode aprender a sentar a mente e o corpo, mesmo quando estiver em ação, e descobrirá aquilo que os sábios taoístas chamavam de ação-sem-ação (wu-wei).


19. Meditar em ação é acolher a dualidade positiva e negativa da vida dentro do coração e transformar em luz de unicidade. Meditar na vida diária é trazer a compreensão para todos os aspectos da vida cotidiana.


20. “Sentar” a mente e o corpo não significa apenas fazer um exercício. “Sentar”, para a tradição do Zen-Budismo, por exemplo, é ver a vida como ela “é” a cada momento, estar presente, centrado, e não ser ludibriado pelas emoções aflitivas da mente tais como medos, raiva, tristeza, insegurança.





“Nada pode atingi-lo. Você é intocado. A mente deve chegar ao ponto de uma compreensão completa da ilusão. Ali jaz o seu estado. Nada permanece para quem compreendeu. Não há mais perda ou ganho. Não pergunte se você pode atingir a Realidade, porque você é a Realidade, então por que dizer: “Será que eu posso?” Primeiro saia do círculo. Largue tudo, uma coisa após outra, e entre fundo em seu Ser. Depois volte e esteja em tudo.”

Ranjit Maharaj






O ZEN NOSSO DE CADA DIA


21. Muito relaxamento acontece espontaneamente quando você sabe claramente que não controla todos os aspectos da vida e se rende ao seu fluxo. A vida é uma rede complexa de energia, e estamos todos envolvidos nessa teia como filhos do universo.


22. Quando você está relaxado e confiante faz aquilo que guia seu coração, e não se aborrece com nenhum resultado. Por quê? Por que sabe que nem todo resultado será o esperado (compreendendo que a sabedoria do universo sabe mais do que você e lhe ensina através dos desafios).


23. Quando você relaxa e confia, você tem mais força porque traz a força da vida com você. Você permanece inteiro com a vida e não se divide. Então virá a saber que tudo é uma lição do universo, e sem separação somos parte desse processo infinito.


24. Somos uma gota, mas a gota está separada do oceano?


25. Quando você não confia, você se sente separado e isolado, se torna uma ilha, um ego. E algo separado do Todo sempre tende a sofrer porque naturalmente será menor e se sentirá mais fraco. É por isso que o ego sofre. Sempre que você estiver se sentindo sozinho ou com medo saiba que está identificado com seu ego – e o ego é uma entidade muito pequena e frágil que parece ser você, mas não passa de um eu falso e ilusório que o torna isolado da vida.


26. Ao nos identificar com o ego, nós perdemos o contato com a conexão divina que nos mostra intuitivamente que somos parte de uma rede humana, e que solidão é algo que não existe em verdade. Por conseguinte, a solidão existe apenas para o ego, para seus pensamentos sombrios – e não em realidade.


27. Uma pessoa que está aberta para a vida não pode sentir solidão. Você nunca verá um sábio reclamar de solidão. Isso não é possível. Ele pode estar no meio de uma floresta ou numa caverna. Sentirá como se estivesse sempre acompanhado.


28. Se você está aberto, outros estarão abertos para você, porque o universo reflete aquilo que você é. Esteja amoroso e atrairá pessoas amorosas a sua volta. E se não há pessoas, há natureza, nuvens, sol, lua, e os mil encantos que a vida se compõe.


29. Confie na sabedoria do coração. Confie no fundo de seu coração em seus sonhos mais impossíveis. O universo sonha por você para brincar de possibilidades. Viva este sonho sabendo que está vivendo isto, consciente, alerta, amoroso, meditativo. Por onde quer que você vá existe um ensinamento importante dizendo: a vida é preciosa!


30. Há uma história de um mestre com seu discípulo. Eles pararam para dormir em uma estalagem na estrada, mas o lugar só tinha uma cama e o discípulo optou por ficar cuidando do camelo. Quando chegou pela manhã o mestre encontrou-o encostado numa cerca, dormindo. O camelo havia desaparecido. O mestre o acordou e perguntou: "O que aconteceu ao camelo? Pedi que você cuidasse dele, não foi?" E o discípulo disse: "Mestre, de acordo com seus ensinamentos eu confiei, e rezei a Deus para cuidar do camelo..."
Então o Mestre falou: "Ok. Confie em Deus, mas amarre o seu camelo, porque Deus não tem outras mãos a não ser as suas..."


31. Então, amarre o seu camelo! Faça a sua parte. Organize-se mentalmente, emocionalmente e fisicamente. E então confie nos resultados da vida. Ou melhor, se dê conta de que tudo é um fluxo e você só pode se render ou criar conflito com este fluxo se imaginar-se algo fora dele.





O ego busca a iluminação no futuro. O ego não encontra iluminação porque o ego só existe na mente: no passado ou no futuro. O ego não existe aqui-agora. E a iluminação só existe aqui-agora!





32. Ame o que está sempre com você! Seus bons e maus pensamentos nem sempre estão com você. Seu corpo nem sempre está saudável, e nem sempre está doente. Mas aquilo que você É está sempre como É.


33. O espaço de silêncio interior está sempre ali como É.


34. Dedique-se ao processo meditativo de observar a vida a sua volta e diminuir seu julgamento em relação a coisas e pessoas. Ou pelo menos note a tendência da mente para o julgamento e a crítica. É desse modo que a mente nos ludibria. Podemos nesse momento perceber isto e retornar ao momento presente.


35. Com certeza isso abre passagem para uma meditação mais profunda. Deixar os outros serem como são quando você nota que é impossível controlar o outros é uma meditação muito profunda. Este é o grande segredo de compreender a vida a cada instante. A cada vez que podemos compreender a vida da forma mais amorosa possível, um momento de paz se instala no nosso coração. E cada momento de paz é importante.




Deus, no pensamento, se reflete em verdade,
discernimento, lucidez.
Deus, no sentimento, se reflete em bondade, compaixão, paz.
Deus, no corpo, se reflete como vitalidade, força, determinação.

Quando nos sentimos confusos, precisamos lucidez.
Quando estamos vazios, precisamos de amor.
Quando nos sentimos fracos, precisamos força.

Lucidez, força e amor nascem onde? Qual a fonte disso?
Do espírito, da consciência, de Deus.

O santuário interior de seu coração
está ligado à existência inteira,
visível e invisível.

Deus é a essência interior do homem.
O propósito do homem é conhecer a si mesmo.
Conhecendo a si mesmo, conhece Deus, Espírito.
Conhecendo a si mesmo, percebe sua união com toda a existência.







MEDITAÇÃO: QUEM SOU EU?


36. Ramana Maharshi, um grande sábio advaita hindu, convidava seus discípulos a inquirir profundamente com a seguinte pergunta: Quem sou Eu? E qual era seu objetivo? Perceber que toda a resposta que vem da mente é um pensamento que pode ser observado pela atenção consciente. Sendo possível de ser observado por você, então você não pode ser o que é observado. Se eu posso observar um pensamento, então posso perceber que eu não sou um pensamento. E quem sou eu? Sou o observador dos pensamentos. Sou pura percepção.


37. Ramana ensinava a permanecer neste silêncio do observador. Ali, dizia ele, mora a chave de toda meditação. Ele ensinou aos discípulos a voltarem para a fonte do eu, a fonte de onde todo pensamento vinha. E ele chamava essa fonte do eu de EU REAL. O Eu Real não poderia ser o corpo, já que o corpo também podia ser observado. Nem os pensamentos ou sentimentos, que do mesmo modo, eram testemunhados pelo Eu que observa.


38. Esta indagação é uma forma de trazer a atenção para si mesmo, de modo que não nos percamos nos objetos, no mundo exterior, ou em nossos pensamentos, sentimentos e sensações.


39. Este retorno ao Eu Real é Jnana Yoga, o caminho do conhecimento do Ser, do EU REAL.


40. Retornar ao Ser significa simplesmente essencialmente estar aqui-agora, aberto e disponível, e ao mesmo tempo presente ao que Eu Sou – Consciência Espiritual Eterna. O Eu Real está sempre aqui. Sempre presente.


41. O Eu Real é tudo que permanece quando investigamos a nossa verdadeira natureza no presente.


42. Há um pequeno distanciamento, um desapego natural que lhe traz uma certa graça e paz por você saber que em realidade é uma presença pura e sem forma, cheia de luz e paz.


43. A paz vem do silêncio interior e da proximidade com a essência de amor da Energia Pura, de Deus. Ou seja, o que Eu Sou é intocável pela tristeza e pelos problemas. Aprender a se entregar para isso em todos os momentos é a riqueza do ensinamento que tenho aprendido com tantos mestres espirituais.

44. A Energia Pura não é nem isso nem aquilo, nem positiva e nem negativa. Aquilo que Eu Sou (Energia Pura) precisa ser relembrado para que o corpo e a mente fiquem em ordem e saiam do caos do sentimento de isolamento e separação. E o método é a meditação.

45. É preciso reconhecer tudo que há dentro de você como luz. Reconhecer é amar. Quando você aceita, novamente está indo em direção à Energia Pura que é simplesmente amor incondicional, aquilo que existe realmente de permanente e eterno.


46. Aquilo que você não gosta em você deve ser integrado. Enquanto não for integrado, aparecerá do lado de fora, na sua vida, como uma dificuldade, como uma pessoa que lhe aborrece, como um obstáculo externo. Então é possível perceber que os obstáculos não são externos de verdade. Eles parecem ser externos porque não compreendemos como a mente e a vida funcionam. Mas em realidade eles estão em nossos pensamentos.


47. A mente precisa mergulhar na sabedoria e no silêncio para poder lembrar-se de sua natureza de paz. Sem a meditação e a experiência regular de acolher tudo em seu coração, a mente permanece agitada e perturbada pelo mundo externo, sempre fugindo do que não gosta, tentando escapar para seus gostos e desgostos pessoais, permanecendo assim distante da sua verdadeira natureza pacífica e relaxada.




“Nós conhecemos o mundo exterior de sensações e ações, mas, do nosso mundo interior de pensamentos e sentimentos conhecemos muito pouco. O objetivo inicial da meditação é tornar-se consciente e familiarizar-se com a vida interior. O objetivo final é alcançar a fonte de vida e consciência.”

Nisargadatta Maharaj






O TESOURO DA VIDA ETERNA


48. Depois de aprender a meditar você conhecerá o seu refúgio sagrado. Então você saberá onde está sua verdadeira casa. E poderá sempre voltar para ela nos momentos que precisar.


49. Esse é um diferencial enorme: saber voltar ao silêncio da sua Essência Espiritual no momento que quiser, porque agora você sabe que o caminho para a felicidade é para dentro de si, e que sua casa está na verdade em você, no fundo daquilo que você chama de “auto-imagem” (Ego). Porque lá no fundo do oceano estão os tesouros...


50. Existem muitas histórias e lendas sobre estes tesouros do fundo do mar. Da mesma maneira, os tesouros interiores estão no fundo da mente, embaixo das crenças, por trás das idéias, por trás de tudo aquilo que pensamos ou sentimos. O tesouro da vida eterna está disponível para todos nós, mas nem todos estão preparados para eles. É preciso um treinamento básico para você ser capaz de vê-los.


51. Para se chegar lá embaixo, no fundo do oceano, é preciso equipamento necessário. É preciso treino. Vamos um pouquinho, depois voltamos. Vamos mais um pouquinho, e temos de retornar. Do mesmo modo, no caminho espiritual, aos poucos iremos nos acostumar com um silêncio e uma paisagem que só acontece mesmo nas profundezas.


52. Nossa educação, nossas experiências, nossas conversas, estão sempre girando como a natureza das ondas e da superfície do mar. Na superfície há barulho e muito movimento, e a mente e o corpo fazem parte deste movimento. A mente/intelecto e o corpo pertencem ao mundo relativo, o mundo da criação, a parte ativa de Deus. Quanto mais se vai para as profundezas, menos barulho e movimento, e a mente perde o seu controle e comando. Ela não pode viver no meio daquela dimensão de clareza. A mente racional intelectual vive no seio da ignorância e da falta de discernimento do Ser.


53. É por este motivo que a meditação é vista como algo não-alcançável por grande parte das pessoas. Em nossa sociedade, o treino e o investimento em cima de uma mente sempre ativa, sempre fazedora, sempre dinâmica, gerou uma neurose: que a não ser que você produza muito o tempo inteiro, ganhe muito dinheiro o tempo inteiro, e não tenha tempo pra você nunca, então a vida não é significativa e você se sente “inútil”.


54. Há inúmeras pessoas que enriquecem neste mundo. Mas quando podem desfrutar daquilo que criaram, quando poderiam usufruir de todo aquele trabalho e tempo investido em uma vida próspera, estão doentes, deprimidos, sem vontade de viver. Ensaiaram viver a vida inteira. Quando chega o momento as suas mentes já estão treinadas para estarem ativas que não conseguem desfrutar.


55. Podemos ver claramente que o sucesso material deveria vir ancorado pelo sucesso espiritual, caso contrário a possibilidade de morrer infeliz e rico é muito grande. É possível uma grande síntese entre o material e o espiritual. E este é um homem completo.


56. O dinheiro não pode comprar amor. E existem muitos casos que o dinheiro adia a possibilidade do amor chegar. Quando? Quando o amor ao dinheiro é maior que o amor ao ser humano, à vida, a si mesmo como filho da vida, filho da Energia Pura.


57. É maravilhoso ter o hábito constante de agradecer interiormente por tudo que a vida já nos deu e nos dá agora mesmo. No início e final do dia podemos criar conscientemente um espaço de abertura e agradecimento pelo presente de estar presente aqui-agora.


58. Sendo grato pelo que já tem, você poderá começar a criar um sentido de valor amoroso que está no aqui-agora na sua vida, e não no futuro. Sentir-se grato é mandar uma mensagem criativa ao universo: “Eu sou co-criador de minha própria vida, e quanto mais consciente estiver do poder da minha criatividade, mais sentirei gratidão por estar vivo”.


59. Ser grato pelo que você já tem é perceber um espaço de criatividade e amor dentro de você que não precisa ser criado, pois este espaço é a comunhão com a própria vida que acontece o tempo inteiro, independente de como estivermos, alegres ou não.


60. Acostume-se a valorizar seu presente, seja o que for. Com o tempo descobrirá mais e mais coisas a valorizar. Porque a vida da gente existe onde está a nossa atenção consciente.


61. Ao que você mais está atento nos últimos dias?


62. Você lembra mais do que ainda não tem, ou sabe desfrutar do que você já tem agora?




TUDO É PERCEPÇÃO


63. Vamos dar um exemplo: Imagine um balde cheio d’água. Você pega seus óculos de grau e olha para a água. Talvez por causa dos óculos você veja a água bem cristalina ou mais límpida. Mude os óculos - só que agora ponha um com lentes marrons. Quando você olhar para a água, terá a impressão de que ela ficou marrom. Agora, novamente você tira esses óculos de lentes marrons e pega um microscópio, e então analisa outra vez a água. Certamente terá novas surpresas, já que será uma outra água a ser vista, uma água que seus olhos nus não podem ver. Talvez possa assistir bactérias na água que não podia ver anteriormente. Perceba que os instrumentos que usamos para olhar a água nos dão percepções diferentes da mesma água. A água é a mesma, mas a vejo sob três diferentes aspectos.


64. Este exemplo acima ilustra como nossa percepção muda de acordo com o instrumento que estamos usando para “ver”. É a mesma água, sendo vista por três diferentes médiuns: óculos claros, óculos escuros e um microscópio.


65. Os sábios espirituais de todos os tempos dizem que o que existe em verdade é a Energia Pura da Consciência (a água no balde) e a mente (o instrumento para olhar) nada mais é que o instrumento que usamos para olhar para a vida.


66. Ou seja, através do homem com “mente agitada” a vida é vista de uma forma distorcida, cheia de erros. Enquanto que o sábio vê de uma maneira completa e perfeita porque a mente do sábio é transparente e em ordem.


67. Mas veja o importante: nada em essência mudou. A vida é a mesma. O que mudou foi a percepção que interpreta a vida. O que mudou foi a qualidade da mente que observa a vida, a qualidade do instrumento de percepção!



68. O sábio é na verdade um reflexo de Deus aqui na terra. Todo sábio é na verdade um canal para a divindade porque sua mente não tem distorções. Mesmo o homem comum é um canal da divindade, só que operando em freqüências diferentes, com algumas distorções.


69. Os sábios nos ensinam que a Consciência Espiritual vive como uma pedra (matéria), nos níveis mais baixos, e como um sábio (mente sutil), nos níveis mais altos.


70. Separar o sábio do homem comum é outra ilusão mental. A mente lúcida percebe profundamente que nada existe em separado nesta rede de energia pura da vida. Como um grande mestre uma vez declarou: “Desde que me iluminei, nunca cruzei com uma pessoa que não fosse iluminada”.




DEUS: A FONTE DE TUDO

71. A mente é o instrumento que vai criar a vida. Sem a mente não há vida como nós conhecemos. É a mente que vai conceber sons, cores, nomes, cheiros, odores, formas; é ela que vai analizar, julgar, interpretar o mundo para você. É ela também que vai te iludir que você é ela. Você é consciência espiritual. Assim como o motorista de um carro não é o carro, você não é a mente – você é aquele que tem a mente!


72. A mente é o médium que utilizamos para que a consciência espiritual possa perceber a vida nesta terceira dimensão. Essa mente é singular de diversas formas, porque nenhum ser humano pode ser igual ao outro no que diz respeito à sua percepção do mundo. Podem existir pessoas com percepções semelhantes, mas nunca iguais. Esta é a dignidade do ser humano. Sua unicidade e singularidade. Portanto, podemos dizer que é a mente que traduz a vida para ele.


73. Deus, em verdade, é a essência mais profunda de você mesmo, a sua parte divina, sagrada, perfeita. Ela está vivendo em você agora, como você é, do jeito que você é. E lendo isto agora pode fazer com que você se dê conta de que já tem Deus em si mesmo neste exato momento. E pode se lembrar de glorificá-lo mais e mais no silêncio e na quietude, ou em uma ação criativa no aqui-agora.


74. É na quietude que você perceberá tudo isso de forma muito mais profunda. Quando em quietude, a mente lhe ajuda a conhecer aquilo que está além da forma de do nome. Aquilo que chamamos de essência espiritual. A mente em quietude brilha em sabedoria, paz e simplicidade.


75. Essa essência além da mente é ilimitada, indivisível, sem forma, sem tamanho, infinita, além do espaço e do tempo, não descritível, não localizável. Há estudos profundos na física quântica que demonstram paralelos fantásticos com a essência dos ensinamentos primordiais da espiritualidade milenar.


76. E felizmente, mais e mais pessoas estão despertando no mundo para isto. Porque isto não é do poder de ninguém. Ser quem você é em essência, a cada instante, é um dom de todos nós. Isto não lhe dará nada de especial, a não ser uma relembrança de sua verdadeira natureza espiritual.





“Viver apenas um dia ou ouvir um bom ensinamento é melhor do que viver um século sem conhecer tal ensinamento”.
Buda















Consciência Desperta é
CONHECER A SI MESMO


A Inteligência não está buscando segurança. A idéia de segurança não existe na Inteligência. Ela por si mesma é segura e não busca por segurança.
                                                                                                    
                                                                                            Krishnamurti






77. A Fonte de tudo, a Inteligência Suprema, está além do bem e do mal, do ying e do yang, da luz e da escuridão, e principalmente além da mente racional. Esta Fonte é um poder não-criado, ilimitado, de Inteligência Infinita e consciência absoluta. É uma essência sem forma, que contém todos os potenciais de vida em Si mesma. Apesar de não possuir forma pode tomar todas as formas que quiser quando se manifesta.


78. Neste exato momento você está dentro desta essência e esta essência dentro de você. Os físicos nos dizem atualmente que se você pudesse ver os átomos e moléculas que compõem seu corpo, teria a oportunidade de notar os espaços vazios que existem nele. Seu corpo está cheio de espaços vazios, exatamente como uma esponja, que tem sua natureza toda porosa e cheia de espaços para que a água penetre. Assim são nossos corpos, com espaços vazios entre os átomos que o compõe e a essência divina vivendo nele como Presença. Esta é a presença oculta de Deus.




O ENSINAMENTO REAL


79. Os sábios do Advaita Vedanta, na Índia, dizem: “Deus (Consciência Divina) é tudo que há”. No Cristianismo é dito que Deus é onisciente, onipresente e onipotente. Isto significa que ele sabe de todas as coisas, está em todos os lugares, e é o Todo poderoso. Ora, se ele está em todos os lugares, ele não está aqui-agora com você? Se ele sabe de tudo, não saberá do que você precisa também? E se ele é Todo poderoso, não significa que tem o poder de fazer o que quiser, inclusive com você?


80. Você lembra que todas as religiões dizem que Deus é o criador de todas as coisas? O que eles queriam dizer é que na verdade só há Deus, manifesto em tudo, como formas e nomes, universos, planetas, estrelas, minerais, plantas, animais, homens, mulheres, crianças. A essência é tudo que há. Consciência é tudo que há. É claro que esta essência, esta presença, não é uma pessoa. Não é um velho de barbas longas controlando você.


81. Tudo é essência divina. Não há nada fora dessa essência suprema de Amor. Enquanto você está lendo isto você está incluído nesse Amor. É um Amor que tudo inclui. Tudo acontece dentro dele, e ele mesmo não tem início nem fim. Você pode se perguntar: “Mas porque não sinto este Amor?”, e a resposta é simples: você não foi treinado para sentir amor. Você foi treinado para sentir medo, para a competição, para o julgamento, para temer a vida. Esta é a hipnose coletiva que nos foi ensinada séculos e séculos.


82. O que precisamos? Um treinamento de libertação das velhas crenças limitantes, uma mente nova, um coração novo que possa “ver” a beleza de cada momento, que possa se abrir para cada pessoa, cada paisagem, cada instante singular que experimentamos dia após dia.


83. Deus está vivendo você exatamente agora como você é, sente e pensa. O propósito do corpo/mente humanos é reconhecer sua própria essência, Deus – que na verdade nunca foi perdida, apenas parece perdida para que o jogo de esconde-esconde divino possa ser perpetuado infinitamente, e tudo possa ser criado e re-criado de infinitas e inimagináveis possibilidades.


84. Sua consciência nesse mesmo instante é o espírito de Deus vivendo em você. Os físicos nos dizem que o mundo é energia pura em movimento. Os místicos do passado diziam a mesma coisa em outras palavras. Nossos corpos são pura energia. O que significa que tudo é eterno, já que apenas as aparências mudam, os arranjos mudam, mas a essência da vida é infinita e indestrutível.





EXPERIÊNCIA VIVA


85. Nisargadatta Maharaj é um de meus mestres queridos. Ele foi um sábio iluminado hindu que viveu no século passado na Índia, e disse uma vez, em seu livro I am That (Eu Sou Aquilo): “Assim como as cores neste tapete são expostas pela luz, embora a luz não seja a cor, também o mundo deve-se a ti, embora tu não sejas o mundo. O que cria e sustenta o mundo podes chamá-lo de Deus, mas afinal tu és a prova de que Deus existe, não o contrário. Porque antes que qualquer pergunta sobre Deus possa ser formulada, tu precisas estar ali para formulá-la”.


86. “Qual é o Deus que eu acredito?” Eu realmente conheço o divino ou apenas acredito no que me disseram sobre ele? Se eu apenas acredito porque um dia me disseram, ou porque devo acreditar em algo, ou porque sinto medo e desamparo se não acreditar em um ser superior, que tipo de Deus é este que vem do meu desamparo?


87. Um Deus que vem do medo pode ser um Deus de Amor? Como posso temer a Deus se tenho de amá-lo? Para amar a Deus preciso conhecê-lo. E para conhecer a Deus é necessário que eu tenha uma experiência viva dele. Se eu apenas acreditar no que me dizem, terei um Deus emprestado pelos outros, que talvez seja um Deus fabricado pela mente dos outros. Então tenho que investigar profundamente.


88. Deus é uma experiência ou uma crença?


89. Uma experiência é algo vivido por você, experienciado por você, sentido por você. Você não acredita no sol, afinal você tem uma experiência direta do sol. Você não acredita em seu corpo, você conhece o seu corpo.


90. A menos que tenha uma experiência direta de Deus, como “acreditar” pode lhe dar o amor divino? Fé é uma profunda confiança. Esta crença cega e superficial em Deus impede muitas pessoas de sentirem a essência do amor em todas as coisas e em si. A verdade foi substituída pela mentira.


91. Deus é o autor de cada palavra, poeira, pensamento, cada sentimento, ação, cada flor ou planeta. Deus não é uma pessoa. Ele se manifesta como uma pessoa, mas não é uma pessoa. Ele se manifesta como uma flor, mas não é uma flor. Ele se manifesta em palavras, mas não é uma palavra. Ele se manifesta como Amor, mas está além do Amor. Deus é uma presença que vive em seu coração...



O PARAÍSO DENTRO DE VOCÊ


92. Todos os grandes mestres e sábios espirituais que passaram pela terra e que trouxeram seus ensinamentos foram criados pela Inteligência Infinita, ou aquilo que chamamos Deus.


93. Todo mestre e toda pessoa é um mensageiro do Infinito.
Quando estamos adorando a Jesus Cristo, nós estamos adorando um filho de Deus. Ele mesmo se referia a Deus como Pai.


94. Quando estamos adorando a Buda, estamos adorando um filho de Deus. Quando estamos adorando Maomé, estamos adorando um filho de Deus. Quando estamos adorando nossos filhos, ou nosso amado e amada, ou passarinhos, animais, montanhas, estamos adorando os filhos de Deus.


95. Deus envia mestres espirituais para trazer à humanidade novas mensagens, de acordo com o tempo e o momento que é preciso. E Deus envia pessoas para criar um cenário de vida onde possa haver a energia divina expressa em criação. Deus não é uma pessoa. Sinto Deus como uma infinita Inteligência que é a verdade e a essência da vida. Quando estamos sintonizados com esta Inteligência, algo muda dentro de nós e na nossa maneira de perceber a vida.


96. Não estamos mais em tempo de divisão por causa de Deus ou Deuses.  Estamos em tempo de amar. Estamos em tempos de amar a Inteligência Infinita que está além de todas as escrituras. Afinal, toda a palavra tem de ser interpretada. E como vamos falar de Amor se haverão várias interpretações desse amor, de acordo com o nível de cada mente?


97. Ir além disso significa caminhar na via do coração. E o coração é só amor, aceitação, não-julgamento. O amor acolhe porque não tem divisões que sempre são criadas pelo pensamento. O coração não cria divisões. O amor expande e une. A mente e o ego separam e julgam.


98. Se você diz que seu mestre é o único mestre, você está criando divisão, desrespeito e guerra. Você pensa: “O meu mestre está certo, o meu mestre é o único filho de Deus”. O que você está criando com isso? Você está criando divisão, separação. E violência será a conseqüência, porque você será incapaz de respeitar e amar o outro. Como você pode amar o outro se o outro não tem o seu mestre? E como você pode não amar o outro se ele é, também, como você, um filho da Inteligência Infinita?


99. Assim, as religiões criaram através dos tempos guerras e mais guerras por causa de suas idéias e dogmas, e não se deram conta de que o amor está além de qualquer religião. Nenhum mestre espiritual verdadeiro julga o caminho dos outros. Como você pode imaginar que Jesus, que diz “não julgueis para não serdes julgados” , possa julgar um outro ser humano porque ele não segue o seu caminho? Como um sábio poderia fazer tal coisa?


100. Mesmo uma pessoa que não está no caminho de Deus está cumprindo um propósito divino. Por quê? Porque só existe Deus guiando todas as coisas. Uma pessoa só “aparentemente” se perde. Ela se perde para que possa se encontrar. Você nunca notou que muitas vezes temos de perder algo valioso para depois valorizar o que tínhamos?


101. Quando perdemos, percebemos o valor do que tínhamos, e sentimos que amadurecemos com aquilo. Aparentemente nós perdemos o paraíso. Mas isto é parte do plano da vida. Apenas perdendo o paraíso você será capaz de desfrutá-lo verdadeiramente! Pois você tem de estar muito vivo e sensível para viver no paraíso. O paraíso não é nenhum outro lugar senão em sua própria mente. O paraíso na mente é o verdadeiro paraíso. Paraíso que imaginamos vir de fora, de um lugar, de uma pessoa, de bens materiais, não pode permanecer para sempre maravilhoso.


102. Mas conhecer a si mesmo é conhecer o “paraíso de dentro” que está sempre disponível. Este paraíso de dentro é o que muitos chamam de essência divina.




O CONHECIMENTO


103. A parábola de Adão e Eva é muito significativa. Eles perdem o paraíso porque comem o fruto da árvore do conhecimento. O que nos ensina isso? Para entendermos esta parábola, vamos imaginar que Adão e Eva são crianças. Crianças vivem no reino de Deus. Crianças são inocentes, puras, não detém conhecimento. Ainda não formaram uma mente, não tem passado, não tem futuro, não tem problemas.


104. No momento que crescem um pouco, e vão passando pelos caminhos e aprendizados do mundo, vão adquirindo conhecimento dos outros e experiências relativas ao ambiente em que vivem. Este conhecimento se acumula então, formando o ego, uma imagem mental do que elas “pensam que são”. Ou seja, “comer o fruto da árvore do conhecimento e perder o paraíso” é o que tem de acontecer a todo homem e toda a mulher para desenvolver o ego – o primeiro senso de identidade do ser humano. É preciso perder o paraíso, viver no mundo, adquirir conhecimento, para que possa haver sofrimento. Que sofrimento? O sofrimento de se sentir separado, sozinho, com medo da vida. Que sofrimento é este: o nascimento do ego. Este sofrimento não pode ser aliviado. E é só quando uma pessoa se volta de novo para sua “criança interior”, ou seja, para o paraíso que está dentro de si mesma, é que ela fica consciente do potencial que tem em Si.


105. É preciso perder o paraíso.
Uma criança é um ser divino que não sabe que é divino.
Um sábio é novamente uma criança, que sabe que é divino.


106. A Vida está em busca da consciência de si mesma. A criança não tem consciência de si mesma. Ela precisa viver no mundo. O mundo criará na criança a divisão, e mais tarde gerará um adulto dividido. Mas porque o homem se vê dividido de si mesmo, em conflito consigo? O que começa a criar este conflito? O conflito é criado pelo apego ao conhecimento que ele adquire dos outros.


107. Quanto mais conhece o mundo, mais o homem escapa de Si mesmo. Quanto mais se perde no mundo, mais se distancia de Si mesmo. Quem é este Si mesmo? É o momento presente, é o reino de Deus aqui-agora.



108. O homem passa a viver do futuro e do passado. Com o conhecimento, ele perde a inocência e a beleza do momento e começa a acreditar em uma felicidade no futuro. Só que essa felicidade nunca chega de verdade. E a sociedade continua incentivando-o a pensar na felicidade no futuro. Por quê? Porque se você não pensar que vai ser feliz no futuro, a sociedade, como ela vive hoje, quebra, se desmancha. O sistema vive e se alimenta de do futuro.


109. Então lembremos: A inocência perdida é o paraíso perdido.


110. Toda busca é pelo paraíso perdido. Mas onde você o perdeu? Em algum lugar? Não. Você apenas se distanciou da vida. Você começou a viver em sonhos de futuro. Sonhos de vida futura – mas não Vida Presente. É diferente viver na vida e viver sonhando. Mas quando estamos sonhando não sabemos a diferença. Apenas quando acordamos alguns aspectos de nós mesmos é que podemos ver a diferença.


111. Nos tempos de hoje, a Inteligência Infinita está simplesmente querendo que este paraíso do Momento Presente seja encontrado novamente por um número muito grande de pessoas. No passado, apenas poucos místicos tinham acesso a isso. Mas parece que a humanidade chegou a um nível de maturidade onde pode alcançar uma nova freqüência de consciência e viver aquilo que nunca pôde viver antes: uma vida real no presente, cheia de amor, serenidade, beleza e tranqüilidade.


112. Novos ensinamentos, novas mensagens, novos estilos de viver nossa essência estão chegando. Deus é preciso ser visto como a essência do seu coração. Deus não está em um lugar distante. O céu é seu próprio coração. O reino de Deus é exatamente este momento. Mas seu coração tem que estar puro nesse momento. Se estiver puro, isto é o Reino! Havia um mestre que dizia: “O reino está exatamente neste momento, mas você não tem olhos para ver agora e nem ouvidos para ouvir. Creia em mim, que você acordará!”


113. A proposta deste ensinamento aqui é simplesmente aprendermos a amar aquilo que na verdade nós Somos além de todo pensamento. E a meditação é um instrumento para isto. Foi o que escolhi para fazer a jornada. E tenho desfrutado de muitos momentos maravilhosos com esta visão.


114. Na meditação profunda você percebe que você não é quem você pensa que é, mas você é a própria energia divina da vida vivendo como uma pessoa humana. O desconhecimento total da sua majestade, limita a energia potencial do seu organismo.


115. Somos irmãos de luz nesta terra abençoada. Bem aventurados aqueles que estão acordando para o que na verdade são: instrumentos da luz da vida.


116. Todo mestre é um centelha divina que está consciente de que é divino.


117. Você é uma centelha divina que “pensa (e se ilude)” que não é divino, porque está identificado com as falhas de sua personalidade. Mas você não é apenas esta personalidade! Esta personalidade é apenas a sua roupa nesta vida. Este corpo e esta mente são roupagens do divino momentaneamente.


118. Os sábios nos dizem que não há uma folha de grama no universo que não esteja equilibrando algo. Ou seja, tudo o que está acontecendo é faz parte do grande plano da vida universal. A mente racional é limitada, não pode saber sobre a realidade intuitiva. A mente racional pode ir até certo ponto. Depois disso só o coração pode ir.


119. Tudo na vida depende do seu momento propício. Não compreender faz tão parte como compreender. Sofrimento faz tão parte como felicidade. Sucesso faz tão parte da vida quanto o fracasso. Mas de um ponto de vista iluminado só há sucesso e tudo é evolução.

120. É claro que a experiência individual de felicidade é vista na mente como prazer. Preferimos prazer a ter dor. Essa preferência por felicidade também faz parte do programa e do plano. O caminho do meio proposto por todos os mestres iluminados está em suavizar os efeitos dos pólos. Como? Não rejeitando nenhum deles. Aceitando que a escola da vida é feita de subidas e descidas, de tristeza e alegria, de prazer e dor.



121. Portanto, não esqueça que, num dado momento, o que vai ser útil pra você não é as palavras e o conhecimento, mas a intuição do seu coração. E é isto que a meditação e o silêncio fazem conosco. Silêncio produz paz. Silêncio é o reservatório de energia divina da vida. Quando a mente é posta em meditação, um novo ser nasce em você. Uma maturidade, uma cristalização e clareza. Quando puder, encontre um orientador espiritual que possa lhe ajudar a sintonizar com este silêncio interior.



GRUPOS ESPIRITUAIS E MENSAGEIROS


122. Sabedoria é começar a compreender que a mente de Deus e a sua mente são Uma só. A mente individual e a mente universal estão unidas na sabedoria profunda. Exatamente agora todas as coisas e todos os ensinamentos, passado, presente e futuro já estão na mente divina. E você pode ter acesso a isso conhecendo sua própria mente. Indo além da mente superficial, indo além da mente que retém o conhecimento do mundo, você penetra na mente intuitiva, e depois na mente universal. A mente universal é a mente divina.


123. Os grandes mestres iluminados tiveram acesso à mente universal. O contato com a mente universal muda uma pessoa inteiramente. Esta mente universal está dentro de você. Cada ser humano é um Deus em miniatura. Cada ser humano é em potencial a própria divindade. Deus cria pontos de Si mesmo em todas as mentes, para que tenha visões infinitas de Si. Cada pessoa tem uma visão única da vida, e isso faz parte do plano da criação.


124. A meditação e a auto-investigação são as ferramentas mais diretas para abrir o coração para verdades mais elevadas.


125. Com a meditação você aprende a se conectar com o silêncio de sua mente que está além da sua personalidade. E quando você toca esses níveis profundos de mente, níveis que estão além do medo e da insegurança, pela primeira vez você percebe que sua mente é mágica. Ela pode lhe levar ao inferno. Mas ela pode lhe levar ao céu também.


126. A auto-investigação com um mestre ou professor espiritual, lhe ensina a aprofundar os níveis de silêncio e paz. Porque apenas com um mestre vivo você pode aprender certas coisas. Não há livro que possa lhe ensinar a amar. Assim como também não há livro que possa lhe ensinar o silêncio divino que habita em você.


127. As comunidades espirituais são grupos de pessoas que tem afinidades em comum, e que querem aprofundar em si mesmos o amor, a compaixão, a sabedoria e a paz. Deus continua enviando mensageiros, mestres espirituais maravilhosos. Na minha caminhada, encontrei muitos mestres que me ajudaram a acordar para este silêncio divino.


128. Todo mestre genuíno sabe que existem muitos caminhos para Deus, e que ele é apenas um mensageiro. Todo aquele que fala em nome de Deus é um mensageiro. Foi o próprio Jesus que disse uma vez: “A casa de meu Pai tem muitas moradas”, querendo claramente se referir aos caminhos que cada indivíduo toma para iluminar seu coração com a luz de Deus. Eles são muitos – mas a meta é a mesma!




EXPERIÊNCIA VIVA DE DEUS


129. Neste novo tipo de religiosidade que está nascendo na terra, a ênfase está em viver Deus, sentir Deus, experienciar Deus., momento a momento, nas atividades simples da vida.


130. Porque quando você tem uma experiência, quando você tem a vivência de algo por você mesmo, nenhuma pessoa pode deixar você em dúvida. Como você pode ficar em dúvida? Você experimenta um doce e alguém diz que é salgado. Se você provou o doce, nunca se importará com alguém ao seu lado querendo provar que o que você comeu não é doce. A experiência pessoal é a sua fonte sagrada de crescimento.


131. Esta é a diferença entre meras informações (crenças) e conhecimento (sabedoria). As informações são decorações em nossas mentes. São pensamentos que podem advir de livros ou de outras pessoas, mas que não estão em nossas células, não se tornaram parte do nosso ser. Informações são palavras no cérebro. Estão na parte mais superficial da mente. Quando você tem apenas informações, você também tem dúvidas.


132. Isto é tão óbvio de se ver que, se você notar, verá que as pessoas que vivem de crenças sempre estão com medo de ouvir as novidades, e nunca estão abertas para o futuro. As crenças mantém a pessoa no passado. Elas têm medo de que suas crenças estejam erradas, por isso se fecham. Um fundamentalista é um medroso. O medo faz ele lutar com todas as pessoas. Ele tem de provar que está certo, e para provar isto, ele quer argumentar que todos estão errados. Ora, se você sabe que está certo, se você está tranqüilo na sua posição, você compartilha o que sabe, mas não impõe nada a ninguém. Porque iria impor? Deus não gosta de ditadura. Por isso ele cria tanta variedade no mundo. Saber lidar com as diferenças é uma tarefa importante de todo buscador espiritual.



ALÉM DA CRENÇA: CONFIANÇA TOTAL


133. Walt Whitman, poeta americano, dizia: “Quem nunca se contradiz deve estar mentindo”. As pessoas que não abrem mão de suas convicções têm medo de se  contradizer. Mas como podemos evoluir? Por que tenho que me comprometer com o passado? Ora, eu estou vivo! Por que tenho de repetir sempre a mesma música? Se eu posso cantar novas músicas, isso não significa que minhas músicas antigas estejam erradas, mas que posso, a cada dia, aperfeiçoar e embelezar ainda mais o meu repertório de acordo comigo mesmo.


134. Todo real mestre nos lembra de que até nossas experiências agora devemos estar prontos a largar, porque, quem sabe o próximo momento? Pode ser que o próximo momento contradiga tudo aquilo que vivi. Pode ser que o próximo momento seja completamente um novo ensinamento para mim. Então preciso estar aberto. Se não estou aberto, estou preso às minhas crenças. E minhas crenças podem impedir que eu tenha uma experiência inédita que vai me dar uma nova compreensão sobre minha vida.


135. Fico impressionado como tantas pessoas se queixam da rotina, mas ao mesmo tempo se apegam às suas próprias rotinas. Pensa-se sempre da mesma forma, se faz sempre as mesmas coisas, porque desse modo vem uma falsa segurança de que tudo está em seu lugar. Quando algo diferente acontece, para simplesmente bagunçar um pouco essa rotina, é raro vermos essas pessoas agradecerem a Deus por serem “mexidas”. Elas preferem a rotina e a segurança, à novidades e surpresas. E o mais engraçado é que se você perguntar a uma pessoa assim o que mais ela deseja em sua vida, ouvirá dela o oposto, ou seja, ela quer que aconteçam coisas novas, surpresas, novidades!!! Ora, com unhas e dentes ela se segura na sua rotineira forma de pensar, em suas crenças sobre a vida e seus preconceitos, e ao mesmo tempo ela quer novidades!!! Como pode??


136. A reflexão em cima disso é simples: suas formas de pensar são confortáveis e seguras. Há pessoas não querem sair de suas zonas de conforto. Não podem ousar, e nem se darem ao luxo de espiar o desconhecido. O desconhecido é muito amedrontador. 




A NOVA RELIGIOSIDADE


137. Quando perguntaram a Osho sobre qual seria o futuro do seu movimento, ele disse: “Não estamos preocupados com o futuro. Nós somos felizes agora!”. O ponto fundamental do trabalho é a meditação. E meditação inicialmente é um esforço para trazer sua mente para o presente, onde realmente a vida se encontra.


138. Quando indagaram a Gautama Buda sobre reencarnação ele permaneceu em silêncio. Quando Pilatos perguntou a Jesus sobre a verdade, Jesus também permaneceu em silêncio. Os mestres são muito pouco explicativos. Todas os seus ensinamentos são conceitos elaborados para pessoas que estão de certo modo receptivas e abertas, sentindo sede verdadeira por um novo caminho em suas vidas. Os ensinamentos têm um contexto, um clima, e só realmente brotam e se desenvolvem em uma escola, em um grupo receptivo. A verdade não é um argumento. A verdade é a presença real de você vivo no momento. Não há uma explicação sobre a verdade. A verdade é uma experiência viva de cada instante. Deus está vivo em cada momento para você quando Ele está acordado em seu coração e mente. Todo esforço da meditação é levá-lo a uma entrega absoluta do momento como ele É, ao momento como ele está se apresentando agora, seja alegre ou triste, bom ou mau, preto ou branco. O momento vivo. Deus é uma abertura para a profundidade do momento.


139. Um mestre zen disse uma vez: “Quando eu aponto para a lua, preste atenção à lua e não ao meu dedo”.

Os ensinamentos dos mestres são dedos apontados para a lua, setas que apontam para o silêncio do divino, mas a maioria fica discutindo os dedos.


140. Deus é silêncio, é o momento vivo, é a presença viva de seu coração. Deus é uma experiência individual. Quando Deus é visto dentro de si mesmo, e reconhecido em todos os lugares como a única presença que existe.




CÉU OU INFERNO?


141. A mente humana pode viver no paraíso ou no inferno. Estes lugares não existem fora da mente. O céu e o inferno estão em sua mente, e você os vive a cada segundo.


142. Deus, o Absoluto, a Inteligência Suprema, está além do paraíso ou do inferno. Céu e inferno podem ser experienciados pelo buscador espiritual. Mas Deus está além das polaridades céu e inferno, bom e mau, tristeza e alegria.


143. O silêncio da meditação está além das palavras e é absolutamente uma experiência individual. Não pode ser comunicada verbalmente. Portanto, a meditação é uma experiência única para cada pessoa.


144. Osho disse uma vez que “Os políticos sempre falam do coletivo. Eles estão sempre interessados em mudar a sociedade – porque, ao mudar a sociedade, ao fazer esforços para mudar a sociedade e a estrutura da sociedade e mais isso e mais aquilo, eles se tornam poderosos. A sociedade nunca foi mudada. Ela permanece a mesma – a mesma coisa corrompida. E ela permanecerá o mesmo, a menos que seja compreendido que toda consciência acontece no indivíduo. E, quando acontece, o indivíduo torna-se universal. Se acontecer a muitos indivíduos, então, a sociedade muda – mas não como uma coisa social, não coletivamente”.


145. Podemos ter uma comunidade de meditadores, mas cada meditador está conectado a Deus individualmente. Se existe uma comunidade, é para facilitar o processo de criar um clima para que a semente do silêncio e da paz brote em cada um.


146. Para esta Grande Síntese, a descoberta de Si mesmo é a descoberta de Deus vivendo este momento como Você. Dois lados de uma mesma moeda. Esta é a compreensão final.


147. Tem uma historinha que sempre adorei, para que compreendamos que o mal ou o demônio, ou a infelicidade, ou o sofrimento, é simplesmente a ausência de Deus.


148. “Um professor ateu desafiou seus alunos com esta pergunta:
- Deus fez tudo que existe?
Um estudante respondeu corajosamente:
- Sim, fez !
- Deus fez tudo, mesmo?
- Sim, professor - respondeu o jovem.
- O professor replicou:
- Se Deus fez todas as coisas, então Deus fez o Mal,pois o
Mal existe, e
considerando-se que nossas ações são um reflexo de nós
mesmos, então Deus é o Mal.
O estudante calou-se diante de tal resposta e o professor,
feliz, se
vangloriava de haver provado uma vez mais que a Fé era um
mito.
Outro estudante levantou sua mão e disse:
- Posso lhe fazer uma pergunta, professor?
- Sem dúvida - respondeu-lhe o professor.
O jovem ficou de pé e perguntou:
- Professor, o frio existe?
- Mas que pergunta é essa? Claro que existe, você por acaso
nunca sentiu
frio?
O rapaz respondeu:
- Na verdade, professor, o frio não existe. Segundo as leis
da Física, o que
consideramos frio, na realidade é ausência de calor. Todo
corpo ou objeto
pode ser estudado quando tem ou transmite energia, mas é o
calor e não o
frio que faz com que tal corpo tenha ou transmita energia. O
zero absoluto é ausência total e absoluta de calor, todos os
corpos ficam inertes, incapazes de reagir, mas o frio não
existe. Criamos esse termo para
descrever como nos sentimos quando nos falta o calor.
- E a escuridão, existe? - continuou o estudante.
O professor respondeu: - Mas é claro que sim.
O estudante respondeu:
- Novamente o senhor se engana, a escuridão tampouco existe.
A escuridão é, na verdade,  a ausência de luz. Podemos
estudar a luz, mas a escuridão não.
O prisma de Newton decompõe a luz branca nas várias cores de
que se compõe, com seus diferentes comprimentos de onda. A
escuridão não. Um simples raio de luz rasga as trevas e
ilumina a superfície que a luz toca. Como se faz para
determinar quão escuro está um determinado local do espaço?
Apenas com base na quantidade de luz presente nesse local,
não é mesmo? Escuridão é um termo que o homem criou para
descrever o que acontece quando não há luz presente.
Finalmente, o jovem estudante perguntou ao professor:
- Diga, professor, o Mal existe?
Ele respondeu:
- Claro que existe. Como eu disse no início da aula, vemos
roubos, crimes e
violência diariamente em todas as partes do mundo, essas
coisas são o Mal.
- Então o estudante respondeu:
- O Mal não existe, professor, ou ao menos não existe por si
só. O Mal é
simplesmente a ausência de Deus. É, como nos casos
anteriores, um termo que o homem criou para descrever essa
ausência de Deus.
Deus não criou o Mal. Não é como a Fé ou o Amor, que existem
como existe a Luz e o Calor.
O Mal resulta de que a humanidade não tenha Deus presente em
seus corações.
É como o frio que surge quando não há calor ou a escuridão
que acontece
quando não há luz.”

A vida não é um problema , mas um mistério. E a diferença entre mistério e problema é imensa, qualitativa. Em problema pode ser resolvido logicamente; um mistério não pode ser resolvido logicamente, nem de nenhum outro modo. Um mistério tem de ser vivido, aceito como ele é – não há meios de resolvê-lo. A vida é um mistério; ela é um mistério, porque ela é contraditória. E milhares de contradições existem, mas essas contradições lhe dão variedade, vastidão.  Osho




A DIVINDADE DO AGORA


149. O Si mesmo, seu Eu Real, nada tem a ver com seu ego, nada tem a ver com a imagem que você tem de você, ou que os outros tem de você. O Si mesmo é a sua essência divina sem imagem. É pura energia. Ela é encontrada aqui-agora,  em silêncio, e em clima de receptividade e entrega. O problema nunca é seu ego. O problema é sempre a não-realização de Deus como a única presença em todos os lugares e momentos.


150. As pessoas me perguntam se é possível que em pouco tempo obtenha-se esta realização. Mas não tem tempo para isso, se você quiser. Que tempo é preciso para chegar aqui agora? Quando olho para este momento, minhas palavras, meus pensamentos, os pássaros cantando, os carros passando, estão dentro dessa aqui-agora. E este aqui-agora é a essência do que sou. Não posso dizer que isso é meu e aquilo não é. Nada é preciso mais que este momento para o reconhecimento de sua natureza. Este momento é essencial para tudo no universo da criação. Apenas tenho que me dar conta de que tudo que ponho palavras é para conceituar um momento. Se o momento existe sem palavras, isto é a natureza essencial do momento. As palavras são acrescentadas sobre o momento. A vida não tem palavras. O amor não precisa de palavras. O momento não é uma palavra.


151. Quando você dá mais importância às palavras que ao momento, você perde a divindade do instante. A natureza do instante, do viver contínuo do movimento da vida, é simplesmente o que É. E ver a natureza do QUE É, impulsiona a mente para a não-mente. A mente se transforma em meio segundo em não-mente. E essa não-mente é divindade, é o sagrado, é o QUE É.


152. Nada existe mais simples que isso. Isso é Meditação. É não separar o mundano do sagrado, é perceber que o que separa é só um conceito, um pensamento na mente. O momento não é um conceito. O momento é o momento cheio de vida.


153. Se você pergunta ao um mestre zen o que é iluminação ou  meditação, ele diz: “ISTO”.


154. Nada há mais simples que relaxar no agora. Eckart Tolle é um outro professor espiritual que escreveu um lindo livro chamado “O Poder do Agora”. Em seus satsangs há apenas o reconhecimento DISTO. A cada momento, relaxar no momento sem palavras. E veja que se você deixa as palavras em segundo plano, como pano de fundo na vida, e traz para primeiro plano a vida, você notará uma coisa: sem palavras você não está separado do movimento da vida. ISTO É AQUILO!


155. O Poder do Agora é o poder da simplicidade. O Poder do Ego é o poder da complexidade. O mundo quer o complexo. A sabedoria vive o simples. O mundo quer desfazer o mistério com explicações. O sábio aceita o mistério e vive a poesia do desconhecido. Assim, o mistério se torna conhecido através do coração.


156. E a única maneira de resolver o mistério é pelo coração, já que a mente tenta resolver o mistério através dos argumentos e pelas palavras. Mas o que são palavras? Códigos inventados para comunicação. Apenas isso. A palavra amor não é amor. A palavra Deus não é Deus. Não tome o símbolo por real. O símbolo é apenas um símbolo, um código. O real está permitindo a existência do código, mas fica oculto quando o código é visto como realidade única.


157. Saia nas ruas de vez em quando para fazer um exercício. Caminhe e não rotule nada. Passe pelas pessoas e não diga “pessoas”. Ande pelas praças e não mentalize “praças”. Sinta o sol ou a chuva, e não pense “sol e chuva”. Simplesmente evite os rótulos da linguagem. Assim você logo cairá na linguagem do coração. A linguagem do coração é silenciosa como as nuvens, silenciosa como as praças, silenciosa como o sol e a chuva.


158. Leia mais poesia, se encante mais com a música, com a dança, com as belas paisagens. Chegue a cada momento mais perto da linguagem não-verbal da existência.

O poeta Fernando Pessoa, sob o heterônimo de Alberto Caieiro, diz assim:

“Eu não tenho filosofia: tenho sentidos...
   Se falo na Natureza não é porque saiba o que ela é.
   Mas porque a amo, e amo-a por isso,
   Porque quem ama nunca sabe o que ama
   Nem por que ama, nem o que é amar...”

“Metafísica? Que metafísica têm aquelas árvores?
   A de serem verdes e copadas e de terem ramos
   E a de dar fruto na sua hora, o que não nos faz pensar,
   A nós, que não sabemos dar por elas.
   Mas que melhor metafísica que a delas,
   Que é a de não saber para que vivem
   Nem saber que o não sabem?”



*



Em nossas vidas há momentos de alegria e de sofrimento. Se conseguirmos entender que sempre haverá bons e maus, poderemos gradualmente a não o esperar somente bons momentos, e nem a detestar os maus.

Daisaku Ikeda























Consciência Desperta é
ACEITAÇÃO CONSCIENTE



“Nada pode atingi-lo. Você é intocado. A mente deve chegar ao ponto de uma compreensão completa da ilusão. Ali jaz o seu estado. Nada permanece para quem compreendeu. Não há mais perda ou ganho. Não pergunte se você pode atingir a Realidade, porque você é a Realidade, então por que dizer: “Será que eu posso?” Primeiro saia do círculo. Largue tudo, uma coisa após outra, e entre fundo em seu Ser. Depois volte e esteja em tudo.”

Ranjit Maharaj






159. A meditação é um processo de se tornar uma testemunha dos pensamentos. Se os pensamentos vêm e vão, eles não podem ser você. Eu não posso ser algo que vem e vai. Quem percebe que algo vem e vai? EU. Então Eu sou algo anterior ao que vem e vai. Para notar que algo vem e vai alguma coisa precisa estar observando, não é mesmo? Assim como há intervalos entre duas notas musicais, entre dois pensamentos é o espaço silencioso da consciência que existe.


160. Os sábios dizem: Apenas permaneça quieto e silencioso, observando o corpo e a mente fazerem e pensarem. Observe sem julgamentos. Esta é a forma mais madura de meditação.


161. Pura observação do que é a cada momento, sem julgamento. Aprenda a reconhecer que você é uma consciência por trás do corpo e da mente e permaneça uma testemunha dos processos do organismo. Osho disse: “A mente é uma fazedora. Observe sua própria mente e você compreenderá. O que estou dizendo não é uma declaração filosófica, é simplesmente um fato. Não estou propondo nenhuma teoria para você acreditar ou desacreditar, mas alguma coisa que você pode observar em seu próprio ser. E você verá isto, sempre que está só, imediatamente começas a procurar: alguma coisa tem que ser feita, você tem que ir a algum lugar, você tem que ver alguém. Você não consegue estar só. Você não consegue ser um não-fazedor.”



162. Seus pensamentos acontecem a você. Mas não são o que você É. Eu tenho pensamentos, mas não sou os pensamentos. Observar os pensamentos é saber que você está além deles e que todo seu poder está em ser você mesmo e não seus pensamentos! Esta descoberta é muito importante! Eu tenho um livro, mas não sou um livro. Eu tenho um nariz, mas não sou meu nariz. Eu tenho uma mente (pensamentos), mas posso observar eles quando fecho os olhos. Eu sou consciência e os pensamentos são vistos por mim, visto pelo EU que eu sou. Este EU que eu sou na sua pureza, é simplesmente silêncio e paz.


163. Se eu posso observar meus pensamentos, eu não sou aquilo que eu observo, EU SOU aquilo que observa.


164. EU SOU PURA PERCEPÇÃO.


165. Muitas tradições religiosas chamam este EU SOU de centelha divina. Não é possível descrever este Eu. Este Eu Real não é o mesmo eu da personalidade que você usa no mundo. Este Eu está além das palavras, dos sentimentos e dos pensamentos.


166. Este EU SOU é sua pureza neste exato instante. EU SOU está sempre aqui-agora, não-contaminado pelo passado. É a presença de Deus nesse exato instante. Enquanto sua mente é sua consciência pequena e pessoal, seu nome, sua história de vida, seu Ser de verdade é consciência infinita, que é a essência de tudo. Outra palavra para isso: Deus.


167. Existencialmente falando, não existe nem passado e nem futuro. Não há como viver no futuro. Não há como viver o passado nesse momento, nem mesmo que você pense. Os psicólogos dizem que mesmo que você pense no passado você está mudando, maquiando aquele momento. Não aconteceu bem assim como você está recordando. Você recorda de uma outra maneira, que foi diferente de quando você estava de corpo presente àquele momento. Então, mesmo que pense, você nunca pode reviver o passado. Tudo é presente. Tudo é Agora.


168. Jesus dizia: “Não esperem pelo dia de amanhã”.
Buda dizia: “Permaneçam alertas e atentos ao momento presente”.

Você não pode viver o futuro – a não ser em sua imaginação nesse momento.
Você não pode viver o passado – a não ser na sua memória.
O momento Agora já está aqui e contém tudo isso.
A natureza básica da vida não precisa ser criada por você, nem entendida por você. Está aqui, nesse momento. Já está disponível. Mas seu coração tem de estar aberto para sentir!


169. Não pense que este caminho é um caminho de entender algo.
É um caminho de ver e aprender a sentir.


170. Ver é compreender num nível intuitivo.
Sentir é estar presente e aberto à vida que acontece à nossa volta.


171. Para ver, você precisa apenas estar disponível a este momento como ele É.


172. Você não precisa de tempo para viver aqui-agora.
Mas você precisa de tempo para recordar ou imaginar.


173. Deus já está criando o AGORA, que é tudo que nós precisamos.



AUTOCONHECIMENTO


174. Este momento AGORA é a pérola. Podemos mudar nossas vidas apenas por notar que não precisamos ser escravos do nosso passado ou do futuro. Podemos desfazer crenças inúteis. Podemos usar a criatividade para abrir novas possibilidades de vida e amizade com tudo que nos cerca.


175. Meditação é um ensinamento prático, amoroso e investigativo.
A prática você pode fazer sozinho ou em grupo. Mas para a investigação (Jnana Yoga) é preciso um professor espiritual que já tenha feito o caminho por si mesmo e possa lhe ajudar.


176. É a investigação de “quem é você em essência” que aumentará a profundidade de sua prática silenciosa. A maioria das pessoas que inicia a praticar técnicas de meditação sozinha acaba desistindo, porque fica faltando a investigação profunda. Sozinha, ela fica a mercê de sua mente, e facilmente torna-se presa fácil do ego, do controle, da manipulação e do orgulho.


177. Os livros também podem dar uma sede inicial, mas não podem aprofundar a investigação em você, porque a investigação de sua mente é algo individual e único. Não há ninguém igual a você. E os livros são generalistas.


178. Se você quer conhecer sua essência espiritual é necessário observar primeiro seus pensamentos, sentimentos, crenças, idéias de como está vivendo sua vida, o que pensa de sua existência, o que é importante para você, o que é prioridade... Descobrirá assim o que o está colocando inevitavelmente em sofrimento.


179. A mente é seu mundo privado. Se você vive identificado com o que pensa continuamente, então fica escravo de um mundo muito pequeno, um mundo de conceitos, de certo ou errado, de feio ou de bonito, de certezas e lógicas, de razões e emoções – e tudo isso vem dos outros!


180. A mente é um mundo privado que a consciência (essência espiritual) se identifica no seu processo natural de esquecer de si mesma para viver num corpo humano. Meditação é perceber que você já está livre, porque nesse momento você não é a mente nem o corpo, apenas pensa e se identifica ilusoriamente por causa da hipnose divina de viver nesta terceira dimensão.


181. A Meditação te convida à observação dos seus fazeres e pensares. Ela acorda o observador impessoal em você. Observar o seu fazer sem julgamentos lhe dará uma perspectiva diferente.  Perceber, notar, vigiar sem julgar o seu fazer ou pensar é o início da meditação.


182. Quando você está grudado com seu rosto em um espelho, você não pode vê-lo. Mas no momento em que for distanciando seu rosto, poderá começar a ver sua imagem. A sua face aparece na medida em que você se distancia.


183. É conhecendo seus pensamentos que você irá notar como esteve criando sua vida. É percebendo a essência desses pensamentos que você perceberá que eles se constituem no pilar básico de seu sofrimento. Este trabalho interior lhe dará o caminho certo para começar a se tornar responsável por suas escolhas.


184. Então verá claramente que suas crenças positivas ou negativas sobre a vida criam sua realidade. É isso que Buda estava dizendo quando falava que nossos pensamentos criam nossa vida.
Examine o que você está acreditando.


185. Olhe com carinho para suas ideologias, opiniões, crenças, condicionamentos. E faça o exercício inicial de viver pelo menos 1 minuto do dia sem opiniões, ideologias, crenças e idéias de certo ou errado, de bom ou de mau. Vivendo como uma criança inocente por alguns segundos lhe dará o frescor do seu ser real.


186. O silêncio da mente é o convite da graça.
Um coração silencioso recebe Deus como graça.
Lembre da criança que habita você.
Abra os braços e convide a vida do jeito que ela vem.


187. Aceitação é a chave - o início, o meio, e o fim. A compreensão da vida Como ela É nos dá de presente uma aceitação amorosa de que tudo que está acontecendo agora É parte de um mistério profundo que chamamos Vida. A aceitação desse mistério pelo coração é o que chamamos FÉ.


188. Nada há de negativo na vida. O mal é ignorância. O bem é sabedoria. Se a Inteligência Divina quisesse que tudo desse sempre certo, nunca teria feito seres humanos como nós. E se essa Inteligência Divina nos julgasse pelos nossos erros, seria totalmente sem sentido: cria seres imperfeitos e depois julga porque eles erram!!! Ora, páre de se julgar. É só você fazendo isso consigo mesmo! Comece a se perdoar e vá em frente. Abandone o passado e corrija o que for possível. Relaxe, Deus não se importa com seus erros. Não se culpe, apenas aprenda! Viva no presente. Viva daqui pra frente. Viva sem peso. Ame-se.





GRATIDÃO


189. Para desenvolver gratidão você não precisa esperar pelo tempo. Você está vivo, e quantas coisas estão acontecendo para você! Apenas note que inúmeras pessoas amam você do jeito que você É, e a vida quer você do jeito que você É. Aceite suas imperfeições e seja grato à vida por essa oportunidade. Respire fundo e sorria!





“Aprenda a aceitar a vida como ela vem.
Quando algo acontecer, aceite; quando desaparecer, aceite.
Quando o prazer vier, aceite-o; quando ele se for, aceite.
Permaneça sem julgar,
simplesmente uma testemunha silenciosa de tudo.
Este é o segredo mais profundo de todos os budas,
 de todos os acordados.”

Osho





CORPO INTERIOR


190. Muitas pessoas me perguntam sobre a melhor forma de ficar no Agora. Uma das mais simples e eficazes maneiras que conheço para começar é simplesmente sentir seu corpo por dentro, como se quisesse sentir a energia dele.


191. Sempre que puder, sinta o seu corpo interior, uma pulsação interior de vida, como se você estivesse olhando para dentro do seu corpo e sentindo o que está acontecendo lá. Aprenda a sentir essa pulsação.


192. Sente-se confortavelmente com a coluna reta e feche delicadamente os olhos. Então respire algumas vezes profundamente, inspirando pelo nariz e soltando pela boca. Quando estiver bem mais tranqüilo, volte a sua respiração normal e observe essa pulsação dentro do seu corpo. Você precisa ficar sensível para escutar seu corpo interior. Esta meditação é simples e poderosa. Sentir a energia interior pode ser algo muito belo de se observar. Respire e sinta seu corpo interior. Assim você acorda sua presença de vida mais e mais.
E com o tempo você poderá fazer isso em qualquer lugar, até de olhos abertos, em qualquer atividade.


193. Acordar sua sensibilidade para o corpo interior é despertar sua Presença.


194. Porque você não percebe sua Presença? Uma das razões é que você está por demais ocupado com seus pensamentos.


195. Sinta seu corpo interior.
Faça esta lembrança e observação sempre que puder, sempre que lembrar. Apenas sinta. Não há necessidade de julgar ou avaliar. Sinta sua energia pura.


196. Preenchimento no futuro nunca é possível, porque o futuro, assim como o ego, é um produto do pensamento. E no pensamento não tem amor. O pensamento é filho da mente racional. O coração é filho do amor. E eles não se encontram.


197. O futuro não existe agora, a não ser em nossos pensamentos, em nossa imaginação. E quando você estiver no futuro, o futuro será como agora: totalmente presente!. Nenhum homem viveu no futuro!!! A única possibilidade é viver agora! Seu corpo interior está sempre no Agora.


198. Seu corpo interior e Deus são a mesma energia.




ESCOLHAS PRECIOSAS


199. Quando você começa a se tornar consciente de como você está escolhendo e vivendo sua vida, muitas coisas começam a mudar. Inconscientemente, quase como uma máquina programada, estamos correndo daqui até ali, pensando, imaginando, pensando, imaginando, pensando, imaginando, pensando, imaginando... Estamos correndo daqui para ali sem saber por que estamos correndo. Se você reparar, notará que muitas vezes está caminhando depressa, mesmo em momentos que não precisaria de passos apresados. O vício do piloto automático leva seu corpo. Você caminha inconsciente de que está caminhando com pressa, num momento em que poderia curtir uma boa caminhada relaxada e gostosa. Com a meditação, começamos a notar esses mecanismos inconscientes. Então, quando nos “pegamos” na pressa, simplesmente notamos o mecanismo e escolhemos diminuir o passo. Usamos simplesmente a nossa inteligência e diminuímos o passo, ao mesmo tempo em que respiramos fundo e relaxamos o nosso corpo.


200. O livre arbítrio não existe para o homem que vive com sua mente no piloto automático. E a razão é que ele está sob o império de desejos inconscientes, provocando ações que ele mesmo nem sabe por que tem vontade e faz. Uma pessoa uma vez me disse que tudo que pensava fazer na vida, no final, fazia ao contrário. Por quê? Se você tem livre arbítrio então deveria fazer o que deseja, não é mesmo? Mas a verdade é que a maioria das pessoas é guiada por seus condicionamentos genéticos e educacionais. Continuamos com aquela criança emocional ferida dentro de nós mesmos. E nos tornamos crianças cada vez que o mundo não satisfaz nossos desejos. Perceber o mecanismo automático é uma grande transformação!


201. Você só pode realmente crescer quando notar e ver como está se comportando agora, a cada momento. Isto lhe dará consciência das emoções, dos pensamentos, e das ações que acontecem através de você.


202. Com esta consciência expandindo, tudo mudará. Então você terá momentos em que espontaneamente se dará conta de porque faz certas coisas e de que forma reage com as pessoas e porque atrai certos acontecimentos. Você tinha uma idéia de que agir de uma tal maneira era simplesmente algo do seu temperamento. Mas não é verdade. Agir de assim é um condicionamento aprendido e construído através de nossa vida, e principalmente consolidado nos primeiros anos de infância, e alguns deles só precisam de um pouco de consciência para serem mudados.


203. Uma vez eu estava fazendo um trabalho de gravação de músicas com amigos, quando percebi uma coisa muito profunda. Nos anos de escola, eu me sentia bastante rejeitado por alguns colegas, e me colocava sempre na posição defensiva, como se todos quisessem me trapacear, como se estivessem esperando o momento certo para me enganar. Senti a presença dessa mesma emoção junto com meus amigos naquele dia. Exatamente no mesmo momento pude verificar que uma emoção antiga, que estava guardada no meu inconsciente, estava tentando me sabotar. Eu já estava começando a ver o ambiente com meus amigos de um modo desconfiado. Toda a minha mente já começava a entrar em estado de contração e tensão, sentindo-se desconfortável. Quando percebi a ilusão que minha mente queria me colocar, dei-me conta e saí daquilo como um salto. Este percebimento foi o ponto principal para que o sentimento pudesse ser visto como irreal e ilusório. E perceber que mente estava criando uma fantasia dentro da realidade daquele momento. E uma paz voltou a reinar em meu coração ao perceber que minha consciência pôde me trazer de volta ao presente.


204. Você pode perceber quantos momentos em sua vida você fantasia coisas que não existem e acaba reagindo negativamente a essas coisas simplesmente porque sua emoção se envolve? O que aconteceu? Você apenas está sendo pego por uma emoção do passado que ficou guardada e impressa nas células do corpo. E se está impressa, de vez em quando, em determinadas situações semelhantes, tende a voltar.


205. O interessante é que a meditação nos ajuda exatamente nesse ponto. Nossas reações ficam mais claras à luz do momento. Quando a raiva acontece, ela é percebida. Quando o temor acontece, é percebido. Quando tristeza acontece, é notada no momento. Muitas vezes, apenas por perceber e retornar a atenção ao corpo interior, muitas coisas são resolvidas. Outras vezes o sentimento ou emoção permanece tempo suficiente até se curar. Devemos ficar felizes por poder cuidar de nossas emoções e não mais guarda-las no porão de nosso inconsciente, onde com o tempo poderá gerar doenças e perda energética.


206. Observe amorosamente as reações espontâneas do corpo. O corpo reage de acordo com o condicionamento e programação que tiveram no passado. Você pode observar o corpo reagindo e não se identificar com as reações.


207. QUEM É VOCÊ? As reações, ou aquilo que observa as reações? Você é o passado ou inteligência presente que observa seu cérebro reagindo a um evento passado? Perceba e dê-se sempre conta. Cada vez que se perceber indo por uma estrada ruim, páre. E perceba se mesmo assim for irresistível ir por esta estrada. É simplesmente um aprendizado de hábitos velhos e arraigados. Fique alerta e faça tudo o que pode fazer. Permaneça no presente e mais atento e tudo que fizer terá o fogo da sua atenção. E isso é pura meditação.





208. O caminho da Meditação se compôs de duas vias entrelaçadas:

1. Auto-investigação: o conhecimento libertador
2. Prática Espiritual: exercícios para o corpo/mente




209. A primeira via vem a expor como os mestres ensinam sobre a mente humana, como podemos evitar sofrimento desnecessário, as leis que regem a vida, para desse modo nos tornar mais conscientes de que o estado meditativo pode acontecer em qualquer lugar em nossas vidas diárias. A segunda, a via da prática espiritual, consiste de exercícios e métodos para a mente e o corpo se tornarem mais sensíveis e aptos a estudar a si mesmos e compreenderem como estão se relacionando coma vida a cada momento.




OS MILAGRES DE VIVER QUEM VOCÊ É


210. Aos poucos, com a continuidade da prática espiritual e da auto-investigação, atitudes que nem eram notadas passam a ser vistas – porque estamos aumentando a nossa percepção de como pensamos, sentimos e agimos no momento presente.


211. Presença vai surgindo na sua percepção de você mesmo. Uma presença que é maior que sua mente, que seus pensamentos. Uma presença que envolve sua mente, que envolve seu corpo. É a presença de sua essência espiritual te envolvendo e dando suporte ao seu corpo e sua mente.


212. Você começa a perceber que nunca esteve sozinho. Começa a notar que esta presença sempre esteve ali, mas não podia ser notada por uma mente que não está aqui-agora...


213. Deus mora no aqui-agora. Onde ele poderia morar se só existe aqui-agora? Deus é sua essência mais profunda. Dentro de sua mente mora um templo sagrado que pode ser descoberto todo instante por você.


214. É como o oceano. Na superfície pode haver ondas, barulhos,  pessoas com jet-skis, lanchas, navios que largam óleo... Mas na medida em que vai descendo ao fundo, esta profundidade do oceano revela um novo panorama. O fundo do oceano é puro silêncio e paz.


215. O fundo de sua mente é paz, calmaria, relaxamento.
A superfície é turbulenta, cheia de pensamentos desconexos e confusos que vem e vão sem o seu controle.


216. A mente da superfície é a mente comum. Esta mente tem pensamentos que parecem macaquinhos. Estão sempre pulando de galho em galho, um pensamento a outro, sem cessar. A mente da superfície é a mente do Ego. Ela nunca está em paz. Está sempre preocupada com a imagem, no que os outros vão pensar de mim, no que os outros estão pensando de mim, no meu fracasso, no meu sucesso, no meu, no meu...


217. A mente da superfície (mente do Ego) está sempre vivendo em caos consigo mesma. Por outro lado, a mente profunda é a mente em paz, ou o que os mestres Zen denominam de não-mente.


218. Depois de experienciar a não-mente muitas e muitas vezes, o meditador começa a levar este perfume de paz para a superfície, nas suas tarefas diárias. Com o tempo, mente da superfície e mente profunda vão se tornando uma coisa só e única. Esta é a completa integração. Então você vive com um corpo, mas sabe que é mais que um corpo. Vive com uma mente e um ego, mas sabe que não é apenas mente ou ego. Ele deixa de acreditar na imagem que faz ou fez de si mesmo.








219. No momento em que você deixa de acreditar que a imagem que você faz de si mesmo é a única verdade, e que você se dá conta de que a imagem que os outros fazem de você também não descreve realmente o que você é de verdade (apenas opiniões e percepções deles), então você começa a se sentir livre para ser o que você É sem se preocupar.





220. Essa liberdade (da não-mente) não tem tamanho.







A CORAGEM PARA SER VOCÊ MESMO


221. É nesse momento que você começa a ter coragem de ser você mesmo, e que inicia a sentir o seu propósito de vida. Antes disso você vivia sem um propósito interior, vagando daqui para ali, sem foco, sem clareza. Agora você percebe intuitivamente o sentido da vida.


222. A Energia Pura da Vida é perfeita em seu plano de expanção. Tudo aquilo de bom que nasce dentro da gente nos impulsiona a compartilhar. Você quer dar o que tem. O compartilhar é um dom divino para que a semente da experiência, da sabedoria, da luz, seja disseminada e acolhida pelo maior número de pessoas.


223. Pessoas infelizes compartilham infelicidade.
Pessoas felizes compartilham felicidade.


224. As pessoas infelizes destroem a si mesmas e tudo a sua volta. Note que quando você está infeliz, um sentimento destrutivo nasce em algum lugar em sua mente. Ou você começa a destruir a si mesmo, com pensamentos negativos, com culpa, ansiedade, baixa-estima, ou começa a destruir fora de você, com violência aos outros, aspereza, impondo suas vontades, precisando criticar, julgar, diminuir o outro para poder “subir” um pouco sua auto-imagem (Ego).


225. A busca de uma pessoa infeliz é querer superioridade sobre os outros. Aquele que é feliz não se preocupa em ser superior, porque ela não se sente inferior nem superior a ninguém. Ela sabe que não há como comparar dois seres humanos. Mas uma pessoa infeliz (justamente por sentir-se fraca) precisa se parecer forte para si mesmo e para os outros. Então uma de suas estratégias é rebaixar os outros. Diminuindo os outros ela pode imaginar estar “maior” que eles. Mas como tudo isso não passa de um jogo mental e uma fantasia, não dura muito. E logo ela terá que refazer tudo de novo com novas estratégias. Esse jogo do ego de tentar sem cessar parecer forte e perfeito gera um stress enorme a todos nós. Uma pessoa assim jamais está em paz porque não se aceita como É.


226. Deus não te julga. Não dê a Deus qualidades humanas. Julgamentos fazem parte dos homens, da cultura, dos conceitos morais humanos. Mas como Deus pode julgar se está além do pensamento, além do bem e do mal, do certo e do errado? Examine sua mente. É ela que julga.


226. Quando pela meditação e auto-investigação você percebe quem está julgando, tem um momento que você cai na gargalhada. Nesse momento cai uma ficha. Você percebe que o jogo é seu, que você o esteve jogando contra si mesmo. E se o jogo é seu você pode escolher parar a hora que quiser. Você pode mudar as regras. Você começa a acordar...


228. Acordar é perceber os jogos que fazemos contra nós mesmos. Ou seja, quando você está envolvido com seus pensamentos confusos, a Presença fica oculta. Quando você percebe que existe sempre como observador e testemunha dos pensamentos, então uma mudança de percepção acontece. Os pensamentos perdem a força sobre você. Então o segredo é: Volte sempre seu foco de atenção para seu corpo interior e perceba que o momento é puro em si mesmo.


229. Acordar espiritualmente é libertar-se da prisão dos pensamentos.




230. Somos canais por onde Deus vive as suas múltiplas manifestações. Somos instrumentos da vida, não os autores. Somos os instrumentos de cada ação e pensamento, mas o autor de cada ação e pensamento é Vida, Consciência ou Deus.









Aos poucos você mergulha cada vez mais no além, torna-se luminoso, extático, conhece a bênção, a beatitude. Agora não há mais trabalho; você começa a cantar, dançar e a gozar. Os dias de sadhana terminaram, você não tem mais nada a realizar. Deus tomou posse de seu coração, agora é com ele. Você pode confiar e deixar tudo com ele. Pode relaxar-se totalmente. É isso o que significa deixar acontecer. Não é que a jornada tenha terminado, mas o viajante desapareceu. Agora não existe mais a pessoa que viaja, mas a viagem continua...E agora há uma beleza, pois não há esforço.

Osho

                                                

O homem que quer realmente se tornar um não-fazedor, começa agindo como um veículo do divino, do todo. A ação continua, mas o ator desaparece. Este é o significado do não-fazer. Você vive a mesma vida, mas agora você tem uma qualidade totalmente diferente, ela tem um sabor diferente.
          
Osho







231. Por que é tão difícil encontrar esta felicidade que todos buscam? Porque ela está distante? Exatamente o contrário é a verdade: ela está muito perto, tão perto que não pode ser vista com os olhos. Tão perto que fazemos vista grossa. É como se estivéssemos procurando nossos óculos e eles tivessem o tempo inteiro em nossos narizes. Procuramos sem cessar por todo lugar, para enfim, nos darmos conta de que estamos já com eles.


232. A felicidade existe da mesma forma. Ela é parte da nossa natureza essencial, portanto, está o tempo inteiro em nós mesmos. Mas porque não estamos conscientes disso? Porque de alguma forma nos hipnotizamos em acreditar que ela está distante. Ninguém nos diz jamais que a felicidade está ao nosso alcance agora. Assim, acreditamos que “um dia” a encontraremos. Mas este dia nunca chega. Se você continuar adiando, este adiamento faz parte da programação hipnótica de não achar paz nenhuma.


233. Não há futuro de verdade. Toda a imaginação está acontecendo agora mesmo. Quando penso no futuro sei que é minha mente que está pensando no futuro. Meu corpo não sai do aqui-agora. Portanto, o futuro está aqui agora. E quando penso no passado, sei que minha memória não está no passado. Minha memória opera no presente. Logo, meu passado também está aqui-agora.


234. Esta paz de espírito é a raiz fundamental de nosso ser. Sem esta paz, nosso corpo e nossa mente não funcionam. É por isso que tantas doenças têm aparecido nos nossos tempos. São doenças que surgem no corpo e na mente pela falta de paz. Quanto mais distante da paz do espírito, mais a freqüência da mente e do corpo adquire vibrações desgovernadas.


235. Tudo que existe está em movimento e se move em vibrações. Nosso corpo e nossa mente são vibrações. Pensamos que nossos corpos são sólidos, mas se estudarmos a fundo nos daremos conta de que nossos corpos são energia em movimento, vibrações se movendo em tamanha velocidade que nossos olhos não podem captar as mudanças contínuas. Percebemos a cada ano que envelhecemos, mas não percebemos isto dia a dia. Há uma ilusão de que somos seres fixos e sólidos, enquanto que na verdade somos vibrações em constante mudança o tempo inteiro. Onde está o nosso corpo de criança? Onde está nosso corpo de adolescente? Nós mudamos o tempo inteiro e mal nos percebemos que nossas mentes, que nossos pensamentos e sentimentos também são mutantes e se constituem basicamente de “vibrações”.


236. A mente é um campo de vibrações um pouco mais elevada e sutil que o corpo. É por esta razão que a mente não é vista. O corpo é possível de ser tocado, apalpado, reconhecido solidamente. Mas a mente nós conhecemos apenas pelos seus efeitos, não é mesmo? Algum dia você viu a sua mente? Você tem experiência de ter pensamentos, mas não sabe muito bem o que um pensamento é, não é mesmo? Um pensamento é um campo vibracional. A freqüência do campo de vibrações de um pensamento é mais elevada que o campo das moléculas do corpo, e assim, chamamos o corpo e material, e a mente de espiritual. Mas a mente não é espiritual. A mente é vibração sutil. Mais alta, sim, mas também vibração. A mente não é a essência espiritual que sou. O que sou não é uma vibração. O que sou é uma consciência que percebe vibrações. Esta é uma grande diferença!


237. Há um pouco de confusão por parte de muitos espiritualistas em relação à mente. Hoje em dia dá-se muita atenção ao poder da mente, ao poder do pensamento, chamando isso de espiritualidade. Mas espiritualidade está acima do nível da mente. A mente é ainda matéria sutil, ainda parte do mundo, parte dos desejos, parte de samsara (a roda a vida e da morte). Os mestres iluminados deixam bem claro nos seus ensinamentos: para sair do ciclo vicioso da vida e da morte, da cadeia incessante de sofrimento sem fim, é preciso conhecer uma dimensão que está além do pensamento e da emoção, um espaço de silêncio na subjetividade do ser, no centro da sua alma.






O EGO NÃO É A ESSÊNCIA ESPIRITUAL QUE EU SOU


238. A mente é o instrumento humano de perceber e pensar o mundo. Mas como já se diz, se ela é SUA mente, você e a mente são duas coisas não é mesmo? Você é consciência. A mente é um instrumento da consciência. Se eu digo que este é o meu casaco, uma coisa é certa: de um lado estou eu, de outro, o casaco. O casaco é um objeto para mim. Eu sou o sujeito, porque tenho consciência do casaco.


239. A mente está comigo, mas não sou Eu. Ela é como um computador. Eu estou atrás. Ela é como um carro – eu sou o motorista. Se me perco no computador, seria o mesmo que dizer que o programador se viciou nos programas e esqueceu de si mesmo. Vemos hoje em dia aquelas pessoas que passam o dia inteiro na internet, e podemos usá-las como exemplo. Elas e o computador não são mais duas coisas. O computador e elas formam uma só entidade, tamanho o hábito e o envolvimento. Pois a mente é um computador, e quanto mais envolvido você estiver com ela, mais programas do passado você repetirá, e ficará inconsciente do momento presente e das novas escolhas melhores que pode fazer.


240. Eu não sou pensamentos porque posso observar os pensamentos, posso ter uma experiência dos pensamentos. Quem experiência? Eu. Quem sou eu? Eu sou uma percepção que está por trás dos pensamentos. Eu sou um observador.


241. Se eu fecho os olhos posso perceber que há pensamentos. Quem percebe? Eu. Quem é este eu que percebe? Compreende a pergunta? Este EU que percebe só pode ser um ponto de consciência sem tempo e sem espaço, um ponto de luz no infinito que dá a possibilidade de o cérebro criar consciência dele mesmo.


242. Este Eu é um ponto de luz de eterna paz. Este Eu verdadeiro não é o ego. Este Eu Real é simplesmente uma atenção consciente. Esta atenção consciente está atenta sempre. E isto é você!


243. Quando confundimos o Eu Real (essência-consciência sempre presente) com o ego (auto-imagem positiva ou negativa da personalidade), nós perdemos a nossa verdadeira identidade e naturalidade e criamos máscaras para esconder uma idéia errônea que temos de nós mesmos. Primeiro temos uma idéia negativa de nós mesmos. Exemplo: Eu sou fraco. Então usamos máscaras para esconder o “fraco” ou o que quer que seja que não gostemos em nós mesmos. O resultado são duas máscaras, e as duas escondem o que você é em sua pureza infinita... uma consciência pura e infinita.


244. A primeira máscara é a idéia errônea que você é fraco ou burro. Esta idéia pode ter vindo da relação com seus pais, da relação com sua primeira professora, amigos, etc. A segunda idéia é a que você é bom. Remova as duas máscaras e você encontrará quem você é. A presença do que você é nunca pode ser um rótulo. A presença do que você é nunca pode ser uma limitação, uma conclusão, um conceito. Esta presença não é limitada pela forma ou pelos nomes. A atenção consciente que você é antes de pensar em ser alguma coisa lhe traz a pureza do momento e o silêncio deste instante.


245. Você, para si mesmo, é sempre uma presença pura e virgem.


246. Você, para os outros, será sempre a definição que os outros derem de você. Não importa como você queira que os outros te vejam, os outros apenas verão o que eles “podem” ver de você. Meu pai tem uma idéia de mim. Minha mãe tem uma outra idéia de mim. Mas nenhuma idéia que os outros tenham de mim será verdadeiramente Eu. E por quê? Por que eu não sou uma idéia. Eu não sou um rótulo. Eu posso mudar os rótulos, logo o rótulo não é algo que possa me definir. Nenhum rótulo pode definir uma pessoa. Ela pode ser má hoje e amanhã pode ser boa. Ela pode ser um marginal hoje, e amanhã crescer e amadurecer e conhecer a si mesmo. Nenhuma pessoa é algo fixo. Toda pessoa é um processo de mudança infinito.




247. O mundo é um espelho. O que você pensa que você é é o que foi programado em sua mente. É assim que você olhará e interpretará o mundo e as pessoas à sua volta. Se você for real, ou seja, se viver a partir da presença que você é, viverá em um mundo real. Se você for falso, se viver a partir dos rótulos do que você “pensa que é”, então viverá um mundo falso, um mundo de ilusão – e sofrerá.





248. Se você viver em paz dentro de si, a paz a sua volta reinará como uma canção suave. Mas se você não estiver em paz, o mundo parecerá um lugar sombrio e assustador, e apenas trevas e conflitos reinarão. A paz é algo interior. O mundo é uma escola, e ele é como deve ser. O que importa é como a paz reina em seu coração. A verdadeira paz ultrapassa tudo e não tem limites. O mundo não tem poder diante da paz do espírito. O reino dos céus não é um lugar geográfico. É a essência do seu interior, da sua subjetividade. O reino que Jesus falava situa-se no coração do homem, e por isso ele dizia que a paz não é deste mundo. Sim, a verdadeira paz não é afetada por este mundo. E a não ser que encontremos esta verdadeira paz, seremos escravos do mundo a nossa volta, e pensaremos erroneamente que o mundo deve estar em paz para podermos também estar. Nada mais ilusório. O mundo não precisa estar em paz. Este é o desafio. A aventura desafiante da vida é encontrar a paz dentro de si, apesar de todas as circunstâncias não estarem a favor. Não importa. Nosso mais profundo centro está sempre em paz. Nossa mais profunda essência carrega sem si a tocha da vida, a chama da luz eterna, e é a isso que estamos procurando sem saber, desde que nascemos.




QUEM É VOCÊ?


249. Conheces alguma coisa em você que não possa ser destruída, nem rebaixada, nem desmerecida por ninguém? É possível conhecer algo que não pode ser construído por você, não pode ser criado por você, e mesmo assim, seja o ALGO mais permanente de você que existe?


250. Se você se pergunta a si mesmo “QUEM SOU EU?” e responde alguma coisa como “Eu sou um cara legal” ou “Eu sou um idiota” ou “Eu sou brasileiro”, ou “Eu sou fulano de tal...” você acaba por limitar você a um rótulo específico, não é mesmo? Mas quantos rótulos passam por sua cabeça ao longo de sua vida?


251. A resposta para a pergunta QUEM É VOCÊ não pode vir de seu passado, não pode vir de sua memória, senão você estaria falando do que você foi.


252. Saber quem é você é saber diretamente.


253. Todos nós nos conhecemos indiretamente através dos outros e raramente nos damos conta disso.


254. É muito interessante sabermos que até então apenas nos conhecemos através dos outros. Este conhecimento que temos de nós mesmos na relação com as pessoas forma o que podemos chamar de EGO. Um dia alguém disse pra você que você era legal – você acreditou e isso ficou gravado em sua mente. Mas em outro momento disseram que você era um estúpido. E você também aceitou. Infinitas experiências, inúmeras imagens do que seja você estão flutuando em sua memória. O bom, o mau, o legal, o amigo, o iluminado, o demônio, o pai, o filho, o tarado, a ninfomaníaca, o artista, o médico, o melhor, o pior, o sucesso, o fracasso... São infinitas as imagens que recolhemos ao longo da vida. Cada imagem deverá construir um pouquinho daquilo que posso chamar de ego.


255. Meu ego é formado por imagens boas e ruins que vou colhendo na experiência de vida do meu organismo.


256. O ego é a primeira identidade que formamos.


257. Mas não podemos esquecer: a identidade do ego é formada pelos outros. Se não existissem os outros, eu não poderia me imaginar como um sucesso ou um fracasso. Perceba como você é um pouco de todas as pessoas que conheceu. A começar pelos seus pais, geneticamente inclusive. Seu corpo contém seus pais. Sua mente contém o que a cultura, as pessoas, o ambiente que você foi criado, sua educação, e tudo mais que foi vivido por você.


258. MAS QUEM É VOCÊ em essência? Quem é você sem estes rótulos? Quem é você neste momento, sem passado ou futuro? Neste momento? Antes de pensar, antes de julgar de isso ou aquilo, quem é você? Se não existisse ninguém para se comparar, quem é você? Quem é você neste meio segundo em que nem dá tempo para pensar? Quem é você quando esqueces o passado e o futuro e não pensa no agora?


259. Existe algo que permanece o tempo inteiro conosco: uma atenção, uma qualidade de atenção, de consciência. Posso não pensar em nada agora enquanto olho para uma flor, mas existe uma atenção, uma consciência que percebe flor.





MENTE INFERIOR E MENTE SUPERIOR


260. Na filosofia do Yoga, a título de compreensão, os mestres dividem a mente em duas partes: a mente intelectual e a mental. Qual a diferença? A mente intelectual reúne informações, trabalhando basicamente com a memória, enquanto que a outra parte tem o poder de discriminar o certo do errado e de pensar claramente, com lucidez. Poderíamos dar o nome de mente inferior e mente superior. Quando uma pessoa desperta a mente superior pela meditação, a sua clareza responde prontamente o que ela precisa para compreender a cada momento na vida. A impulsividade é resultante da mente inferior/intelectual, enquanto que a lucidez é fruto da consciência presente, ou mente superior/discriminativa.


261. Enquanto que a mente inferior se baseia no passado, nas experiências que teve, a mente superior possui inteligência intrínseca para “ver” no presente e escolher o melhor a cada momento. Esta é a mente que possui a VISÃO ILUMINADA.




O QUE É ENVOLVIMENTO?


262. O envolvimento acontece quando não há luz na mente, e desse modo as faculdades discriminativas sofrem e a pessoa não consegue assimilar os acontecimento da vida com clareza e confusão mental é o fator decorrente.


263. No momento presente você é simplesmente presença consciente, mas seu organismo corpo/mente está sem luz é decorrência natural se envolver com o computador-pensante que está programado com inúmeras crenças e condicionamentos negativos. Essas crenças são programas mentais que foram aprendidos socialmente, através de nossos pais, professores, livros, e muitas delas ainda geneticamente programadas. Isso significa que estamos programados a pensar de “certo modo”. Significa também que estamos programados para agir de determinadas formas sem mesmo pensar ou refletir, pois estamos inconscientemente baseados na programação cerebral.


264. Ou seja, nós pensamos que temos livre arbítrio, mas na verdade estamos reagindo o tempo inteiro diante dos estímulos externos. Uma coisa é agir, outra é reagir. Agir vem de sua consciência no presente. Reagir vem de sua mente instintiva que repete uma ação do passado sem ao menos perceber a repetição. Se alguém incomoda você, imediatamente aparece o “animal” que entra em erupção e surge uma raiva da outra pessoa. É natural. A programação do corpo é feita desse estímulo-resposta.


265. O que faz a meditação? Diminui a reação estímulo resposta e lhe dá um tempo/espaço para a consciência escolher uma nova resposta que seja mais adequada para este instante, estimulando e trazendo luz à mente para que esta possa agir com mais inteligência e discriminação.


266. Quando você começa a meditar, isso significa que você começa a ampliar e a expandir a noção de quem você é. Afinal, você não é a programação de sua mente. Você é sempre muito mais que isso. Você é sempre muito mais do que fez no passado. É sempre possível novas escolhas melhores do que as que tem feito. Mas como fazer essas novas escolhas? Bem, essas novas escolhas serão feitas quando você perceber que não é a programação, mas sim a percepção da programação, a própria inteligência por trás da programação. Você é aquele que percebe que está programado. Você é a consciência de que está programado e não a mente programada.


267. Neste momento, se você está consciente dos pensamentos em sua mente, você não é os pensamentos. Os pensamentos mudam, mas esta consciência de que eles estão mudando não muda! Este é o ponto chave da compreensão.


268. Você não precisa mudar seus pensamentos para se tornar livre e em paz, mas simplesmente perceber em meditação, a cada dia, a cada momento, que você pode fazer sempre novas escolhas que sejam mais elevadas e que sintonizem com a grandiosidade do que você é e do seu propósito mais profundo aqui na terra. E você faz naturalmente novas escolhas quando está menos identificado e envolvido com o passado. Ou seja, quanto mais energia no presente, mais inteligência da alma é recebida na mente, e desse modo a mente e o corpo se tornam maravilhosas ferramentas para a alma, para o Ser.




FALSAS CRENÇAS CRIAM FALSAS REALIDADES...


269. Uma parte da programação mental é construída por crenças sociais. Essas crenças geram pensamentos na mente que criam realidades que não sintonizam com a essência de paz que habita você no Agora. O medo e a ansiedade o tempo inteiro estão colocando a mente em xeque, e como você está identificado com sua mente, VOCÊ se sente em xeque. Quando você aprofunda este ensinamento, não é mais você que sofre! Há um distanciamento entre você e sua mente! Você aprende a observar a dor mental.


270. Você, como consciência e percepção, observa sofrimento.
Quem pensa é a mente. E Você observa a mente pensar!
Se o corpo sente dor, não é você que sente dor, mas o corpo – Você observa. Lembre-se: você é sempre o observador!


271. No início do treinamento o espaço entre você e a mente é muito pequeno. Mas com o aprofundamento do ensinamento e a prática constante da meditação, haverá cada vez mais um intervalo maior. Quanto mais você observa, mais claro fica o observador – e isto dá um sentimento de liberdade imensa.


272. Chega um dia em que se torna mais fácil não se envolver com a mente. Você percebe como a mente está sempre indo pelos mesmos caminhos errados, e então, você escolhe novos caminhos. Na verdade, quem passa a escolher é a presença de luz que você É, que então começa a ficar mais viva que seus pensamentos.


273. No início do trabalho em Si tendemos a pensar erroneamente que de uma hora para outra tudo se tornará perfeito e pacífico. Mas isto é porque temos que captar uma outra sutil faceta deste ensinamento: paciência e perseverança infinita.


274. Na verdade não há necessidade de nenhuma mudança enorme, mas apenas uma nova percepção a cada instante do que estou fazendo com minha vida. Digamos que estamos sentindo medo. A idéia natural que aprendemos é que precisamos nos livrar do medo. Mas onde está acontecendo o medo? Em mim ou na minha mente? Se eu digo que está acontecendo em mim, então me identifiquei com minha mente e meu corpo e terminarei por reforçar o padrão de medo. Mas eu não sou as vibrações, lembra? E meu corpo e mente são vibrações de energia. Eu sou a consciência das vibrações. Estou consciente das vibrações.


275. Esta percepção quebrará com o envolvimento para que eu possa notar e observar o medo sem julgamentos de “Eu estou com medo e preciso me livrar do medo”. Medo é observado. Se eu simplesmente observar o medo e respirar amorosamente no medo, esta vibração tende a desaparecer no seu devido tempo, porque o medo é uma vibração que possui uma duração no tempo, como todas as vibrações. Vibração é um fenômeno. Desse modo a mente fica clara para fazer perguntas inteligentes para si mesma, de modo a observar este medo por muitos aspectos e poder lidar com ele com habilidade.


276. Tudo que aparece para a nossa consciência é um fenômeno. Todo fenômeno aparece e desaparece. O arco-íris é um fenômeno. O trovão é um fenômeno. Nossos corpos, mesmo que pareçam sólidos são fenômenos que alguns anos e depois desaparecem. A natureza de um fenômeno é que ele tem uma duração no tempo. O mundo das vibrações é um mundo fenomênico.


277. O medo é um fenômeno. Tristeza é fenômeno. Ansiedade é fenômeno. Prazer é fenômeno. Tudo que está em uma relação de espaço e tempo é um fenômeno que aparece na consciência que você é. Esta consciência que você é, que percebe os fenômenos, não é um fenômeno – está aí e sempre esteve aí. O espírito não é um fenômeno. Espírito é consciência.


278. Desde que você nasceu esta consciência está aí. Seu corpo mudou, seus pensamentos mudaram, mas algo em você insiste em lhe dizer que você é o mesmo: isto é a consciência! Como a consciência não é um objeto, como ela não aparece visível aos olhos, você pensa que apenas o que aparece (seu corpo) é você. Mas o que aparece é apenas uma expressão de você como fenômeno. Você como consciência permanece por trás, observando, notando cada fenômeno aparecer e desaparecer.

279. Meditação é a arte de parar de se envolver com os fenômenos por conhecer realmente quem você é neste instante – Energia Pura no momento presente - o Eu Real. O silêncio da meditação revela uma dimensão de contentamento, paz e alegria. A mente e o corpo são abastecidos de energia abundante quando você não está envolvido nas atividades corporais e mentais.


280. Meditação profunda é desapego. Mas não desapego das coisas, das pessoas. É desapego do ego, desapego daquilo que você pensava que era.


281. A essência de Si mesmo tem de ser investigada, olhada, amada, vista e reconhecida sem sombra de dúvida. Só assim você poderá voltar para o refúgio de si mesmo quando precisar. A sua casa é na consciência, na presença sua própria presença.


282. A sua morada real é no silêncio eterno. Silêncio está aqui-agora, junto com seu corpo e sua mente, mas não é o corpo e a mente. Assim como seu reflexo no espelho parece você, mas não é você, da mesma forma o corpo e a mente que você experiência parecem ser você, mas só existem para que você possa conhecer sua essência  espiritual.


283. O ego é um eu falso, logo sua fome será sempre insatisfeita. Pelo máximo que alcancemos os nossos desejos, sempre haverá um sentimento de não-preenchimento.


284. As pessoas hoje em dia estão ávidas atrás de dinheiro, poder e sexo. Não há nada de errado no dinheiro, no poder pessoal ou no sexo. Mas a forma como isto está sendo utilizado é pelo ego, pela carência, pelo desejo compulsivo de ser preenchido por estas coisas e alcançar a felicidade. Resultado: a felicidade buscada sempre termina em infelicidade. O prazer desemboca em dor. A euforia se torna frustração. É como se estivéssemos sempre na trilha errada. Sempre tentamos e sempre falhamos. Uma culpa interior nasce porque pensamos com nós mesmos: “No que eu falhei desta vez?” e novamente, depois de saciado um desejo, a mente se volta para outro objeto (mais um carro, mais uma casa, mais uma roupa, mais um relacionamento, um outro tipo de trabalho) sem perceber que é a própria mente, o próprio desejo compulsivo a raiz básica da insatisfação.


285. Uma definição de ego: é aquilo que nos torna como ilhas separadas da energia da vida. O ego é o que nos faz solitários, isolados, partidos. A vida é uma só. O ego separa-nos da vida. E como o ego é algo separado, ele é sempre carente. Por conseguinte, precisa se alimentar constantemente de imagens para se sentir vivo e real. Não importa se você tem imagens positivas ou negativas sobre si mesmo. Para o ego, o importante é não ficar “vazio” de imagens. É por isso que precisamos o tempo inteiro de auto-estima e de pessoas que reforcem nosso sentido de “eu”. O que é isso? Ora, precisamos ser aprovados por todos que estão a nossa volta para que nos sintamos amados, aceitos, e portanto, de algum valor. É o ego em ação!


286. Estamos baseando a nossa verdadeira identidade em algo falso: o ego. O ego não é real porque é uma imagem que temos de nós mesmos. O ego não é uma energia pura. Lembre-se de que uma imagem muda a cada momento, um pensamento muda a cada momento. O que eu sou em essência não pode ser visto como uma imagem, porque esta identidade construída através de um rótulo mental não vai permanecer durante muito tempo. Note como durante um dia inteiro você muda de idéia sobre si mesmo. Note quantos pensamentos negativos e positivos sobre si mesmo você pensa por dia. Olhe como isso se alterna continuamente. Como você poderá ter uma clara visão de si mesmo diante dessa chuva de imagens contraditórias sobre si? Perceba o quão mutante é sua mente!


287. Mas você é consciência e atenção pura que observa as mutações. Se você meditar ou fizer uma terapia de Renascimento durante uma hora, as sensações do seu corpo irão desaparecer. Você parecerá sem corpo, leve como uma pluma. Da mesma forma seus pensamentos desaparecerão, bem como sentimentos e emoções. O que sobra para lhe dar uma sensação de existir? O que permanece quando sensações, sentimentos e pensamentos não estão sendo detectados por você? O que sobra é o que você é em essência: uma consciência pura de paz.


288. É importante você saber que a paz não vem do seu corpo e sua mente. A paz de espírito vem da essência que você é. Ela sempre esteve lá, da mesma forma que uma janela suja o impede de ver o outro lado, uma mente sem sabedoria vive em ilusão. Uma mente sábia é pura consciência. Os zen budistas costumam chamar esta mente sábia de não-mente.




ALÉM DA PAZ MENTAL


289. A paz mencionada pelos mestres iluminados vai além de uma paz mental. A paz mental tem uma fragilidade inerente. Por quê? Porque paz mental é baseada em pensamentos. Se pensamentos são vibrações, obviamente estão sujeitos à mudança contínua. Logo, esta paz mental está sujeita à impermanência. Não pode ser de longa duração. A paz mental tem uma duração no tempo e existe sob circunstâncias externas. Se as circunstâncias externas lhe desfavorecerem, surge sofrimento.


290. Você ganha na loteria, conhece uma pessoa maravilhosa, come uma comida que gosta, consegue o emprego desejado. O que você adquiriu gera uma paz mental, uma felicidade “temporária”. Mas tudo isso foi gerado de fora, foi manufaturado pelas circunstâncias externas. E como o mundo é um fenômeno, sujeito às leis da mudança, tudo aquilo que adquirimos no mundo têm certa duração e desaparece. Não importa o que seja, o mundo não irá te satisfazer. É preciso maturidade para entender que espiritualidade real é algo muito além de uma paz mental gerada por pensamentos positivos.


291. A mente é um fenômeno que sobrevive pelo pensar. O pensar sempre existe em dualidade. Se aparece em minha mente a idéia de escuro, por trás existe o claro. Eu posso definir o claro apenas pelo escuro. A tristeza tem existe o pano de fundo da alegria. Não posso definir tristeza sem alegria. O positivo e o negativo são exatamente assim, do mesmo modo. É pelo contraste dos opostos que a mente vive relacionando os conceitos que acreditamos. Um bom exemplo é a frase comum que muitos dizem: “Eu era feliz e não sabia”. Ora, pelo contraste, por estar infeliz, ele se deu conta de que estava feliz. Mas na realidade existe mesmo esta diferença? Como é possível saber exatamente quando termina o dia e começa a noite, o segundo exato. É possível?


292. É possível delimitar um ponto em que o escuro deixa de ser claro? Ou poderíamos dizer que o claro e o escuro são aspectos complementares de um mesmo processo? Que o consciente e o inconsciente são complementares de um processo chamado vida?


293. Sendo possível conceber a dualidade bom/mau da mesma forma, como poderíamos chamar uma coisa de apenas boa e outra de apenas má? Baseado em que? No pouco que compreendemos da vida? Seríamos então como um copo cheio d’água tentando compreender a vastidão do oceano...


294. A vida compreende as polaridades. Ela não pode existir sem as polaridades. A negação do negativo não fará de você uma pessoa melhor. Apenas a compreensão de todos os seus aspectos, sem rotular de positivos ou negativos, é o que te fará um ser humano integral. Lembre do acolhimento e esqueça a negação. Acolhimento do presente como ele está se manifestando. Meditação é uma metodologia científica de compreensão e transformação.


295. A paz mental é um pouco sem nexo, porque quando você está em paz, não está na mente – está no coração. Quando você está no presente, não está na mente. Quando você está no amor, não está na mente. Tudo aquilo que pode lhe dar harmonia não está na mente, mas além da mente, transcende as palavras. Quando você começa a sentir-se mais como uma presença do que algo definido e fixo, então a natureza da paz é revelada ao corpo e ao seu pensar correto. Pensamentos acontecem, mas diretamente de sua essência espiritual. Não há mais uma mente interferindo. Eles saem livres pelo cérebro diretamente da essência. A mente é o que confere os obstáculos que julgam e distorcem os pensamentos naturais que vem da fonte infinita de você mesmo - a essência interior.


296. A mente é uma cápsula que enclausura a realidade. A presença é quando a mente não mais contém os pensamentos e se torna livre para experienciar o aqui-agora e a vida infinita que está ocorrendo o tempo inteiro a nossa volta.


297. Saia da cápsula! Viva fora da prisão da mente! No filme MATRIX, há uma metáfora brilhante sobre isso. As pessoas vivem numa prisão virtual controlada pelas máquinas num futuro distante. Esta prisão virtual diz que existe um mundo, advogados, médicos, professores, mães, crianças, ideologias, idéias, felicidade, etc. Mas este mundo está sendo criado na mente das pessoas, que na verdade, no mundo real, são apenas escravas das máquinas e vivem em tonéis completamente inconscientes de sua real natureza. No filme, Neo, o personagem principal, luta para tentar acordar e libertar a si mesmo da prisão de sua mente. Quando ele consegue, pode viver no mundo da MATRIX (da ilusão) sem ser afetado, e então começar a ajudar as pessoas a encontrar a verdade. Ou seja: a verdade é que elas estão vivendo num mundo de fantasia criado para controlá-las. É o que mestre Osho dizia: “Viva no mundo sem ser do mundo”.


298. Paz mental é um artifício limitado para ajudar as pessoas. Todos nós precisamos sair da prisão da mente, sair das correntes que são feitas de pensamentos limitantes para podermos viver num mundo real de liberdade.


299. O mundo é feito pela sua mente. Se você vive um mundo em paz, você não vive na mente, você vive na consciência direta, na presença. Se você se enreda em seus pensamentos, você é pego nesta rede ilusória. Pensamento é vibração em movimento, mas na prisão da mente, sob a visão da mente, pensamentos são criações de realidades inconscientes e sofrimento. A consciência permite ver que cada pensamento é vazio em si mesmo e não afeta quem você é de verdade. Pensamento são vibrações, e não tem consistência quando você sabe quem você é e não se envolve com eles. Pensamento vem do vazio e retorna ao vazio. Você permanece como pura presença.


300. Busque meditação. O que todos nós precisamos neste novo milênio é da revelação de quem somos em essência. E esta verdade liberta a mente!



MORAR NO ETERNO É A ÚNICA SEGURANÇA


301. O mundo é feito de energia, vibrações, assim como você. Energia está sempre em movimento. Sua mente e seu corpo sempre estarão mudando.  O que não muda é o que você é: a presença-essência espiritual. Você precisa conhecer a si mesmo diretamente para reforçar essa identidade de presença espiritual e deixar em segundo plano a sua identidade como ego. Este treinamento é o que os mestres chamam de “priorizar aquilo que você É”.


302. Inicialmente, é uma mudança cognitiva profunda. Tudo na sua vida muda de perspectiva. Você começa devagarinho a morar em sua verdadeira casa. Não uma casa que é insegura como a mente mutante, ou que é impermanente como o corpo mutante, mas uma casa que não se desmancha nunca, que não é feita de areia, e não é feita de palha. Uma casa que é feita do eterno, um lar que é feito daquilo que é indestrutível e sempre permanente.


303. Todos nós aprendemos que devemos naturalmente buscar segurança e nos proteger contra a morte. Há ainda um instinto básico de sobrevivência embutido nos humanos e nos animais que os protege para manter o equilíbrio da vida.

304. O ser humano, por ser dotado da capacidade de pensar e elaborar um passado e um futuro, exagera na sua auto-proteção, e inclui medidas que não tem sentido algum se postas e investigadas à luz da clareza. Por exemplo: uma das coisas que poucas pessoas podem aceitar é o fato da morte. O fato de que este corpo vai morrer um dia. Para fugir deste medo criamos sistemas e mais sistemas de pensamento e acreditamos neles para nos proteger. As religiões criaram muitos sistemas para apaziguar o ânimo dos seres humanos. A idéia de que depois da morte vamos para o céu ao lado de Deus é um conceito que serviu muito ao interesse da sociedade até hoje, e deu certo alento a muitas pessoas que viviam sob o medo incessante do que pode acontecer após a morte. Mas qual a razão de você querer saber sobre a morte? Não seria porque não está vivendo a vida? Não seria um substituto? Pense nas pessoas que perguntam: “Qual o sentido da vida?”


305. As pessoas que perguntam isso só podem ser pessoas amarguradas, que não estão vivendo, que não estão dançando, que não estão em sintonia com o presente, que não sabem celebrar. Isso significa que muitos dos questionamentos que fazemos não têm sentido quando a nossa realidade existencial muda. Ou seja, um indivíduo feliz nunca pergunta sobre o sentido da vida, apenas uma pessoa infeliz pode perguntar isto. A felicidade é uma resposta existencial. Ela não é uma resposta mental, filosófica, argumentativa. E quando o existencial está sendo vivido acima do mental, as perguntas evaporam.


306. Qual o sentido de perguntar o que é o amor, fazer tratados sobre o amor, falar sobre o amor, poesias de amor, se você não tem capacidade de amar?


307. O que é o amor? O ser humano tem o vício de acreditar em palavras. Ele fala em amor como se conhecesse o que o amor é. Ele fala em Deus como se estivesse conhecido Deus pessoalmente. Mas o amor e Deus são experiências interiores, e não podem ser entendidos por argumentos. O amor e Deus são experiências existenciais. Deus não é o que você pensa que é. O amor não é o que você pensa que o amor é. Deus e o amor representam vivências profundas, sentidas e vivenciadas, que estão acima do nível do pensamento, por isso não podem ser entendidas pela mente.


308. Podemos fazer poemas sobre Deus, poemas sobre o amor, canções sobre Deus, canções sobre o amor, mas isto será distante ainda da realidade do amor e de Deus, assim como a realidade do seu reflexo no espelho é distante da sua realidade como pessoa. O reflexo da lua no lago é um reflexo da lua, e não pode ser considerado como a lua. Todo meditador aprende que é preciso se desenredar das palavras para que possamos olhar para as pessoas como elas são, para o amor como ele é, para cada momento como ele se apresenta. A mente é consciência congelada. A consciência é a mente líquida. A mente (pensamentos) é consciência solidificada, petrificada – ou seja, uma consciência que não é viva aqui-agora, mas que já aconteceu no passado.


309. Exatamente aqui-agora não há nada petrificado e fixo. No “agora” as vibrações se dissolvem e não montam nenhum cenário sólido. Qualquer solidez pertence ao mundo da mente. No “agora”, neste meio segundo, não há tempo para formar nada. É por isso que os sábios dizem que se você morar no “agora”, se sua consciência não se envolver com o corpo e petrificar-se numa mente, tudo que existe é flúido e espontâneo como a água. Nessa fluidez tudo pode ser aceito, tudo pode ser visto como simplesmente a vida se manifestando e expressando a si mesma.


310. Nesse momento você pode ver uma coisa: não é o ego que busca, é a vida que está buscando através do corpo-mente. Não há um eu fixo buscando isto ou aquilo. A consciência universal busca ver a si mesma através de todos os reflexos. As pessoas, o mundo, a vida em geral, é uma expressão de Deus, dessa consciência primordial. Se é possível eu aceitar que neste momento eu não tenho personalidade e nem corpo, mas apenas vibrações, estou entendendo que tudo aquilo que me limita é a idéia de que sou um ser separado dos demais e que tem uma missão separada das demais.


311. Quando posso me ver como aquilo que realmente sou como consciência infinita, posso notar que o corpo e a mente não mais solidificam a idéia que eu seja isso ou aquilo. Se eu não sou isto nem aquilo, o que sou?


312. Viver este mistério e saboriar o desconhecido de cada momento é o que este ensinamento traz de mais precioso. Se você é um mistério, não esqueça, o outro também é um mistério. Se puder ajudar, ajude. Se não puder ajudar, relaxe. Não é você mesmo quem ajuda, porque não existe um eu separado que possa ajudar. Por que isso? Porque a idéia de um eu separado vem da mente, vem do corpo, vem da identificação com o corpo. Mas se o corpo e a mente são vibrações, como podemos estar separados de verdade? Nossos corpos e mentes são freqüências vibratórias dentro da consciência que nós somos. Esta consciência é Una. Não há duas consciências. Deus é um só, mas se manifesta como mente. E a mente cria o mundo dos “muitos”. Dentro da mente você tem um nome e uma forma. Do ponto de vista de quem você é, consciência pura ou essência, - somos todos UM. Portanto, morar no eterno é sua única segurança. O corpo e a mente irão desaparecer e já estão mudando suas aparências desde que nascemos. O que é permanente? Atentemos para isso...





A ENERGIA PURA


313. O momento Agora não tem conflito em si porque este instante não pode conter nada a não ser vibração pura. Não há um pensamento neste momento. Um pensamento vem sempre da mente (e, portanto, do passado), e a mente para pensar precisa de tempo. Quando estamos falando deste Agora, estamos ao mesmo tempo falando do “sem tempo”. Se você não tem tempo para pensar, o que há? Quando você está fazendo amor totalmente absorto no momento, onde está seu pensamento sobre passado ou futuro? Você se transforma em energia pura naquele momento. Em celebração somos apenas energia pura eterna.


314. Energia pura é a raiz de todo momento. Não há nada nesta energia pura como pensamento ou sentimento ou sensações. Não há nada que a mente possa catalogar, analisar, rotular, pensar ou sentir. A natureza desse momento, por ser pura energia, é vazia de qualquer conteúdo que possamos estar estamos acostumados. Neste momento do agora, como energia pura, isto é a essência de você mesmo. Uma pura consciência que podemos chamar de presença. Este corpo vive através da presença dessa energia.


315. As vibrações que emanam dessa energia pura podem ser vistas por como o mundo, as pessoas, a mente, os corpos. As vibrações são muitas. Mas energia pura não tem vibração. É a fonte de toda a vibração. Energia pura é o que podemos chamar de Deus. Deus não é uma energia em movimento, mas simplesmente a fonte de toda energia em movimento. Chamamos energia em movimento de vibrações. Essas vibrações da energia é o que formam a mente, o corpo e todos os mundos e criações.


316. Como o mundo é feito de vibrações, ele tende a ser um fenômeno passageiro, mesmo que perdure por milhões de anos, um dia este mundo desaparecerá. Mas a energia pura não desaparece! Ela é a base para todas as vibrações aparecerem e desaparecerem. A tela branca do cinema permanece, mas o filme inicia e termina. A vida e a morte são partes de um mesmo processo chamado VIDA ETERNA. Nada começa um dia e nada termina. Não há começo. Não houve um dia em que você não existia. E não estamos falando de você como um ego, estamos falando de sua essência real como consciência e energia pura. A vida sempre irá existir em novas formas e novos nomes. A morte nada mais é que uma renovação desta vida eterna, de modo que as vibrações possam criar e recriar as infinitas faces de Deus.


317. Você nunca irá morrer. Sim, o corpo morre, se renova. A mente se renova em uma nova mente, mas a essência que você é por trás da mente e do corpo é infinita e eterna.


318. Em verdade, ninguém nasce e ninguém morre. Corpos nascem e corpos desaparecem. O envolvimento com o corpo nos ilude que é o “eu” que morre. Meditação é simplesmente sentir no seu coração a sua imortalidade e a pureza desse amor que você é a cada momento.



319. Meditação é viver todo segundo sem idéias pré-concebidas do que seja você. É ser você sem pensar em ser você. Deixe os outros pensarem no que quer que queiram a seu respeito, mas não esqueça: nada do que os outros pensarem sobre você é realmente você. Inclusive qualquer coisa que você não capta a verdade do que você seja integralmente.




320. Meditação é uma mudança interior. Não espere pelos outros. Não há “outros” neste ensinamento. Tudo é com você. Se você muda o mundo não pode permanecer o mesmo. Se você muda o seu foco, toda a perspectiva da sua vida muda e os outros mudam junto com você. Afinal, tudo é UM.


321. Todos os mestres iluminados proferiram: “Somos todos Um”. Neste momento da humanidade, até os cientistas e físicos modernos estão falando que tudo o que existe veio de uma só fonte, de uma mesma substância. Esta mesma substância os sábios chamam de Consciência Universal. É desta consciência que toda a vida que conhecemos provém. Somos um só, mas aparecemos como muitos, em muitas variedades. Por que isso? Para que haja vida o UM se manifesta como muitos. A mente tem o poder de ver os muitos. A mente é o instrumento que usamos para viver o mundo dos muitos, do eu, dos outros, das coisas. Sem mente não há vida para você do jeito como você percebe agora. A mente é um lindo instrumento quando você conhece a sua essência espiritual.


322. Na verdade tudo funciona como se cada um de nós fosse parte de um “quebra-cabeças” chamado VIDA. Imagine um quebra–cabeças já montado. Todo quebra-cabeças possui uma imagem que faz um sentido quando está montado. Desmontado, cada peça não faz nenhum sentido se olhada, porque não forma nenhuma imagem que possamos dizer que é completa. Cada peçinha do quebra-cabeças só faz sentido quando junto com todas as outras peçinhas. Juntas, formam uma imagem clara de algo.

323. Na visão dos sábios cada um de nós só faz sentido no mundo quando totalmente entrelaçado e em comunhão com tudo que existe. Ou seja, separados não fazemos sentido. Quando nos sentimos sozinhos, separados, de lado, notamos que ficamos abatidos, sem graça, e perdemos o sentido da vida. Mas quando estamos integrados com o mundo e com as pessoas, algo desponta em nós como um sentido de ser e estar no mundo. O significado disso é que na verdade estar separado é estar envolvido com algo que não pode viver a vida completamente – e este algo é o ego – a imagem limitada que temos de nós. Esta imagem não é o que nós somos integralmente, portanto, jamais vai nos satisfazer completamente.

324. O ego-ísmo significa isolar-se e transformar-se numa ilha. Isso não significa estar sozinho. Significa orgulho, achar-se mais do que os demais, diferente dos demais. Estar sozinho faz parte da vida assim como estar junto. Mas o ego é aquilo que te mantém imaginando que você precisa se opor a alguém. Também de que precisa ser melhor do que os outros. A idéia de que você precisa ser melhor do que os outros vem da idéia de que você é pior, inferior, incompleto, carente. A idéia de perfeição nasce da idéia de ser imperfeito. Quando as idéias são questionadas e colocadas em prova, nos surpreendemos. O silêncio que você é em essência, revelado pela meditação, precisa de algo para ficar mais completo?


325. O quebra-cabeças completo da vida é quando você nota que a existência é uma rede de relações e seu corpo e sua mente faz parte dessa rede. Então você observa a rede da vida. E nesse observar da comunhão de tudo que existe, nasce uma compaixão, uma liberdade, uma soltura, um amor profundo e sutil. Com este observar desapegado ao seu corpo e sua mente, nasce em você uma paz que não vem do corpo e nem da mente. Esta paz vem na natureza do que você é. A verdadeira paz vem do Ser, da Essência.


326. Paz é o contrário de sentir-se separado. Paz é um vivenciar da completude, da comunhão, da conexão com tudo a nossa volta. Por isso Buda costumava dizer aos seus discípulos que a menos que você seja um ninguém, você ainda não compreendeu a si mesmo. A menos que você desapareça como um indivíduo separado, como um ego, não haverá paz. A paz está perceber-se como um Todo.

327. Busque os mestres. Busque os ensinamentos. Ponha em prática. A perfeição é o reconhecimento do amor que acolhe este momento. A perfeição não está no futuro, mas na manifestação do Amor Incondicional a cada momento como você, suas ações, e suas escolhas.


O olho é a lâmpada do corpo. Se teu olho é bom, todo o teu corpo se encherá de luz. Mas se ele é mau, todo teu corpo se encherá de escuridão. Se a luz que há em ti está apagada, imensa é a escuridão.
Jesus Cristo










SAMBODH NASEEB


Místico, guia de meditação, escritor, terapeuta, poeta, músico, professor de filosofia, resgata em seu trabalho a ética sagrada dos antigos sábios da não dualidade, com pitadas de poesia e da filosofia mística ocidental. Em 1993, um despertar espontâneo num êxtase silencioso o levou ao seu amado mestre, Osho. Atualmente transita livremente inspirado em místicos e sábios como Sidharta Gautama; Nisargadatta Maharaj, e os professores contemporâneos não-duais como Mooji, Bob Adamson, Burt Harding, Jean Klein. Sem esquecer os ocidentais Heráclito, Nietzsche, Espinosa, Sócrates, e Plotino.
Tem graduação acadêmica em Filosofia, e mais de duas décadas de estudos, pesquisas, vivências, realizações e insights em meditação; com especialização em diversas terapias integrativas contemporâneas, tais como Bioenergética, Pulsation I, Leitura Corporal (Gaiarsiana), Rebirthing (Terapia da Respiração), Reiki, Deeksha, com anos de experiências profundas em Biodança, PNL, Hipnose e Regressão.
Em 1998, com sua companheira Anand Naveena, fundou o BIO.ZEN – Vida Consciente - espaço de vivências meditativas, em Santa Cruz do Sul - RS.

Atualmente compartilha a Visão da Unidade em workshops, retiros e sessões individuais presenciais, e também em ensinamentos na web.
Realiza sessões individuais presenciais no Bio.Zen, e também via web (Skype ou Facebook).

Escreve textos em seu blog (www.naodual.blogspot.com) e no Facebook (Sambodh Naseeb)






Nenhum comentário: