SAMBODH TEXTO 2





O FUNCIONAMENTO DO TODO



Às vezes, depois de uma meditação, vem uma sensação maravilhosa de que tudo realmente está maravilhoso como está. Meu trabalho, meus relacionamentos, minha vida. Mas no outro dia, eu experimento uma outra sensação, e ela é de desconforto, e quando penso, parece que estou limitando demais a minha vida, que mesmo a busca espiritual parece sem sentido. O que posso fazer?

É possível notar que tudo faz parte do conteúdo dessa consciência? O maravilhoso e o limitado são aparecimentos na consciência. Eles não permanecem, não é mesmo? Você pode notar que eles são passageiros. De certa forma o que você está me dizendo é que está impaciente com os altos e baixos. Mas olhe com todo o carinho. Olhe com sua clareza agora e me diga: onde tudo isso acontece? Onde os altos e os baixos acontecem?


Sim, tudo isso acontece dentro da consciência que eu sou. Mas é muito desgastante toda esta instabilidade.

Você é realmente o passageiro, o instável? Você é a consciência ou a mente? Você não obserrva a instabilidade? O ponto está em você realmente confiar em quem você reconheceu que é. Caso contrário, você repete palavras sem sentido falando de consciência. Onde você está? Seus olhos não páram.


Estou perdido na mente.

Você pensa que está perdido na mente. Mas isso é mais um pensamento. Você não está perdido na mente. O que é mente? É pensamento. E um pensamento aparece para você. Você não é um pensamento. Você é aquele que conhece, que está consciente do pensamento. Ora, quem é você, então?


Estou me sentindo mal só de pensar nisso agora.

Veja que “sentir-se mal” é outro conteúdo-pensamento aparecendo para você. Mesmo o sentir-se mal, a sensação ruim na boca do estômago, está bem, porque é ISTO que está aparecendo na consciência que você é AGORA. Está tudo bem. Tudo isso faz parte da experiência AGORA. Tudo isso! Observe! Note que essa experiência deste momento pode ser acolhida. Não há problema em sentir-se assim, há? Quem cria o problema? Quem está dizendo que isto é um problema? Perceba que há alguém rotulando dentro de você que isso é um problema. Experimente: suspenda o julgamento. Não julgue isto. Não perca tempo em analisar ISTO. Veja. Simplesmente deixe toda a experiência SER agora.
Tudo que está acontecendo junto ao pensador (mente-ego) é parte da experiência. Fique claramente consciente deste conteúdo. Qual o problema de estar sentindo isto? Consciência (e isto é o que você É agora) não tem problema algum com nenhum ponto de vista. Todos os pontos de vista ficam de pano de fundo para a consciência, se você se colocar como consciência. O filme é visto como filme. Pontos de viosta são vistos como pontos de vista.  Permita que nesta tela apareça o filme. Não julgue a história. Não julgue o personagem, pois este é parte do filme, da programação. Se você julgar, quem julga? A mente. E quando a mente julga, ela se reforça, se fortalece, assume mais identidade real.
Observe a mente julgar. Observe a mente sofrer. Relaxe, porque de verdade, você como consciência já está relaxado. Você é o próprio relaxamento. Você é a luz da Presença. Você é aquilo que é intocado pela experiências. Então permita as experiências. Deixe que elas sejam do jeito que são. Mas não se envolva. Fique de lado. Olhe para a experiência e sorria. Este sorriso é a sua libertação e o retorno como consciência pura neste único momento agora.


Realmente! Qual o problema? Agora até eu estou me perguntando qual o problema! Estou criando um problema de um fato, não?

Não é? (risos)


Quando vejo tudo isso sem o ponto de referência egóico (o eu separado), esclarece muita coisa. O que me dou por conta agora é que estou resistindo a sentir isto. E vejo que este é o caroço do problema.

Sim! E podemos investigar: Quem está resistindo? Quem está impedindo a fluidez dessa energia? Toda a energia é um movimento. Tem um início, um meio, e um fim. Mas podemos segurar a energia, não podemos? Como? Resistindo. Como fluir? Acolhendo tudo que acontece! Acolhendo toda a experiência. Pois tudo que você acolhe se transforma em você. Assim como todo alimento se transforma em seu sangue e corpo, tudo que você acolhe com amor torna-se parte da Luz que você é. E desse modo não mais lhe perturba, porque não há mais nenhum perturbador perturbando (risos).


Mas que coisa incrível não percebermos isso. Isso significa que perdi a naturalidade. Eu ainda não sei aceitar a raiva, o medo, a tristeza. É isso?

Tire o ego do caminho, só isso. Você nem precisa aceitar se estiver na posição correta. Consciência não aceita e nem rejeita. Conciência apenas observa o movimento da energia. É a mente ainda fazendo as coisas que aceita ou rejeita. No início do entendimento pode ser assim. Mas indo adiante, não há necessidade de usar a mente mais. Osho disse uma vez: “Saia do seu próprio caminho!”. Exatamente isso. Sair do caminho é observar o julgador, o resistente, o sabotador, o analisador, o cobrador como algo inofensivo e sem poder perante você como Consciência. É a compreensão de que isso tudo é o jogo da mente, o jogo dos pensamentos. Recuse-se a fazer este jogo maluco. E verá algo inédito acontecer. Uma sensação de leveza acontece. Você absorve tudo em você. E tudo desaparece dentro de você, porque você é tudo que há.


Todo conteúdo que aparece na consciência veio da consciência?

Sim.


E todo conteúdo retorna à consciência! A não ser que eu comece a criar um jeito de manter esta energia acesa! E o jeito é pensar e fazer mil histórias negativas sobre isso. Estou no caminho?

Perfeito. Sua mão não pode agarrar o ar. Um pensamento não pode fazer mal a você, porque você não é um corpo e nem uma mente. Você é consciência onde tudo isso acontece. Relaxe nisso. Está tudo bem. Sinta o silêncio que se abre quando não estamos mais resistindo a nada. Não se preocupe. Você é sempre a testemunha de tudo que acontece. Meditação é notar isto. Essa testemunha não é uma pessoa. Ela testemunha a pessoa. Você é uma inteligência sem fronteiras. Uma inteligência sem limites. Todo limite deve ser um pensamento. Nosso trabalho é confrontar nossos limites e ver que estamos sempre além de qualquer limite que pensamos ter. Porque todo pensar é limitado, de alguma forma. Ouse ser o ilimitado. Não resista à realidade posta. Permaneça apenas notando a espontaneidade de tudo. Essa é a maior alegria que existe. Quando sentar em meditação, apenas lembre-se de que você não é o que aparece. Você é o invisível que está observando o que aparece. Relaxe assim.




O que é despertar a Inteligência real?

A mente é emprestada.
A inteligência é sua.
Nós somos infelizes porque vivemos vidas emprestadas. Poucos professores existem na sociedade que podem nos ensinar que há uma inteligência inerente a nós que pode ser desperta. Muitas vezes pensamos que já estamos prontos para viver, para amar, para ser feliz. Às vezes passamos a vida inteira pensando assim até despertar para a ilusão disso. O despertar dessa inteligência é o que chamamos de lucidez e autocura. Lucidez é a capacidade de ter luz. É o dom de despertar a clareza e sair da ignorância que faz com que nossas mentes não sejam capazes de viver em sabedoria.

Despertar clareza é o movimento da vida em direção a autoconsciência. Este é um convite para aprender sobre si mesmo, e perceber que tudo que vemos ou sentimos é um reflexo daquilo que temos dentro de nós mesmos.  Já ouvimos que, se quisermos sentir paz no mundo, devemos ser esta paz. O mundo não está separado da maneira com que sentimos o mundo. Eis a chave!


O pensamento de ser um fracasso geralmente ronda minha mente, mesmo que eu tenha sucesso em tudo que faço. Por que?

Às vezes surge um pensamento “Eu sou um fracasso” e em outros momentos aparece outro pensamento “Eu sou um sucesso”. Mas sucesso e fracasso são pensamentos aparecendo na consciência pura que você é. VOCÊ continua, na verdade, igual. Nem uma coisa, nem outra. Apenas lembre-se que nenhum pensamento pode definir o que você realmente É. Um pensamento é apenas um rótulo mental. Não se identifique. Permaneça em unidade. Estar em unidade significa que não comparo este momento com aquele momento. E se não comparar, eu sou o que sou a cada momento. Unidade é isso. Assim, você mantém a consciência sempre além dos programas e condicionamentos do corpo/mente. E mesmo que surja algum sentimento negativo, ele logo é derretido pela consciência alerta. O segredo é: tudo que vier, acolha e transforme no seu coração. Confie no poder que há na essência da Vida. E você é a Vida.


Os mestres alcançaram algo além. É quase impossível viver nesta consciência de que sou perfeito sendo o que sou. Você pode me ajudar?

Vou apenas citar uma frase do Mestre Osho: “A única diferença entre nós é que você não diz “ok” para você mesmo – essa é a única diferença. Você está continuamente tentando melhorar a si mesmo, e eu não estou tentando melhorar. Eu disse: imperfeita é como a vida é. Você está tentando tornar-se perfeito, e eu aceitei minhas imperfeições. Essa é a única diferença. Então eu não tenho problemas. E quando você aceita suas imperfeições, de onde poderão vir os problemas? Quando você diz OK ao que quer que aconteça, então de onde pode o problema surgir?”


Às vezes parece tudo tão claro. Em outras vezes sinto-me confuso. O que fazer? Por que isso acontece?

Eu pergunto para você, quem se confunde? Você verá que se tem alguém que se confunde só pode ser a mente. Mente pensa, analisa, compara, julga e quer conclusões. Aquilo que você realmente é não pode se confundir, porque contém todos os opostos e ao mesmo tempo está além de tudo. Viver no Agora é viver sem conceitos. Sem conceitos tudo é novo, de novo, de novo e outra vez... é assim que se entra no pórtico do não saber maravilhoso da nossa natureza de luz natural e imaculada.


Como posso me amar mais? A meditação pode me ensinar isto? Sinto que tenho passado a vida inteira tentando me amar, mas em vão. É possível?

Um professor espiritual chamado Umi disse em um satsang: "Esqueça tudo sobre amar você mesma e sobre não amar você. Quando você aceita aquilo ao qual está acontecendo, tudo é perfeito. Seu sofrimento não é causado por você não amar a si mesma, mas por acreditar em uma opinião que você tem sobre você mesma. Algumas vezes você se amará, outras vezes não se amará. De muitas maneiras, a sociedade lhe ensina a desprezar você mesma, que você não é amável. Deixe essa crença de que você precisa se amar. Deixe essas opiniões todas em sua mente, mas não dê realidade a elas. Veja-as como apenas opiniões, que é o que elas são. No momento em que você fecha seus olhos, simplesmente alerta aos sentimentos no corpo, amar você ou não é irrelevante. Existe simplesmente este momento, este momento de atenção presente ao seu corpo e aos sons lá fora, estando totalmente aqui você está livre. Meditação guia para este espaço sagrado em que não há pensamento, e você é o que você é agora."


Como se relaciona o bem e o mal neste ensinamento da unidade? Você poderia citar novamente aquela fala de Amit Goswami, aquele físico moderno que tenta fazer correlações entre o misticismo e a ciência?

Vou citar o que Goswami disse: “Essa questão de Deus contra o Mal é interessante. Segundo a visão da Física Quântica, existem as forças da criatividade e as forças do condicionamento. Não falamos muito sobre isso, mas eu defendo a idéia que a Física Quântica nos dá, de que é a consciência cósmica que escolhe entre as possibilidades para trazer à realidade o evento real que ocorre. A questão é: então temos de entrar nesse estado incomum de consciência, no qual somos cósmicos, no qual escolhemos e, então... como entrar nessa consciência individual na qual somos uma pessoa? Na qual temos personalidade e caráter? Ao trabalharmos com a matemática disso, descobrimos que essa condição ocorre porque todas as nossas experiências aparecem após serem refletidas no espelho da nossa memória, muitas vezes. É essa memória que causa o condicionamento. Uma propensão a agir do modo como já agi antes. Uma propensão para responder a estímulos do modo como já respondi antes. Todas as pessoas sabem disso. Elas passam a manhã no cabeleireiro e o marido volta para casa e diz “O que há para o almoço?”, sem notar o novo penteado da esposa, o que é muito irritante, tenho certeza. Mas esse condicionamento é o que nos torna indivíduos. Então, a questão é que, na Física Quântica, vemos claramente o papel da consciência cósmica, que eu chamo de “ser quântico”, no qual há criatividade, há forças criativas. E então perdemos essa criatividade, ficamos condicionados. E o condicionamento nos faz parecidos com máquinas. Assim, o mal maior que a nova ciência nos traz é o condicionamento. Pois é ele que nos faz esquecer a divindade que temos, o poder criativo que temos, a força criativa que realmente representa o que buscamos quando invocamos Deus. Mas isso também está incompleto. Essa questão pode ser estudada mais a fundo e há um escopo maior, trazendo idéias como emoções negativas e positivas. Assim, teremos uma exposição maior do Bem contra o Mal. Mas, de fato, a consciência cósmica inclui tudo. Esse é o conceito esotérico, não tanto exotérico, mas esotérico, por trás de todas as religiões, de que há apenas Deus, e que o Bem e o Mal são uma divisão, uma necessidade da criação, mas não é fundamental, ou seja, o diabo não é igual a Deus; o diabo é uma criação subseqüente. É útil pensarmos em termos de Bem e Mal mas, às vezes, é preciso transcender isso, é preciso perceber que Deus é tudo. Esse é o cenário que a Física Quântica defende.”


Sambodh Naseeb






Nenhum comentário: